Telescópio da NASA fotografa ponto de interrogação no espaço profundo

CNN , Kristen Rogers e Ashley Strickland
13 ago 2023, 18:20
Objeto em forma de ponto de interrogação poderá ser a interação de duas galáxias, segundo os especialistas. NASA/ESA/CSA/Joseph DePasquale (STScI)

O James Webb ilumina informação sobre as origens do nosso universo, mas o aparecimento deste misterioso objeto no fundo da imagem deixa mais perguntas do que respostas

Um objeto cósmico com a forma de um ponto de interrogação brilhante surge numa das últimas imagens captadas pelo Telescópio Espacial James Webb da NASA.

A imagem original de infravermelhos próximos, divulgada a 26 de julho, mostrava um par de jovens estrelas chamado Herbig-Haro 46/47. Encontradas a 1470 anos-luz de distância, na constelação de Vela, na Via Láctea, as estrelas ainda se estão a formar ativamente e a orbitar uma à outra.

As duas têm sido observadas e estudadas por telescópios espaciais e terrestres desde os anos 50, mas o telescópio Webb, altamente sensível, permitiu obter a imagem de maior resolução e mais pormenorizada de sempre. Tem a capacidade de observar o universo com comprimentos de onda de luz mais longos do que outros telescópios espaciais.

O telescópio Webb ilumina informação sobre as origens do nosso universo, mas o aparecimento deste misterioso objeto no fundo da imagem deixa mais perguntas do que respostas. O ponto de interrogação cósmico não foi observado nem estudado de perto, pelo que os cientistas não sabem exatamente quais as origens e a composição do objeto.

Mas têm algumas ideias baseadas na sua forma e localização.

"A primeira coisa que se pode excluir é que se trate de uma estrela da Via Láctea", disse Matt Caplan, professor assistente de Física na Universidade Estadual do Illinois, nos Estados Unidos. "As estrelas têm sempre estes picos muito grandes, e isso deve-se ao facto de as estrelas serem pontuais. É a chamada difração, que vem basicamente das bordas dos espelhos e dos suportes que sustentam a espécie de câmara no meio."

O telescópio Webb permite normalmente ver seis ou oito "pontas" estelares se olharmos de perto, acrescentou Caplan. "Isto diz-nos imediatamente que não é uma estrela", afirmou sobre o fenómeno em forma de ponto de interrogação.

Pode ser uma fusão de duas galáxias que, provavelmente a milhares de milhões de anos-luz de distância, estão muito mais longe do que a Herbig-Haro 46/47, considerou Christopher Britt, cientista no gabinete de divulgação pública do Space Telescope Science Institute, que gere as operações científicas do telescópio Webb.

Há "muitas, muitas galáxias fora da nossa Via Láctea", sublinhou Britt. "Isto parece ser o tipo de coisa que acontece com bastante frequência - à medida que as galáxias crescem e evoluem ao longo do tempo cósmico - e que por vezes colidem com as suas vizinhas mais próximas. E quando isso acontece, podem ficar distorcidas em todo o tipo de formas diferentes - incluindo um ponto de interrogação, aparentemente."

Questões cósmicas

É provável que seja a primeira vez que este objeto específico é visto, admitiram os especialistas, mas a fusão de galáxias numa forma semelhante a um ponto de interrogação já aconteceu antes - incluindo uma versão formada pelas galáxias Antennae na constelação Corvus. Além disso, a maioria das galáxias teve múltiplas interações como esta ao longo da sua história, apontou Britt, mas não duram muito tempo.

"Não há forma de fixar nada (no) espaço", disse Caplan. "O Sol move-se à medida que orbita a galáxia, e a galáxia, sendo feita de estrelas, move-se na direção em que a gravidade a puxa."

Esta integração é também o destino final da nossa própria galáxia, que se fundirá com a galáxia de Andrómeda dentro de cerca de 4 mil milhões de anos, recordou Britt - mas a forma que tomarão é desconhecida.

A forma de ponto de interrogação pode também ser "indicativa de uma fusão em que estas duas galáxias estão a interagir gravitacionalmente", disse Britt. "Aquele gancho do ponto de interrogação no topo parece-se muito com aquilo a que chamamos uma cauda de maré, onde o fluxo de estrelas e gás foi como que arrancado e voou para o espaço."

A recolha de mais dados espectroscópicos sobre o objeto revelaria mais pormenores como a sua distância e composições químicas, explicaram Britt e Caplan.

"No entanto, ninguém o vai fazer, porque isto é como se 'um homem encontrasse um frango que se parece com George Washington'", comparou Caplan. "Mas há observações que podem ser feitas se houver motivação suficiente."

Relacionados

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados