Imagine Dragons trouxeram amor, inspiração e Ucrânia ao NOS Alive

Andreia Miranda | Rita Cerqueira | Lina Santos , notícia atualizada às 2:44
10 jul, 01:54

Banda de Las Vegas regressou ao festival onde já tinha atuado duas vezes para um concerto de 90 minutos. Ao longo do espetáculo, Dan Reynolds deixou mensagens inspiradoras e ainda houve tempo para lembrar que, em 2022, há guerra na Europa

"It's Time". A música parece escolhida a dedo, até porque, no concerto de Imagine Dragons deste sábado no NOS Alive, tudo pareceu pensado ao pormenor para dar mais brilho ao espetáculo: houve confettis, fogo de artifício, labaredas e discursos inspiradores. 

Dan Reynolds e companhia entraram em palco perante um recinto cheio e ainda a recuperar do concerto de Da Weasel e agarraram a multidão logo com "Believer". Miúdos e graúdos, juntaram-se na noite de verão de sábado, para desfrutarem do espetáculo da banda de Las Vegas.

Com momentos de pausa pensados entre canções - e que não serviram para o vocalista mudar de roupa, como é habitual nestas situações - o espetáculo avançou numa cadência própria, com êxitos misturados com músicas do álbum "Mercury" - "Follow You", "Bones", "Enemy" e "It's Ok".

Mas, a multidão acabaria por entrar em euforia com hits como "Whatever It Take", "Demons", "Thunder" ou "Natural", músicas bem conhecidas do público português e não só. 

Dan Reynolds, dos Imagine Dragons (NOS Alive)

Caía o pano do espetáculo quando Dan Reynolds, que durante o concerto lembrou a importância da música para unir pessoas de todos os países, incentivou o público a ser ele mesmo e a procurar um terapeuta quando sentir que a sua saúde mental está em risco como ele próprio faz, o que lhe valeu um forte aplauso. 

Outro dos momentos da noite aconteceu quando, com a bandeira da Ucrânia na mão, o vocalista dos Imagine Dragons, Dan Reynolds, trouxe a guerra para o Passeio Marítimo de Algés, cantando uma versão de “Forever Young”, dos Alphaville.

“Esta música é dedicada ao povo na Ucrânia. Não se esqueçam que há crianças a morrer, que há guerra em 2022. Para as pessoas na Ucrânia, que haja paz”.

"Amamo-vos Lisboa!", garantiu Dan, antes de tocar, ao piano, os primeiros acordes de "Radioactive". E, no meio de amor, se fechou o concerto de regresso de Imagine Dragons ao Alive, onde tocaram em 2014 e 2017. Em 2022, garantiram: se "deixassem", tocavam a noite toda.

O amor, esse, era mútuo. No final do concerto, já com o público a dispersar para os outros palcos, Laura Guerra, que veio do Porto, diz que o concerto foi o melhor, mas faltou uma música: "Wraked".

"Sou fã de Imagine Dragons, com 59 anos. Gosto muito da energia que transmitem, da mudança de tom, adoro. A mensagem, gosto muito. Só faltou uma música: 'Wracked'", confessa à CNN Portugal. 

Já Margarida veio de mais perto, de Alverca, para ver a banda que "nunca tinha visto ao vivo" e confessa que, quando Dan Reynolds fala, se sente "muito o que ele diz".

"Foi muito bom, foi tudo bom não sei explicar. Nunca tinha visto ao vivo. Quando cantaram a música para a Ucrânia foi muito bom, o melhor momento para mim. Ficámos muito perto do palco, nunca tinha assistido a algo tão perto", contou.

No Alentejo, a banda sonora de Vítor esta semana foi a música da banda de Los Vegas, até porque, na sua lista de artistas, os Imagine Dragons estão em segundo lugar na preferência, logo atrás da Sia.

"O meu momento preferido foi quando cantaram 'Diamonds'", conta, explicando que fica "sempre perto do palco nos concertos" porque gosta da "sensação" de que a banda está a ver o público e a "receber a energia".

E no fim, dança-se

A última banda a subir a palco no NOS Alive foram os irlandeses Two Door Cinema Club, que regressaram ao festival onde atuaram em 2018. 

A banda, que estreou o mais recente álbum “False Alarm”, sofreu com problemas técnicos no arranque do concerto, o que fez com que ficassem sem microfone ou sem instrumentos durante alguns momentos.

Two Door Cinema Club (NOS Alive)

O público que resistiu (muito dispersou no final de Imagine Dragons) ou se juntou na dança, ou se sentou para aproveitar o som da banda composta por Alex Trimble na voz, Sam Halliday na guitarra e Kevin Baird no baixo.

O concerto arrancou com "I Can Talk", passou pela nova "Wonderful Life", e ainda houve tempo para "Talk" e "Changing of the Seasons" ou "Eat That Up, It's Good For You". A dança só terminaria com "What You Know", êxito da banda irlandesa, que encerrou o palco (e a festa). 

Dia de família no Alive

Antes dos concertos da noite, no palco principal do NOS Alive subiram ao palco as irmãs HAIM e os Mother Mother (que têm dois irmãos na banda de cinco). 

A primeira banda a atuar foi o quinteto composto por Ryan Guldemond, Molly Guldemond, Mike Young, Ali Siadat e Jasmin Parkin, que subiu ao palco para apresentar o álbum "Inside", lançado em 2021, a uma plateia ainda em formação debaixo do calor abrasador que marcou o festival. 

"Hoje é um dia muito especial. É a primeira vez que tocamos em Portugal, em Lisboa. Adoramos este país, esta cidade, a vossa cultura e as pessoas", garantiram perante o público que se mostrou conhecedor de músicas como "Bit By Bit", "Let's Fall in Love" e "Body of Years".

Mother Mother (NOS Alive)

Às 19:00, e quando o público se dividia entre jantar e guardar lugar na frente de palco, as norte-americanas HAIM subiram ao palco e mostraram-se felizes por voltar a Portugal.

Com um cenário suis generis, Danielle, Alana e Este entregaram ao público português um alinhamento que correu os três álbuns da banda, tendo em destaque o "Women in Music, Pt. III", lançado em 2021.

Próximo Alive já tem datas

Na já habitual conferência de imprensa de encerramento do Nos Alive, Álvaro Covões, da Everything is New, anunciou à imprensa as datas do próximo festival: 6,7 e 8 de julho de 2023. Desta vez, não foram anunciadas bandas nem reuniões como aconteceu em 2019 com os Da Weasel. Mas houve quem lembrasse os Madredeus.

Após dois anos de ausência, o Nos Alive voltou para quatro dias de concertos e uma média de 55 mil espectadores por dia. The Strokes, Florence+The Machine, Metallica, Da Weasel e Imagine Dragons, que atuaram no palco principal, foram as bandas que atraíram mais espectadores ao Passeio Marítimo de Algés.

Música

Mais Música

Patrocinados