A Europa tem dinheiro para apoiar a Ucrânia sem os Estados Unidos. Mas será que quer?

CNN , Luke McGee
23 fev, 08:00
Ursula von der Leyen encontra-se com Zelensky em 
Kiev (AP Photo/Efrem Lukatsky)

Numa altura em que o mundo se prepara para assinalar o segundo aniversário da invasão da Ucrânia por Vladimir Putin, esta semana, a Europa tem de se interrogar sobre a guerra que eclodiu inesperadamente nas suas fronteiras e sobre a forma como irá abordar os próximos 12 meses.

Entre essas questões, a mais importante é, sem dúvida, a seguinte: durante quanto tempo poderá a Europa manter, na prática, um apoio financeiro tão exaustivo à Ucrânia?

Esta ideia não é nova, mas é cada vez mais ecoada em privado nalguns cantos do mundo militar Reflete também várias verdades sombrias atuais.

A guerra está num impasse há já algum tempo e, na semana passada, a Ucrânia foi forçada a retirar da cidade-chave de Avdiivka, após meses de combates ferozes, marcando a pior derrota desde a queda de Bakhmut, em maio.

O dinheiro desesperadamente necessário dos Estados Unidos está bloqueado, tendo passado no Senado mas aguardando a aprovação da Câmara dos Representantes. A unidade entre a União Europeia (UE) e a NATO está a começar a esboroar-se, com quase todas as grandes decisões suspensas e ameaçadas de veto.

Nenhuma voz ocidental séria quer abandonar Kiev, mas é inegável que o cansaço está a instalar-se à medida que as contas aumentam.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen - a UE continua a ser um aliado fundamental da Ucrânia, fornecendo milhares de milhões em financiamento (Getty Images)

Desde o início da crise, a UE e os seus aliados regionais gastaram mais de 100 mil milhões de dólares para financiar o esforço de defesa da Ucrânia, de acordo com o rastreio de apoio à Ucrânia do Instituto de Kiel.

No início deste mês, os líderes da UE chegaram a acordo sobre um pacote de 54 mil milhões de dólares (quase 50 mil milhões de euros) para a Ucrânia até 2027. O Reino Unido, sem dúvida o principal ator no domínio da segurança na região, também prometeu mais de 15 mil milhões de dólares (cerca de 14 mil milhões de euros) à Ucrânia desde 2022. Para contextualizar, de acordo com o Instituto de Kiel, os EUA gastaram 66 mil milhões de dólares, estando outros 60 mil milhões na calha.

Embora o apoio retumbante do Ocidente à Ucrânia desde 2022 tenha surpreendido muitos no mundo diplomático, quanto mais a guerra se arrasta, mais o cansaço aumenta.

Entre o facto de não se vislumbrar um fim para o conflito e a competição pela atenção política no Médio Oriente - bem como as preocupações internas com as crises de custo de vida provocadas pela inflação em todo o mundo - gastar enormes somas na Ucrânia pode tornar-se politicamente mais difícil de suportar para os governos.

A pressão política sobre as despesas tornar-se-á mais visível com a realização de eleições para o Parlamento Europeu em junho, bem como de eleições nacionais em vários países, incluindo o Reino Unido, um importante aliado ucraniano.

Os funcionários europeus só precisam de olhar para a dificuldade que o presidente dos EUA, Joe Biden, está a ter com o seu próprio pacote de medidas para a Ucrânia, para verem o impacto real do financiamento de uma guerra dispendiosa no estrangeiro quando esta entra em contacto direto com a política interna.

Zelensky, de visita ao Reino Unido, ofereceu ao parlamento um capacete de um dos mais bem-sucedidos pilotos ucranianos, com a inscrição "Temos liberdade, deem-nos asas para a proteger" (Stefan Rousseau/AFP/Getty Images) via CNN Newsource)

A acrescentar a estas distrações pouco auspiciosas está a perspetiva de Donald Trump regressar à Casa Branca no próximo ano.

Trump não declarou claramente qual seria a sua política para a Ucrânia, exceto a sua afirmação de que poderia acabar com a guerra em 24 horas. A retórica anti-NATO do antigo presidente, o desdém geral pelas instituições europeias e a estranha admiração por Putin são bem conhecidos.

Embora ninguém saiba o que uma nova presidência de Trump poderá significar em termos materiais, é plausível prever o pior cenário para a Ucrânia, em que esta perde força no terreno enquanto o novo ocupante da Casa Branca decide que a América já gastou o suficiente.

Esta é uma perspetiva alarmante para os funcionários europeus, que já acreditam que Putin está a ceder e a tentar esperar pelo Ocidente.

É aqui que os próximos 12 meses se tornam cruciais para os aliados europeus da Ucrânia. É manifestamente do interesse da Europa continental que Putin não ganhe esta guerra - são muito poucos os que discordam deste sentimento.

É, por isso, crucial, dizem os responsáveis, que, aconteça o que acontecer na América, os europeus se mantenham firmes e continuem a gastar, por muito difícil que pareça.

No período que antecede as eleições presidenciais americanas, a questão do que acontece à segurança europeia sem a América será inevitavelmente colocada. E embora seja verdade que a segurança ucraniana está diretamente ligada à segurança europeia em geral, a questão imediata de como apoiar Kiev é subtilmente diferente do objetivo a longo prazo da Europa de uma maior independência em termos de segurança em relação à DC.

Ataque a Kramatorsk destruiu restaurante e fez vários mortos (AP)

Poderá a Europa continuar a financiar a Ucrânia se os EUA retirarem o apoio financeiro?

A maioria dos responsáveis defende que sim. Seria difícil, é certo, mas possível. "A UE é muito boa a angariar fundos e há instrumentos que ainda não utilizou", revela um responsável da NATO à CNN.

A mesma fonte afirmou que, nos próximos 12 meses, Bruxelas deveria começar a considerar a possibilidade de utilizar o dinheiro que se encontra congelado nos ativos russos para ajudar a financiar a Ucrânia. "Embora esse dinheiro não possa ser legalmente utilizado para comprar armas, pode ser utilizado para cobrir os custos de indemnização, libertando dinheiro para armas dos orçamentos nacionais e da UE", afirma.

As vozes diplomáticas que têm os olhos postos no mundo para além da Europa levantam a sobrancelha a este facto. Alguns receiam que a abertura de um precedente para a utilização de ativos congelados para angariar fundos para guerras no estrangeiro possa dar luz verde a países como a China para fazerem o mesmo nas suas batalhas regionais internas. Pequim introduziu uma nova lei no ano passado que torna mais fácil fazer o mesmo com os ativos estrangeiros na China.

A questão mais espinhosa é se a Europa poderia ou não fornecer a Kiev as armas necessárias para vencer a guerra sem o apoio americano.

A resposta a esta questão seria não. A Europa simplesmente não tem, neste momento, a capacidade de produção necessária para servir a Ucrânia de forma independente durante os próximos 12 meses.

No entanto, os diplomatas ocidentais estão otimistas quanto ao facto de o armamento da Ucrânia se enquadrar perfeitamente num esforço europeu muito necessário para reduzir a sua dependência da América.

As autoridades apontam para um acordo recente, mediado pela NATO, em que os países europeus se comprometeram a comprar mil mísseis a empresas americanas que serão construídos numa nova fábrica alemã.

Quase todos concordam que a Europa precisa de comprar mais armas e de ter uma política de segurança que não dependa tanto dos EUA. Para o conseguir, não é necessário que a América seja prejudicada, e a cenoura dos contratos lucrativos para as empresas americanas é uma forma de garantir que todos ganham.

A invasão não provocada da Ucrânia por Putin é uma farsa que custou vidas desnecessárias. Se há algum aspeto positivo a retirar desta invasão, este deve incluir o facto de a Europa estar finalmente apta a defender-se e a cooperar com o seu velho aliado.

E, pelo que vale, a grande maioria dos funcionários ocidentais acredita que se a Europa passar o próximo ano a preparar-se para a luta, será muito mais fácil manter um futuro presidente Trump do seu lado.

Europa

Mais Europa

Patrocinados