Sim, a humidade nas casas está uma loucura e os desumidificadores ajudam. Mas atenção: não deite fora a água do seu desumidificador

23 jan, 22:13
Água

A água que fica acumulada nos reservatórios dos desumidificadores é destilada

Numa altura em que a humidade tem atacado o país de uma forma atípica, surgiu também uma corrida às soluções e o desumidificador tornou-se uma presença comum nas casas portuguesas. E como na natureza nada se perde, você pode transformar o fenómeno da humidade numa oportunidade - não só para o ambiente como para a sua carteira.

A associação ZERO aponta várias formas de dar uso à água extraída pelo desumidificador. Mas antes uma explicação e um alerta: é que importa referir que a água que sai do desumidificador é destilada e, por isso, é vista como "mais pura". Ainda assim, há que ter em atenção que não deve ser usada para fins potáveis. "Obviamente não será uma água com qualidade para consumo, uma vez que advém da humidade e pode conter microrganismos", explica Sara Correia, técnica da ZERO na área dos recursos hídricos.

E precisamente por ser destilada, esta água pode ser reutilizada em alguns eletrodomésticos como, por exemplo, no ferro de engomar. E não danifica o equipamento, porque a água do desumidificador não tem contém calcário nem sais minerais. O mesmo se aplica a veículos que utilizem água no sistema de refrigeração do motor: usar água destilada nesse depósito é preferível à utilização de água canalizada.

Pode reutilizar a água do desumidificador no ferro de engomar e noutros equipamentos que usem água destilada. Foto: Pexels

Mas há mais: sabia que com uma só descarga de autoclismo poderá gastar 20 litros de água potável? Pode também contornar esta despesa ao usar a água do desumidificador para descargas sanitárias. Além disso, também pode ser útil em limpezas - ao ser misturada com detergente ou com o clássico sabão azul sem quaisquer inconvenientes. Há ainda quem use a água armazenada para regar plantas em casa.

"O ideal é que possamos adotar estas práticas nas nossas rotinas. Não estamos só a poupar numa questão ambiental mas estamos também a poupar na nossa carteira", afirma Sara Correia.

A técnica da ZERO aconselha a que se evite sempre o desperdício de água em casa, hoje mais do que nunca devido aos longos meses de seca no país - por isso, mesmo que não precise de utilizar essa água de imediato, não a deite fora e armazene‐a em garrafões para a utilizar assim que necessitar.

Apesar de já não estarmos em situação de seca, sabemos que esta vai voltar a acontecer no futuro. "Vamos passar inevitavelmente por uma situação de seca, portanto o que pudermos fazer para ir poupando água ao longo do ano, mesmo que seja só a nível doméstico, tem algum impacto", adverte a especialista, que deixa um último conselho aos consumidores: "Quando receber a fatura da água, analise-a e quando perceber o gasto doméstico que tem percebe também onde estão os maiores consumos - e aí reduzi-los."

País

Mais País

Patrocinados