Líder do exército da Ucrânia expõe desafios por entre rumores da sua saída

CNN , Andrew Carey
1 fev, 19:47
Valerii Zaluzhnyi, o chefe do exército ucraniano afirma que é necessário pôr fim a "pensamentos estereotipados e desactualizados" para ajudar os exércitos modernos a ganhar guerras. Sergei Chuzavkov/AFP/Getty Images

Valerii Zaluzhnyi, o chefe do exército ucraniano, afirma que é necessário pôr fim a "pensamentos estereotipados e desactualizados" para ajudar os exércitos modernos a ganhar guerras

Valerii Zaluzhnyi, o chefe do exército ucraniano, afirma que a Ucrânia, se quiser ganhar a guerra contra a Rússia, deve adaptar-se a uma redução da ajuda militar dos seus principais aliados e concentrar-se cada vez mais na tecnologia.

Num artigo de opinião para a CNN, publicado no meio de um turbilhão de rumores sobre o seu futuro, Zaluzhnyi aborda também o desafio de uma mobilização em massa, fonte de tensão entre ele e o Presidente Volodymyr Zelensky.

O artigo do general não faz qualquer referência à sua relação com o Presidente da Ucrânia, nem às notícias de que Zelensky está prestes a anunciar a demissão de Zaluzhnyi após quatro anos no cargo, o que, segundo uma fonte, poderá acontecer dentro de dias.

Em vez disso, o comandante militar procura desenvolver o argumento de um ensaio publicado há três meses, além de comentar pela primeira vez uma série de reveses políticos no país e no exterior.

Nesse primeiro ensaio, publicado no Economist, Zaluzhnyi salientava a importância dos veículos aéreos não tripulados e das capacidades de guerra eletrónica, como uma prioridade para a Ucrânia, antes de concluir: "Novas abordagens inovadoras podem transformar esta guerra de posição numa guerra de manobra".

A caraterização de Zaluzhnyi da situação como sendo uma guerra de posição - definida pelo desgaste e pela falta de movimento no campo de batalha - equivaleu a um reconhecimento de que a contraofensiva ucraniana, lançada com grande alarde no início de 2023, estava efetivamente terminada.

No início do ano passado, havia grandes expectativas de que a Ucrânia pudesse atacar e avançar, conduzindo uma guerra de manobras para recapturar quantidades significativas de território perdido para a Rússia em 2022.

Mas os grandes campos de minas russos e o pesado fogo de artilharia russo, juntamente com a rápida proliferação de drones First-Person-View (FPV) nas linhas da frente, tornando os ataques furtivos muito mais difíceis, revelaram-se difíceis de ultrapassar.

No sul, o principal foco do esforço, as forças ucranianas avançaram cerca de 20 quilómetros; a esperança era que conseguissem chegar à costa, a cerca de 70 quilómetros de distância.

Quando Zaluzhny - numa entrevista separada, na mesma altura - se referiu à situação como um "impasse", o gabinete de Zelensky reagiu, dizendo que essa conversa só ajudava a Rússia.

No seu artigo para a CNN, parece claro que Zaluzhnyi não vê o estado da guerra de forma diferente.

Agora, porém, ele acredita claramente que os líderes militares ucranianos têm de ter em conta uma série de desilusões e distracções fora do campo de batalha.

Indiretamente, ele faz referência ao facto de os Estados Unidos não terem chegado a acordo sobre um novo pacote de ajuda militar à Ucrânia, bem como ao facto de os acontecimentos no Médio Oriente desde outubro terem atraído a atenção internacional para outro lado.

Além disso, "a fraqueza do regime de sanções internacionais significa que a Rússia (...) continua a poder utilizar o seu complexo militar-industrial para levar a cabo uma guerra de desgaste contra nós".

Não o diz com tantas palavras, mas o artigo parece sugerir um sentimento crescente de que, em última análise, o destino da Ucrânia está nas suas próprias mãos.

Uma atitude de autoajuda não é nova na Ucrânia, é claro.

A Ucrânia tem dado prioridade à sua indústria de drones, por exemplo, tendo conseguido êxitos tanto no seu programa de drones marítimos, que atingem alvos navais russos no Mar Negro, como com os seus drones aéreos de longo alcance, que voam centenas de quilómetros para atingir locais nas maiores cidades russas e nos seus arredores.

Mas os problemas internos são claramente uma preocupação, como quando Zaluzhnyi refere a aparente relutância dos seus chefes políticos em Kiev em apoiar plenamente o seu apelo a uma maior mobilização de até meio milhão de recrutas, um reconhecimento do número esmagadoramente superior de tropas da Rússia.

"Temos de reconhecer a vantagem significativa de que [a Rússia] goza na mobilização de recursos humanos e como isso se compara com a incapacidade das instituições estatais da Ucrânia para melhorarem os níveis de efectivos das nossas forças armadas sem recorrerem a medidas impopulares", escreve.

Numa sociedade possivelmente relutante em colocar um grande número de jovens homens e mulheres diretamente em perigo, os drones telecomandados proporcionam um tipo de operação de combate mais aceitável, como reconhece.

A tecnologia, escreve a certa altura, "ostenta uma superioridade indubitável sobre a tradição".

Mas a sua importância vai muito mais longe, afirma, ao expor a sua convicção de que os veículos aéreos não tripulados, juntamente com outras capacidades de alta tecnologia, revolucionaram não só as operações de combate, mas também a abordagem global da estratégia.

Só o fim do "pensamento ultrapassado e estereotipado" pode ajudar os exércitos modernos a alcançar a vitória na guerra, escreve.

Europa

Mais Europa

Patrocinados