O que uma estrela do hip hop no corredor da morte tem a ver com ditadores de todos os lados (Opinião)

CNN , Zin Mar Aung
5 jul, 10:00
Mianmar

“Temos a experiência em primeira mão de que a interferência militar da Rússia não se limita à Ucrânia”, escreve a ministra dos Negócios Estrangeiros do Governo de Unidade Nacional de Mianmar, Zin Mar Aung.

Zin Mar Aung é ministra dos Negócios Estrangeiros do Governo de Unidade Nacional de Mianmar. Antiga presa política e deputada, Zin Mar Aung foi expulsa do cargo quando os militares de Mianmar tomaram o poder num golpe de Estado a 1 de fevereiro de 2021. Por segurança, está atualmente fora do seu país. Os pontos de vista aqui expressos são da autora.

 

Estou a pensar num homem que cantou sobre a liberdade. O seu nome é Zeyar Thaw.

Ele lançou o primeiro álbum de hip-hop do meu país em 2000. No Myanmar daquela época, isto foi quase uma revolução. O seu rap tocou a vida de muitas pessoas.

Qualquer pessoa que falasse de liberdade na altura estaria a viver perigosamente. Fundador da Generation Wave, um movimento pró-democracia, Zeyar Thaw foi trazido inevitavelmente para a política com a sua música.

Em 2011, depois de um período na prisão pelo seu ativismo político, e logo no início da nossa transição democrática, Zeyar Thaw foi libertado e eleito para o parlamento.

Agora está sentado no corredor da morte. Há algumas semanas, Zeyar Thaw e o seu colega ativista pela liberdade Ko Jimmy foram condenados à morte pelo regime militar que roubou o poder em fevereiro de 2021. Se a sua execução for para a frente, será a primeira no país em décadas.

O seu crime? O regime acusa-os de estarem “envolvidos em atos terroristas”. O que é que isto significa? Que eles acreditam na liberdade.

O Governo de Unidade Nacional (NUG) registou quase três pessoas que foram mortas desde o golpe ilegal. Mais de um milhão de pessoas foram deslocadas das suas casas, tendo muitas delas procurado abrigo em campos de refugiados. Outros 1,6 milhões de pessoas perderam os seus empregos. Mais de 19 mil casas foram destruídas, estima o NUG.

O então candidato da Liga Nacional para a Democracia (NLD) Zeyar Thaw, em Rangum, a 7 de Abril de 2012.

Fui eleita pelo povo do meu círculo eleitoral em novembro de 2020. Estava à espera de fazer o juramento de posse e de escolher o nosso próximo Presidente. Mas a 1 de fevereiro de 2021, soldados sob o comando do General Superior Min Aung Hlaing cercaram os dormitórios onde vivíamos como membros parlamentares. Forçaram-nos a escolher - rendemo-nos às suas armas ou resistimos?

Já tinha suportado 11 anos difíceis como prisioneira política sob um anterior regime militar, entre 1998 e 2009. A maioria desses anos passei na solitária. Desta vez, não pude apenas ver como outro general despótico forçou o meu país ao caos. Escolhi a resistência. Tal como Zeyar Thaw e Ko Jimmy e muitos milhares através de Myanmar. Enfermeiros, professores, médicos, agricultores, até mesmo crianças - eles saíram às ruas contra o golpe indesejado.

Vivemos num mundo em que os ditadores se apoiam uns aos outros para manter o seu poder. Por isso, deve ficar claro que a luta pela democracia e liberdade empreendida pelo povo de Mianmar é uma luta que diz respeito a todos. Zin Mar Aung

 

Optámos por afirmar a nossa legitimidade, como membros eleitos do parlamento. Formámos o Governo de Unidade Nacional porque a nossa liberdade não será roubada pelas armas russas dos militares.

A Rússia continua a ser um importante fornecedor de armas, equipamento e treino para os militares no meu país, incluindo caças, helicópteros e drones - armas que têm sido utilizadas para bombardear e matar civis desde o golpe.

