Opositora bielorrussa volta para prisão após cirurgia de emergência

Agência Lusa , AM
6 dez 2022, 09:15
Maria Kolesnikova (Associated Press)

Maria Kolesnikova conseguiu receber a visita do pai, que “verificou que a filha está viva”

A bielorrussa Maria Kolesnikova regressou à prisão depois de uma cirurgia de emergência a que teve de ser submetida devido de uma úlcera gástrica, informaram esta terça-feira fontes próximas da opositora do regime do presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko.

"No fim de semana, [a opositora] foi transferida do hospital Gomel para a prisão e agora está sob observação médica", disse a equipa de apoio ao também preso político Víktor Babariko na rede social Telegram.

Segundo a mesma fonte, a opositora ao regime bielorrusso conseguiu receber a visita do pai, que “verificou que a filha está viva”.

“Ela emagreceu e no momento está com poucas forças”, referiu ainda a equipa de Víktor Babariko, que transmitiu o agradecimento aos médicos que a trataram no hospital.

Maria Kolesnikova, que era a responsável pela campanha de Víktor Babariko quando este tentou concorrer às eleições presidenciais de 2020, foi internada no final de novembro.

A opositora foi uma aliada da líder da oposição no exílio, Svetlana Tikhanovskaya, durante os grandes protestos antigovernamentais na Bielorrússia após as eleições presidenciais de 2020.

Maria Kolesnikova, de 40 anos, cumpre uma pena de 11 anos de prisão depois de a Justiça bielorrussa tê-la considerado culpada de conspiração para tomar o poder, criar uma organização extremista e incitar ações que ameaçavam a segurança do Estado.

Todos os membros do Conselho de Coordenação da Bielorrússia, criado para a transferência pacífica do poder após a eclosão dos protestos contra as alegadas fraude nas eleições presidenciais de 2020, vencidas por Lukashenko [no poder desde 1994], foram presos ou estão no exílio.

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados