Primeiras horas do cessar-fogo de Putin: Ucrânia em alerta para ataques aéreos, acusações de parte a parte

6 jan, 11:31

Russos e ucranianos já vieram denunciar ataques após a entrada em vigor do cessar-fogo de 36 horas ordenado por Vladimir Putin, por ocasião do Natal ortodoxo. Desde as 12:00 de Moscovo desta sexta-feira - menos três horas em Lisboa - as tropas de Putin deverão observar uma trégua até ao final do dia de sábado, mas jornalistas de agências de notícias internacionais reportaram disparos de artilharia na linha de combate ucraniana, nomeadamente em Bakhmut - estando por apurar qual dos lados em conflito tomou iniciativa, uma vez que a Ucrânia não aderiu ao cessar-fogo do Kremlin, e também se houve resposta do lado oposto.

Moscovo falou ao mais alto nível: o Ministério da Defesa da Rússia acusou Kiev de continuar a bombardear as áreas russófonas e as posições militares russas, refere a agência russa Interfax, apesar da observância do cessar-fogo pelos russos.

Já a agência russa TASS cita um representante russo da autoproclamada República Popular de Donetsk, que diz que houve bombardeamentos ucranianos em Donetsk exatamente ao meio-dia na Rússia, hora a que se iniciava o cessar-fogo de 36 horas decidido pelo Kremlin. A mesma fonte garante que os bombardeamentos se repetiram meia hora depois no distrito de Petrovsky, na cidade de Donetsk.

Do lado ucraniano, o líder dos serviços de emergência garante que houve bombardeamentos num quartel dos bombeiros em Kherson já esta sexta-feira. Serhi Kruk escreveu no Telegram, segundo o The Guardian, que os russos "confirmaram mais uma vez o facto de que não se pode confiar neles. Outro bombardeamento da nossa unidade. Mortos e feridos", sublinhou.

Também nas primeiras horas do cessar-fogo russo, a Ucrânia declarou alerta para ataques aéreos em todo o território. Alegadamente, os avisos devem-se à passagem de dois aviões A-500 AWACS, aeronaves de fabrico soviético, no espaço aéreo da Bielorrússia. A imprensa internacional dá ainda conta da descolagem de um caça MiG-31K de território bielorrusso.

Recorde-se que o presidente da Bielorrússia visitou esta sexta-feira a base militar onde estão estacionadas tropas russas em território de Minsk, tendo discutido com um representante do exército da Federação Russa os exercícios militares conjuntos das duas nações, bem como o aprofundamento da cooperação militar entre Moscovo e Minsk.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados