Iraque declara recolher obrigatório após confrontos provocarem pelo menos dois mortos e 22 feridos em Bagdade

Agência Lusa , NM
29 ago, 20:47
Forças de segurança em Bagdade, no Iraque

Dezenas de apoiantes de Moqtada al-Sadr invadiram esta segunda-feira o Palácio da República, na Zona Verde, levando as forças de segurança a disparar

O Iraque declarou esta segunda-feira recolher obrigatório após tiroteios na caótica Zona Verde de Bagdade, que já provocaram pelo menos dois mortos e 22 feridos, quando o líder Moqtada al-Sadr anunciou a sua retirada da cena política.

Dezenas de apoiantes de Moqtada al-Sadr invadiram esta segunda-feira o Palácio da República, em Bagdade, para expressar o seu descontentamento após o clérigo populista iraquiano ter anunciado a sua “retirada definitiva” da política.

Os apoiantes do líder religioso e político entraram no Palácio da República, localizado na ultra-segura Zona Verde da capital iraquiana, levando as forças de segurança a disparar, fazendo pelo menos duas mortes e ferimentos em 22 outras pessoas, de acordo com fontes médicas.

Antecipando o cenário de confrontos, Al-Sadr ordenou aos elementos do seu círculo mais próximo para que não se pronunciem sobre os eventos em curso, nem usem as redes sociais para promover mais ações de violência.

O clérigo xiita também aconselhou os apoiantes a não empunharem bandeiras do partido, que ficou oficialmente dissolvido com a decisão desta segunda-feira anunciada por Al-Sadr.

Os ocupantes do Palácio da República acomodaram-se em poltronas, saltaram para a piscina do edifício, com as forças de segurança a começar por disparar bombas de gás lacrimogéneo, para tentar dispersar os manifestantes.

A situação na Zona Verde de Bagdade mantém-se caótica, apesar do decretar do recolher obrigatório, efetivo a partir desta segunda-feira, quando a polícia começou a usar munições reais, aumentando o clima de confronto que já se vivia entre apoiantes de Al-Sadr e partidários dos partidos oposicionistas.

Desde as eleições de outubro do ano passado que o Iraque está sem Governo e sem um novo Presidente, depois de o partido de Al-Sadr ter vencido, mas com apenas 73 lugares dos 329 do Parlamento.

Esta segunda-feira, Muqtada al-Sadr anunciou a sua "retirada definitiva" da cena política no Iraque, perante a crise política

"Decidi deixar de intervir nos assuntos políticos. Anuncio a minha retirada final e o encerramento de todas as sedes das instituições políticas (do movimento sadrista)”, disse o influente clérigo e líder do principal partido no Iraque.

O anúncio de al-Sadr ocorreu apenas 48 horas depois de ter exigido a exclusão da cena política de todos os partidos que atuam no Iraque desde 2003, como condição para superar a crise que se vive desde as eleições de outubro.

O partido de al-Sadr tentou uma aliança com outras forças parlamentares para eleger o Presidente e o primeiro-ministro, que ficariam encarregados de formar um Governo, o que acabou por não ser possível, devido ao bloqueio dos opositores xiitas, próximos do regime iraniano.

Os deputados sadristas demitiram-se em bloco, em junho, mas, perante a eleição de um Presidente e de um primeiro-ministro propostos pelos opositores, os seguidores de Al-Sadr ocuparam o Parlamento, em 30 de julho.

A ocupação durou uma semana e, após um apelo do clérigo, os sadristas retiraram-se do Parlamento e têm estado acampados em frente ao edifício, para exigir a dissolução da Câmara e novas eleições.

Relacionados

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados