A cortina que protegia a dignidade dos militares russos foi puxada para trás

CNN , Nick Paton Walsh
15 set, 08:00
Vladimir Putin (EPA)

ANÁLISE A menos que assistamos a uma inversão notável, a tentativa da Rússia de tomar todas as regiões de Donetsk e Luhansk está terminada. Um exército que precisa de armas norte-coreanas e de condenados de São Petersburgo está, na melhor das hipóteses, reduzido à força mínima necessária para proteger a própria Rússia.

O czar pode de repente estar nu. Esta tem sido uma semana arrebatadora em ambos os lados da fronteira da Ucrânia e da Rússia.

O que resta da cortina que protegia a dignidade das forças armadas da Rússia foi afastada, e elas não são definitivamente as segundas mais poderosas do mundo.

A retirada da Rússia de Kharkiv - um suposto "reagrupamento planeado” que alguns meios de comunicação estatais nem sequer ousaram mencionar - é sem dúvida mais significativa do que o seu anterior colapso de posições em torno da capital ucraniana, Kiev. Estas unidades tinham sido instituídas durante meses, defendendo eficazmente as suas posições - como a CNN testemunhou durante semanas ao longo das estradas arteriais a norte de Kharkiv - e estavam por vezes literalmente a minutos de carro da fronteira russa.

Soldados ucranianos em território libertado na região de Kharkiv, a 12 de Setembro. Kostiantyn Liberov/AP

O facto de Moscovo não poder manter uma força tão dolorosamente próxima do seu próprio território diz muito sobre o estado real da sua cadeia de abastecimento e das suas forças armadas. É quase como se estas unidades em retirada voltassem a um vazio, e não à energia nuclear com que em fevereiro esperavam dobrar o seu vizinho no espaço de 72 horas.

Em segundo lugar, as unidades da Rússia não parecem ter efetuado uma retirada cuidadosa e cautelosa. Fugiram - e deixaram para trás tanto blindados como preciosos fornecimentos de munições remanescentes. O site de fontes abertas Oryx estimou que, de quarta-feira a domingo, pelo menos 338 caças, tanques ou camiões foram deixados para trás.

Bolsas de tropas russas podem permanecer para assediar as forças ucranianas nas próximas semanas, mas a natureza da linha de frente mudou irrevogavelmente, assim como a sua dimensão. Kiev está agora subitamente a travar uma guerra muito menor, ao longo de uma linha de frente muito reduzida, contra um inimigo que também parece muito mais pequeno.

Munições abandonadas perto de Izyum, a 11 de Setembro. Juan Barreto/AFP/Getty Images

De facto, o exército russo depende agora da mobilização forçada e de prisioneiros para as suas esgotadas fileiras. A Ucrânia tem sido bastante cirúrgica, atingindo rotas de abastecimento para cortar unidades já esgotadas, detetando quais eram as menos preparadas e tripuladas. Tem sido espantosamente eficaz e rápido.

Se a contra-ofensiva da Ucrânia se torna ou não decisiva, isso depende de quão longe as suas forças são agora capazes de empurrar: será que avançarem por mais território fará correr o risco de se esticarem de mais? Ou será que a Ucrânia enfrenta um inimigo que simplesmente já não tem mais capacidade de luta? Não importa o quanto as forças da Rússia foram exageradamente avaliadas durante as décadas caóticas da guerra contra o terrorismo na América - um exército que precisa de armas norte-coreanas e de condenados de São Petersburgo está, na melhor das hipóteses, reduzido à força mínima necessária para proteger a própria Rússia.

Então, o que se segue? A menos que assistamos a uma inversão notável, a tentativa da Rússia de tomar todas as regiões de Donetsk e Luhansk está terminada. Kherson continua a ser o foco da pressão ucraniana sustentada. E de repente, um regresso às fronteiras que a Rússia roubou em 2014 não parece algo rebuscado.

Um soldado ucraniano fotografado a 12 de Setembro. Kostiantyn Liberov/AP

Durante meses, a sabedoria que recebemos foi de que a Rússia "nunca deixaria que isso acontecesse". Mas agora a Crimeia parece estranhamente vulnerável - ligada à Rússia pelo corredor terrestre que atravessa o Mar de Azov através da costa de Mariupol, e uma ponte exposta através do Estreito de Kerch. O que resta das forças sobre-extendidas, exaustas, mal abastecidas e equipadas de Moscovo que estão mais profundamente dentro na Ucrânia, pode enfrentar o mesmo cerco letal de que a sua cadeia de abastecimento foi alvo em torno de Kharkiv.

Por mais longe que Kiev se afaste agora, tivemos uma mudança radical na dinâmica da segurança europeia. A Rússia já não é um par para a NATO.

Na semana passada, a Rússia nem sequer era par do seu vizinho armado pela NATO – que ainda em dezembro era uma potência sobretudo na agricultura e nas tecnologias de informação -, e que tem vindo a atormentar lentamente durante oito anos. O Ministério da Defesa do Reino Unido disse na segunda-feira que elementos do Primeiro Exército de Tanques Guardas da Rússia - uma unidade de elite destinada a defender Moscovo de qualquer ataque da NATO - tinham feito parte da caótica retirada de Kharkiv. Eles fugiram.

Os orçamentos de defesa dos Estados membros da NATO têm vindo a aproximar-se lentamente dos 2% sugeridos há anos. Mas serão realmente necessários esses milhares de milhões para enfrentar um exército que já precisava de bombas de Pyongyang após apenas seis meses na Ucrânia?

Seria também um erro interpretar mal o silêncio dentro da Rússia – tirando alguns analistas críticos, políticos e programas de debates televisivos - como um sinal de uma força residual que está prestes a ser libertada. Este não é um sistema capaz de se olhar ao espelho. O Kremlin permanece calado sobre estas questões porque não consegue enfrentar o abismo entre as suas ambições e a sua retórica, e os mercenários desordenados e famintos que parece ter deixado encalhados à volta de Kharkiv.

O facto de não falarem dos seus erros amplifica-os. A roda-gigante que o Presidente Vladimir Putin abriu em Moscovo no fim-de-semana não se torna invisível quando se avaria e não se pode virar. O mesmo se pode dizer da força monolítica e intransigente que Putin tenta projetar: quando se avaria, não é em privado.

Os erros mais flagrantes de política externa dos últimos séculos nasceram da arrogância, mas a Europa enfrenta agora uma série de escolhas severas. Será que continuam a pressionar até que a Rússia solicite uma paz que deixe os seus vizinhos a salvo e os gasodutos de energia novamente abertos? Ou será que mantêm a velha lógica falhada de que um urso humilhado e ferido é ainda mais perigoso? Será que um possível sucessor de Putin - não que conheçamos um - procuraria um relaxamento com a Europa e daria prioridade à economia russa, ou provaria o seu valor num outro ato insensato e duro de militarismo brutal?

Este é também um momento-chave para a não proliferação do poder nuclear na era pós Guerra Fria. O que é que uma potência nuclear faz quando está vulnerável e carente de poder convencional convincente? A Rússia não enfrenta agora qualquer ameaça existencial: as suas fronteiras estão intactas, e as suas forças armadas só são dificultadas por uma selvagem desventura de escolhas. Mas parece estar perto dos limites das suas capacidades convencionais.

Seria uma reveladora confirmação da teoria da destruição mutuamente assegurada, que sempre prevaleceu na era das armas nucleares, se armas que poderiam acabar com o mundo tal como o conhecemos permanecessem fora da mesa. E tal acrescentaria ainda a possibilidade, levantada de novo pelo apoio total do Ocidente à Ucrânia, de que os horrores do Afeganistão, Iraque, Síria e Ucrânia não danificaram irreparavelmente a bússola moral e estratégica do Ocidente, e que ainda não é ingénuo esperar ver esses valores em ação.

 

Europa

Mais Europa

Patrocinados