"A tática mudou": é assim que a Rússia quer ganhar vantagem na Ucrânia

CNN , Christian Edwards, Victoria Butenko, Olga Voitovych e Svitlana Vlasova
16 abr, 09:00
Vista aérea da sala de máquinas destruída da central térmica de Trypilska após o incêndio provocado por um rocket em 11 de abril (Kostiantyn Liberov/Libkos/Getty Images via CNN Newsource)

Durante os últimos dois invernos, a Ucrânia resistiu a uma série de ataques aéreos russos que procuravam desativar as suas infraestruturas energéticas, mergulhar os seus cidadãos na escuridão e utilizar as temperaturas gélidas como arma de guerra.

A Ucrânia sobreviveu a este ataque graças aos sistemas de defesa aérea ocidentais e às medidas de poupança de energia adotadas pelos seus cidadãos, uma vez que as famílias cozinhavam em fogões de campismo e os médicos realizavam cirurgias à luz de lanternas.

Enquanto a Ucrânia resistiu a esta tempestade de inverno, a Rússia renovou o seu ataque nas últimas semanas, atingindo a rede elétrica ucraniana com uma intensidade e de uma forma nunca vistas durante mais de dois anos de guerra.

"As suas táticas mudaram - infelizmente, não para melhor para nós", diz à CNN Svitlana Grynchuk, ministra-adjunta da Energia da Ucrânia.

Nos primeiros dois anos de guerra, os ataques russos eram mais dispersos, disparando salvas de mísseis para atingir grandes áreas do sistema energético da Ucrânia. Atualmente, os ataques estão a tornar-se mais precisos e concentrados, com dezenas de mísseis e drones a chover sobre um único alvo.

"Num período de tempo tão curto - em poucas semanas de ataques russos maciços - quase todos os nossos esforços de reconstrução e reparação, que duraram um ano, foram destruídos em poucos dias, em poucos ataques", refere Grynchuk.

O ponto de viragem ocorreu no final de março, explica à CNN Oleksandr Kharchenko, diretor do Centro de Investigação da Indústria Energética (EIRC), sediado em Kiev. Nesse dia, a Rússia lançou um dos seus maiores ataques com mísseis e drones contra as infraestruturas energéticas da Ucrânia, atingindo pelo menos 10 regiões do país e deixando mais de um milhão de famílias sem eletricidade.

"Em 22 de março, a Rússia começou a implementar a sua nova estratégia de ataques", afirma Kharchen, dizendo que "a nova estratégia consiste em ataques maciços com mísseis contra alvos específicos, quando um grande número de mísseis e drones se concentra simultaneamente num número muito limitado de alvos."

Desde então, a Rússia tem bombardeado as centrais elétricas ucranianas em todo o país e, na quinta-feira, destruiu completamente a central térmica de Trypilska - a maior central da região de Kiev. A DTEK, a maior empresa privada de eletricidade da Ucrânia, afirmou também na quinta-feira que a Rússia tinha causado "danos graves" a duas das suas centrais e que cerca de 80% das instalações de produção de energia que gere tinham sido destruídas pelos ataques russos.

"Em vez de continuar a concentrar os seus ataques nos sistemas de transmissão da Ucrânia, a partir de finais de março a Rússia começou a lançar ataques maciços às nossas infraestruturas de produção de energia", sublinha Maxim Timchenko, diretor executivo da DTEK, à CNN. "Infelizmente, o inimigo evoluiu as suas táticas e está a utilizar armas de alta precisão. O resultado é um grande aumento na eficácia destrutiva em comparação com 2023.

Dado que a Ucrânia mantém a energia armazenada, os ataques às centrais térmicas não causaram apagões imediatos e prolongados. As centrais térmicas são sobretudo utilizadas para equilibrar as necessidades globais, em especial durante os períodos de aquecimento intenso no inverno, quando o consumo aumenta.

Para além da intensidade e concentração dos ataques, o calendário também mudou. Anteriormente, a maior parte dos ataques da Rússia ocorria no período que antecede o inverno. Atualmente, têm ocorrido numa primavera invulgarmente quente.

Há duas razões pelas quais a Rússia pode ter esperado pela primavera para lançar a sua nova estratégia.

Trabalhadores verificam um transformador que foi danificado por um ataque de mísseis russos na central eléctrica da DTEK na Ucrânia, a 1 de abril (Evgeniy Maloletka/AP via CNN Newsource)

Em primeiro lugar, a Rússia precisou de tempo para criar as armas e as informações necessárias para efetuar os ataques, explica Kharchenko. "Esta estratégia foi claramente elaborada durante muito tempo, eles passaram muito tempo a desenvolvê-la, recolheram informações e prepararam-se cuidadosamente para estes ataques".

Em segundo lugar, a Rússia pode ter esperado até que as centrais elétricas ucranianas estivessem menos protegidas por defesas aéreas, um recurso cada vez mais escasso após dois anos de guerra, e com a ajuda dos Estados Unidos paralisada durante meses pelo Congresso.

"Presumo que a Ucrânia tenha protegido bastante bem as suas infraestruturas energéticas antes do inverno, porque esperávamos que tais ataques ocorressem", admite Olena Pavlenko, presidente do grupo de reflexão ucraniano sobre energia DiXi Group, à CNN.

Mas, tendo saído do inverno, continua Pavlenko, algumas das defesas aéreas podem ter sido deslocadas - por exemplo, para as linhas da frente da Ucrânia. "Não se trata de um erro, é apenas uma definição de prioridades. Pensámos que, se o inverno acabar, provavelmente poderemos utilizar o sistema de defesa aérea noutros locais".

A região de Kharkiv, no nordeste da Ucrânia, foi a mais afetada, segundo o ministro da Energia, Herman Halushchenko. Mais de 200 mil pessoas ficaram sem eletricidade após os ataques russos de quinta-feira. Com a cidade tão perto da Rússia, os mísseis hipersónicos podem atingi-la em segundos. "Devido à proximidade da fronteira, os terroristas têm a oportunidade de utilizar vários tipos de armas em grande número", afirmou Halushchenko na televisão ucraniana.

Reparar ou defender

A Ucrânia tem demonstrado uma capacidade notável para reparar os danos na sua rede elétrica. Algumas das suas subestações de alta tensão - nós-chave que reduzem a tensão da eletricidade para que esta possa ser transferida através das linhas elétricas para as casas e escritórios - foram restauradas mais de 10 vezes, confirma Kharchenko. Dezenas foram recuperadas pelo menos três ou quatro vezes. "São atacados e restaurados, e depois atacados de novo. Se não fossem restauradas, uma parte significativa das regiões já não teria eletricidade".

Maria Tsaturian, diretora de comunicações da Ukrenergo, a empresa estatal ucraniana que gere a rede elétrica, revevla à CNN que o ritmo das reparações tem vindo a aumentar. "Em tempo de paz, era preciso um mês para substituir um autotransformador de grandes dimensões danificado por um novo. Agora fazemo-lo em menos de uma semana".

Mas a Ucrânia está agora a enfrentar uma tarefa totalmente diferente: reparar não apenas subestações, mas centrais elétricas inteiras. Enquanto as subestações podem ser protegidas com sacos de areia, redes anti-drone e outras medidas de proteção, as grandes centrais só podem ser protegidas por defesas aéreas. Embora esse trabalho de restauro seja possível, pode ser inútil.

Pessoas sentadas num banco enquanto consultam os seus smartphones numa rua durante um apagão na sequência dos ataques russos em Kharkiv, a 8 de abril (Roman Pilipey/AFP/Getty Images via CNN Newsource)

"Podemos restaurar tudo. Temos uma equipa muito boa e altamente motivada", garante Andriy Gota, diretor executivo da Centrenergo, que gere a fábrica Trypilska, agora destruída. "Mas, mais uma vez, sem um número suficiente de mísseis de defesa aérea, será um exercício inútil, para não dizer pior."

Em vez disso, a Ucrânia também pode estar a considerar uma mudança de rumo. Em vez de reconstruir grandes centrais elétricas - e, sem defesas antaéreas, vulneráveis -, pode mudar a forma como produz a sua energia.

"Em vez de 20 grandes centrais elétricas, que concentram uma elevada capacidade de produção e têm uma quota significativa no balanço energético, deveria haver 150-200 pequenas centrais elétricas espalhadas pelo país, capazes de fornecer energia a uma cidade se uma delas for abaixo", sugere Tsaturian.

Kharchenko explica que Kharkiv precisava urgentemente de um sistema semelhante. "É agora claro que Kharkiv precisa de trazer motores de pistão a gás em grande número, instalá-los secretamente e protegê-los... não há alternativa a isto. Qualquer instalação maior será simplesmente destruída por ataques".

Embora o próximo inverno esteja a meses de distância, a rede energética ucraniana pode ficar sob pressão durante os meses de verão, quando a utilização do ar condicionado provoca um aumento do consumo.

Para compensar isso, Grynchuk diz que a Ucrânia tem "um mecanismo adicional para equilibrar o sistema e manter um funcionamento estável - as importações". A Ucrânia está a pedir aos seus aliados europeus que aumentem o limite de importação de 1,7 gigawatts.

Mas a prioridade, segundo a responsável, é receber defesas aéreas. "Sem proteção aérea, vemos as consequências trágicas e a destruição que os ataques russos podem causar. É por isso que precisamos realmente de defesa aérea".

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados