Marcelo recorda "obra incontornável" na sociologia de João Ferreira de Almeida

Agência Lusa , HCL
16 jun, 20:38
Marcelo Rebelo de Sousa (Hugo Delgado/ LUSA)

João Ferreira de Almeida foi presidente do ISCTE entre 1992 e 2005, assim como da Associação Portuguesa de Sociologia

O Presidente da República lamentou esta quinta-feira a morte do antigo presidente do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE) João Ferreira de Almeida, uma “antiga amizade” que deixou uma “obra incontornável na investigação em sociologia”.

Em comunicado divulgado na página oficial da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa “lamenta a morte de João Ferreira de Almeida, evocando a antiga amizade, e envia as mais sentidas condolências à família e aos mais próximos”.

“João Ferreira de Almeida deixa uma obra incontornável na investigação em sociologia, em domínios como: classes e estratificação social; exclusão social e desigualdades sociais; educação e juventude”, acrescentou o chefe de Estado.

O antigo presidente do ISCTE e da Associação Portuguesa de Sociologia João Ferreira de Almeida morreu hoje em Lisboa.

Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, em 1964, João Ferreira de Almeida lecionou no ISCTE desde a sua fundação, em 1972, tendo-se doutorado em Sociologia em 1984.

Foi presidente do ISCTE entre 1992 e 2005, assim como da Associação Portuguesa de Sociologia, tendo também assumido as funções de representante português na comissão permanente para as ciências sociais da Fundação Europeia de Ciência.

Professor emérito do instituto, em 2018 recebeu a Medalha de Mérito Científico atribuída pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e, ao longo da sua carreira, dedicou-se ao trabalho académico e científico na área da Sociologia, em especial nas áreas do trabalho e das desigualdades.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Política

Mais Política

Patrocinados