Temos a experiência em primeira mão de que a interferência militar da Rússia não se limita à Ucrânia. A Rússia e Myanmar estão a reforçar os seus laços e consideramo-la como parte de um maior envolvimento estratégico com o Sudeste Asiático - uma tentativa coordenada de promover a autocracia e corroer a democracia na região.

Por sua vez, a junta militar tomou o partido do Presidente russo Vladimir Putin e da sua invasão da Ucrânia. Ainda na semana passada, uma delegação de alto nível do conselho militar participou no 25º Fórum Económico Internacional de São Petersburgo, com o objetivo de reforçar os seus laços com o regime russo.

Vivemos num mundo em que os ditadores se apoiam uns aos outros para manter o seu poder. Por isso, deve ficar claro que a luta pela democracia e liberdade empreendida pelo povo de Mianmar é uma luta que diz respeito a todos.

Eu sou a ministra dos Negócios Estrangeiros do Governo de Unidade Nacional de Mianmar. É minha tarefa dizer ao mundo que não seremos derrotados. Mas o que posso eu dizer ao povo de Mianmar em troca? O que é que o mundo nos diz?

Mais de um ano após o golpe, nenhum país reconheceu formalmente o regime do General Min Aung Hlaing. Os militares continuam a sua campanha de violência - matando, queimando, destruindo alimentos e colheitas, prendendo pessoas sem culpa formada. Os generais são acusados de terríveis crimes contra a comunidade muçulmana Rohingya e outras pessoas de minorias étnicas no nosso país.

Afirmam ter como alvo aquilo a que chamam e designaram “terroristas” e culpam os combatentes da resistência, em vez dos seus próprios militares, por muitos destes incidentes.

Mas as palavras do secretário de Estado norte-americano Anthony Blinken, em março de 2022, precisam de ser ouvidas: "Não há ninguém que os militares birmaneses não venham buscar. Ninguém está a salvo de atrocidades sob o seu domínio. E assim mais pessoas na Birmânia reconhecem agora que o fim desta crise, restaurando o caminho para a democracia, começa com a garantia dos direitos humanos de todas as pessoas no país, incluindo os Rohingya".

Temos de superar esta junta, mudando os seus cálculos para que percebam que não podem manter Myanmar para sempre nas correntes do seu medo e da sua ganância.

É assim que o vamos fazer.

Temos de negar à junta os rendimentos que financiam a sua violência. Os Estados Unidos, a União Europeia e o Reino Unido impuseram algumas sanções contra o regime. Mas muito mais deve ser feito para negar à junta a moeda estrangeira que esta deseja.

Os militares continuam a depender de fundos de empresas estrangeiras para financiar os seus atos de guerra. Esse fluxo de dinheiro, especialmente de dólares do petróleo, deve e pode ser travado.

Depende também da Rússia. As armas russas estão a afluir ao meu país, e Min Aung Hlaing visitou Moscovo e, desde o golpe, foi mesmo honrada por uma universidade de Moscovo. O veto da Rússia torna impossível que o Conselho de Segurança da ONU chegue a qualquer posição comum para pôr fim a esta violência.

O exemplo da Ucrânia demonstra como o mundo pode utilizar alavancas económicas para exercer pressão sobre um regime.

As sanções têm sido utilizadas até agora em Mianmar principalmente contra indivíduos - mais pode e deve ser feito para ir atrás das receitas do petróleo e da facilidade com que os militares podem utilizar o sistema bancário internacional para extrair as suas riquezas roubadas e importar as armas de que necessitam para processar os seus crimes. Recentemente, o governo britânico impôs sanções contra as empresas russas que apoiam a junta militar: este é um passo na direção certa.

Os atos assassinos dos militares de Mianmar não irão parar até que os seus rendimentos falhem.

A nível interno, superaremos a junta pelo poder da inclusão. O meu país tem estado em guerra consigo próprio há muitas décadas. Agora, em oposição aos militares, uma nova aliança entre os grupos étnicos de Mianmar está a construir um futuro novo e partilhado. Estamos a abordar as causas profundas da violência através da nossa nova Carta Democrática Federal - um plano para um Myanmar descentralizado e inclusivo. Estamos a aprender juntos para onde precisamos de ir.

Os atos assassinos dos militares de Mianmar não vão parar até que os seus rendimentos falhem. Zin Mar Aung

 

Esta visão foi validada pelo nosso Conselho Consultivo da União Nacional, o processo mais inclusivo, substantivo e orientado para as pessoas que alguma vez tivemos em Mianmar. Este CCUN reúne representantes de diferentes partidos políticos, vozes étnicas e da sociedade civil para criar soluções comuns para os desafios que enfrentamos. Estamos a aprender juntos para onde precisamos de ir.

E estamos a pôr em prática esta inclusão. Muitas partes do nosso país já estão livres do controlo da junta graças à bravura das organizações de resistência étnica e às ações do povo na defesa das suas próprias casas.

Nestas áreas, estamos a trabalhar com organizações políticas étnicas e da sociedade civil para construir administrações locais lideradas pelos representantes do povo, e estas novas administrações estão a assumir a responsabilidade pela saúde e pelos serviços humanos.

Outro elemento do nosso plano é opormo-nos às eleições fictícias que a junta procura impor ao país.

Esta tática é familiar, criando eleições a que só eles podem concorrer, só eles podem ganhar, e depois desfilando o resultado como se ele importasse. Esta tática armadilha Myanmar em ciclos intermináveis de fragilização e violência.

A nossa intenção é dar ao povo do país uma verdadeira liberdade, e não escárnio que sirva as ambições de um general que conhece as pessoas que o rejeitaram da última vez que tiveram uma escolha.

A nível internacional, afirmamos o direito do povo de Myanmar ao governo que escolheram. O Senado francês e outros parlamentos já determinaram que somos o governo legítimo, porque temos a autoridade das eleições de 2020 e o consentimento do povo.

O atual Consenso de Cinco Pontos da ASEAN falhou. A comunidade internacional precisa de uma estratégia mais eficaz para ajudar Mianmar - e restaurar o governo civil.

Isto deve começar com um plano mais eficaz de prestação de assistência humanitária. Os esforços para prestar ajuda fracassarão se os doadores permitirem aos militares um veto sobre a forma como esta é prestada --- Min Aung Hlaing e os seus capangas não se preocupam com o sofrimento do povo. Mesmo nos últimos dias, eles têm visado o fornecimento de alimentos de modo a matar o nosso povo à fome.

Deixaram claro que querem um controlo total sobre a ajuda humanitária como forma de ganhar legitimidade e alavancar a sua estratégia.

Nós, no Governo de Unidade Nacional, estamos prontos a permitir que as agências humanitárias alcancem os mais necessitados. Mianmar tem uma sociedade civil resistente que está a realizar um trabalho incrível para servir as suas comunidades. A ajuda humanitária pode e deve ser prestada enquanto se presta contas ao povo de Mianmar.

Finalmente, temos de responsabilizar Min Aung Hlaing e os seus capangas pelos crimes que cometeram. As crianças assassinadas, as pessoas levadas e torturadas na prisão, os aldeões forçados a ver as suas colheitas destruídas - as vítimas têm direito à justiça, e esta não lhes será negada.

Assistimos à reação internacional à invasão russa da Ucrânia. Essa reação dá-me esperança. Não queremos viver num mundo onde tais crimes possam ser cometidos com impunidade. As pessoas acreditam que a Ucrânia pode e deve ser livre.

O meu país, o seu povo e os meus amigos - Zeyar Thaw e Ko Jimmy, prestes a ser assassinado - estão à espera que o mundo acredite que Myanmar também pode ser livre.

Opinião

Mais Opinião

Patrocinados