Brasil: Lula da Silva diz que Bolsonaro tem culpa nos ataques aos três poderes

Agência Lusa , MJC
18 jan, 17:17
Lula da Silva (EPA)

“Não sei se o ex-presidente mandou, o que eu sei é que ele tem culpa porque passou quatro anos mentindo para a sociedade brasileira instigando que o povo tinha de estar armado”, afirmou o presidente brasileiro

O Presidente brasileiro, Lula da Silva afirmou esta quarta-feira que o ex-chefe de Estado Jair Bolsonaro é culpado pelos ataques feitos por radicais às sedes dos três poderes no Brasil.

“Não sei se o ex-presidente mandou, o que eu sei é que ele tem culpa porque passou quatro anos mentindo para a sociedade brasileira instigando que o povo tinha de estar armado”, afirmou Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio do Planalto, numa sala lotada de sindicalistas brasileiros.

“A democracia a gente não garante com armas, a gente garante com cultura, com livro, com debate, com educação, com comida, emprego”, frisou Lula da Silva.

O chefe de Estado acrescentou que depois da sua “posse maravilhosa”, os atacantes “esperaram dar um golpe por gente preparada”.

Estas declarações surgem após o Tribunal Superior Eleitoral do Brasil dar ao ex-presidente Jair Bolsonaro três dias para explicar o conteúdo de um projeto de decreto que previa que fosse decretado estado de emergência, encontrado na residência de um ex-ministro.

O prazo foi fixado numa decisão do juiz do tribunal eleitoral Benedito Gonçalves, na segunda-feira, que ordenou a inclusão do documento numa investigação contra Bolsonaro por alegado abuso de poder durante a campanha para as eleições presidenciais de outubro.

O texto controverso é o projeto de um decreto que permitiria a Bolsonaro estabelecer o estado de emergência para intervir no mais alto tribunal eleitoral e reverter o resultado das eleições de 30 de outubro, em que foi derrotado por Luiz Inácio Lula da Silva.

O documento foi encontrado pela Polícia Federal na residência de Anderson Torres, que era ministro da Justiça de Bolsonaro e está detido desde sábado sob a acusação de alegada omissão, pois era responsável pela segurança em Brasília quando milhares de radicais invadiram a sede da presidência, do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF).

Jair Bolsonaro foi também incluído pelo STF na lista das pessoas sob investigação pelos violentos acontecimentos de 08 de janeiro, como autor intelectual e instigador dos ataques feito por extremistas aos três poderes, em Brasília.

O ex-presidente, que se encontra atualmente nos Estados Unidos, é suspeito de incitar apoiantes a invadir e vandalizar as sedes do parlamento, da presidência e do STF.

Caso Bolsonaro seja considerado responsável por abuso político e utilização de meios de comunicação oficiais a favor da campanha, o tribunal eleitoral pode condená-lo a um período de desqualificação política de pelo menos oito anos.

 

Brasil

Mais Brasil

Mais Lidas

Patrocinados