Morreu o mentor de culto de personalidade da família Kim

Agência Lusa , AM
8 mai, 06:30
Kim Ki-nam

Kim Ki-nam, hospitalizado desde 2022, morreu na terça-feira devido à idade avançada e a "várias disfunções orgânicas"

O antigo chefe da propaganda norte-coreana Kim Ki-nam, considerado o mentor do culto da personalidade da família Kim, no poder, morreu aos 94 anos, anunciou esta quarta-feira a agência de notícias oficial KCNA.

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, permaneceu em silêncio diante do caixão esta manhã "com amarga tristeza pela perda de um veterano revolucionário que permaneceu, sem falhas, leal" ao regime, informou a KCNA.

Kim Ki-nam, hospitalizado desde 2022, morreu na terça-feira devido à idade avançada e a "várias disfunções orgânicas", escreveu a agência.

Kim é mais conhecido por ter dirigido o Departamento de Agitação e Propaganda da Coreia do Norte, de 1989 a 2017, depois de ter sido editor-chefe do jornal estatal Rodong Sinmun nos anos de 1970. Foi também vice-presidente do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte, no poder.

Iniciou a carreira sob a direção de Kim Il-sung (1948-1994), e era considerado um amigo próximo do filho e sucessor Kim Jong-il (1994-2011), pai do atual líder.

A ele se devem alguns dos principais slogans do regime e discursos dos dirigentes, sendo também considerado o mentor do culto da personalidade em torno da família Kim, através de numerosos artigos e ensaios.

"Um veterano do nosso partido e da revolução, um teórico de prestígio e um ativista político de referência", referiu a KCNA.

O papel como principal chefe de propaganda do regime está nas mãos da irmã de Kim Jong-un, Kim Yo-jong, desde 2018.

Ásia

Mais Ásia

Mais Lidas

Patrocinados