Russos roubam máquinas agrícolas na Ucrânia – mas descobrem que elas foram desativadas à distância

CNN , Olexsandr Fylyppov e Tim Lister
2 mai, 08:30
Agricultores ucranianos plantam sementes de beterraba a 26 de março, em Humnyska

Tropas russas pilham material no valor de quase cinco milhões. Parte dele foi levado para mais de 1.100 quilómetros de onde estavam. À chegada, nem terão conseguido ligá-los.

Tropas russas na cidade ocupada de Melitopol roubaram todos os equipamentos de uma concessionária de equipamentos agrícolas - e enviaram-nos para a Chechênia, de acordo com um empresário ucraniano da região. Mas depois de uma viagem de mais de 1.100 quilómetros, os ladrões não conseguiram usar nenhum dos equipamentos - porque eles haviam sido trancados remotamente.

Nas últimas semanas, tem havido um número crescente de relatos de tropas russas que roubam equipamentos agrícolas, cereais e até materiais de construção - além de saques generalizados de residências. Mas a retirada de valiosos equipamentos agrícolas de uma concessionária John Deere em Melitopol mostra uma operação cada vez mais organizada, que até usa transporte militar russo como parte do assalto.

A CNN soube que o equipamento foi retirado de uma concessionária Agrotek em Melitopol, que está ocupada pelas forças russas desde o início de março. Ao todo, o equipamento roubado está avaliado em quase cinco milhões de dólares (4,7 milhões de euros). Só as máquinas de colheita valem 300 mil dólares (285 mil euros) cada um.

A CNN não identifica o seu contacto em Melitopol familiarizada com os detalhes do caso para proteger a sua própria segurança.

LEIA TAMBÉM: Ucrânia acusa russos de “roubar” trigo

O contato disse que o processo começou com a apreensão de duas máquinas de ceifar, um trator e uma semeadora. Nas semanas seguintes, tudo o resto foi retirado: todas as 27 máquinas agrícolas. Um dos camiões de plataforma usados, e filmados por uma câmara, tinha um "Z" branco pintado e parecia ser um camião militar.

Segundo o contato, havia grupos rivais nas tropas russas: alguns viriam de manhã e outros à noite.

Algumas das máquinas foram levadas para uma vila próxima, mas parte delas embarcou numa longa jornada por terra até a Chechênia, a mais de 1.100 quilómetros de distância. A sofisticação das máquinas, que são equipadas com GPS, permitiu o rastreamento das viagens. Elas foram rastreadas pela última vez na vila de Zakhan Yurt, na Chechênia.

O equipamento transportado para a Chechênia, que inclui debulhadoras, também pode ser controlado remotamente. “Quando os invasores levaram as máquinas de colheita roubadas para a Chechênia, perceberam que não podiam nem sequer ligá-las, porque estavam trancadas à distância”, explicou  o contato.

O equipamento parece estar agora a definhar numa fazenda perto de Grozny. Mas o contato disse que "parece que os sequestradores encontraram consultores na Rússia que estão a tentar contornar a proteção".

"Mesmo que eles vendam as debulhadoras para peças de reposição, vão ganhar algum dinheiro", disse.

Outras fontes na região de Melitopol dizem que o roubo de unidades militares russas estendeu-se a cereais mantidos em silos, numa região que produz centenas de milhares de toneladas de cereais por ano.

Uma fonte disse à CNN que "os ocupantes estão a oferecer-se aos agricultores locais para partilhar seus lucros em 50% a 50%". Mas os agricultores que tentam trabalhar em áreas ocupadas por tropas russas não conseguem transportar os seus produtos. "Nem um único elevador funciona. Nenhum dos portos está a funcionar. Não vai conseguir levar esses cereais do território ocupado para lugar nenhum." Então, as forças russas estão simplesmente a ficar com os cereais, disse a fonte. "Eles roubam, levam para a Crimeia e pronto."

Na semana passada, o presidente da Câmara de Melitopol publicou um vídeo a mostrar um comboio de camiões a sair de Melitopol, supostamente carregado com cereais. "Temos provas claras de que eles descarregaram cereais do elevador da cidade de Melitopol. Eles roubaram o elevador assim como quintas particulares", disse o autarca à CNN.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados