Medo de um novo êxodo palestiniano abala todo o Médio Oriente

CNN , Nada Bashir, Celine Alkhaldi e Nadeen Ebrahim
26 out 2023, 17:25
Manifestantes cantam palavras de ordem junto à embaixada israelita em Amã, na sexta-feira, para mostrar solidariedade para com os habitantes de Gaza. Khalil Mazraawi/AFP/Getty Images

Refugiados dizem que a separação da família, dos amigos e da sua terra natal é uma sentença de morte.

Amã, Jordânia (CNN) - Pelas ruas estreitas do campo de refugiados de Jabal Al-Hussein, em Amã, capital da Jordânia, o clima é claro.

"Palestina! Não à América, Não à América... Palestina", grita um vendedor de fruta local por entre a multidão do mercado.

Criada há mais de setenta anos pelas Nações Unidas, a comunidade alberga atualmente mais de 30 mil refugiados palestinianos, descendentes de alguns dos mais de 700 mil que foram expulsos ou fugiram das suas casas no que é hoje Israel, na sequência da guerra israelo-árabe de 1948. Os israelitas chamam-lhe a Guerra da Independência. Para os árabes, esse acontecimento é conhecido como a Nakba, ou catástrofe.

As famílias deste campo, que é agora uma comunidade urbana, conhecem bem o exílio, pois não têm o direito de regressar às suas casas ancestrais no atual território de Israel. De acordo com as Nações Unidas, existem atualmente cerca de 5,9 milhões refugiados palestinianos em todo o mundo, a maioria dos quais descendentes dessa geração de exilados de 1948.

Estes refugiados dizem que a separação da família, dos amigos e da sua terra natal é uma sentença de morte. E para aqueles que ainda têm entes queridos em Gaza, dizem que é uma sentença para a mais cruel forma de angústia.

Israel lançou uma ofensiva aérea maciça contra o enclave onde vivem mais de dois milhões de palestinianos, depois de os militantes do Hamas terem matado 1400 pessoas num ataque descarado dentro de Israel, a 7 de outubro, e raptado mais de 200.

Abdel-Munim Dababsheh, de 49 anos, residente no campo, diz que a sua família se mudou para a Jordânia após a guerra de 1967, quando Israel tomou a Cisjordânia à Jordânia e Gaza ao Egipto. Diz que deixou para trás a maior parte da sua família.

Segundo ele, perdeu vários membros da família em sucessivas guerras israelitas em Gaza. A sua mãe foi morta em 2009 e a sua irmã em 2012, e a sua tia e filha mais velha morreram na última ronda de ataques aéreos israelitas. "A qualquer momento, posso receber um telefonema a dizer-me que a minha irmã e os filhos dela também foram mortos.

De acordo com as Nações Unidas, pelo menos 2 789 civis palestinianos foram mortos em Gaza nos últimos 15 anos, frequentemente em operações que Israel diz terem sido lançadas para atingir o Hamas e outros grupos militantes.

De acordo com as autoridades sanitárias palestinianas do enclave do Hamas, o número total de mortos em Gaza no âmbito do atual conflito ultrapassa os 5.000, pouco mais de duas semanas depois de Israel ter lançado a sua implacável campanha aérea.

Palestinianos procuram sobreviventes após um ataque aéreo israelita em Deir al-Balah, Gaza, no domingo. Hatem Moussa/AP

Apesar do aumento do número de civis mortos e da rápida deterioração da situação humanitária, Israel prometeu intensificar os bombardeamentos aéreos na Faixa de Gaza sitiada e alargá-los a uma operação multifacetada nos próximos dias, afirmando que pretende eliminar o Hamas, que foi designado por Israel, pela União Europeia e pelos EUA como uma organização terrorista.

E com os milhares de ataques punitivos de Israel, o medo de que a história se repita - de uma nova Nakba - está a fazer-se sentir em toda a região.

Embora Israel não tenha afirmado que pretende expulsar os habitantes de Gaza para o Egipto ou para outro local, o receio de tais perspectivas surgiu depois de as Forças de Defesa de Israel (FDI) terem pedido aos habitantes de Gaza que evacuassem o norte da faixa e se deslocassem para sul, à medida que a sua operação militar prosseguia, bem como depois de o Secretário de Estado norte-americano Antony Blinken ter afirmado que os EUA estavam em conversações com o Egipto e Israel para estabelecer um corredor humanitário na Península do Sinai egípcia para os americanos e outros civis que fogem de Gaza.

No domingo, Blinken disse no programa "Meet the Press", da NBC, que Israel não tem "absolutamente nenhuma intenção" de invadir Gaza.

Mas a perspetiva de mais centenas de milhares de palestinianos serem deslocados à força para os países vizinhos, ou mesmo para mais longe, está a ser condenada em todo o mundo árabe.

O Presidente egípcio Abdel Fattah el-Sisi disse na semana passada que a transferência de palestinianos de Gaza seria provavelmente seguida de uma "expulsão de palestinianos da Cisjordânia para a Jordânia". Mais tarde, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Jordânia disse que essa medida seria considerada uma declaração de "guerra".

Os comentadores dos meios de comunicação social árabes alertaram para o facto de Israel poder estar a planear despovoar a Faixa de Gaza de palestinianos e até mesmo reocupá-la.

"Vergonha colectiva"

Mas alguns palestinianos preferem morrer a voltar a ser refugiados.

"Claro que ninguém quer ir para o Egipto. É impossível. Os meus familiares recusam-no, eu recuso-o. Isto é uma deslocação. Gaza é a sua casa. Ficarão lá, mesmo que isso signifique serem eliminados por um ataque aéreo", diz Dababsheh sobre os seus familiares.

Os palestinianos, diz ele, não aceitarão ser deslocados desta vez. "A nova geração não o vai permitir", diz. "Eles bateram o pé".

Dos mais de 2 milhões de habitantes de Gaza, 1,7 milhões são refugiados, segundo a UNRWA.

"Os israelitas foram sempre inflexíveis quanto ao não regresso dos refugiados e é por isso que os palestinianos se agarram... ao direito de regresso", diz o senador jordano Mustafa Hamarneh, acrescentando que, 75 anos depois, o mundo árabe ainda não recuperou da perda da pátria palestiniana.

"Não creio que o Ocidente se aperceba da profundidade da vergonha colectiva que sentimos em resultado de 1948 e do sentimento de injustiça que nos foi infligido e que temos de corrigir. Há um sentimento muito profundo de vergonha, de que o que nos aconteceu em 1948 não deveria ter acontecido", diz Hamarneh. "Qualquer nova expulsão em massa de refugiados palestinianos é, para nós, uma repetição de 1948".

As autoridades israelitas afirmaram que não têm "qualquer interesse" em reocupar Gaza. Israel retirou unilateralmente as suas tropas do território e retirou os colonos judeus em 2005.

A luta dos palestinianos é sentida com especial intensidade na Jordânia, onde mais de metade da população é palestiniana ou de ascendência palestiniana - incluindo mais de dois milhões de refugiados palestinianos.

Mas a paixão pela causa palestiniana ressoa em todo o mundo árabe, onde vivem mais de 450 milhões de pessoas.

Numa troca de palavras inflamada com Clarissa Ward, da CNN, no posto fronteiriço de Rafah, entre o Egipto e Gaza, que se tornou viral nas redes sociais na semana passada, uma ativista egípcia gritou que, apesar das tentativas de "dividir" os árabes, "estamos com os palestinianos e estamos com os árabes".

A ativista, Rahma Zein, foi uma das muitas árabes da região apaixonadas pela guerra, cujas imagens sangrentas chegaram a quase todos os canais de notícias árabes e plataformas de redes sociais.

Há mais de duas semanas que os protestos de solidariedade para com os palestinianos irromperam em países como o Líbano, o Egipto, a Líbia, a Tunísia, o Iraque, o Iémen, o Kuwait e o Irão. Centenas de milhares de pessoas saíram também às ruas de várias capitais europeias e cidades norte-americanas, apelando ao fim dos bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza e ao bloqueio do território que dura há 17 anos.

Os jovens de todo o mundo árabe entoaram os mesmos gritos de revolta que os seus pais e avós entoaram antes deles. Esta é uma causa multigeracional que, mais de 75 anos após a expropriação dos palestinianos, não perdeu a sua importância na região.

Fotografias de mais de 1000 pessoas raptadas, desaparecidas ou mortas no ataque do Hamas são exibidas em cadeiras vazias no Auditório Smolarz da Universidade de Tel Aviv, em Tel Aviv, Israel, no domingo. Leon Neal/Getty Images

"Para grande parte do mundo árabe, a questão da Palestina representa o último povo árabe colonizado a tentar conquistar a sua liberdade", disse H.A. Hellyer, especialista em estudos de segurança internacional do Carnegie Endowment for International Peace e do Royal United Services Institute em Londres.

Embora os Estados árabes tenham tendido a concentrar-se nos problemas mais próximos de casa nos últimos anos, a última guerra "trouxe a questão da Palestina de volta à agenda", disse ele.

Para muitos dos manifestantes, as manifestações não são uma expressão de apoio ao Hamas, nem uma expressão de indiferença perante a morte de civis israelitas. Muitos manifestantes dizem acreditar que esta crise começou muito antes dos ataques de 7 de outubro, citando o que dizem ser uma opressão israelita de décadas sobre os palestinianos.

Na capital iraquiana, Bagdade, onde centenas de manifestantes saíram à rua durante o fim de semana, Ahmed El-Saied, de 45 anos, afirmou que, nos últimos anos, os governos ocidentais obrigaram os Estados árabes e as suas populações a esquecer a questão palestiniana, especialmente quando os árabes se debatiam com "conflitos internos e sectários".

No Egipto, onde os protestos em massa foram permitidos na sexta-feira pela primeira vez numa década, Alya, que participou no protesto, disse que a recente onda de normalização dos acordos árabes com Israel provocou um sentimento de "derrotismo".

"O que vimos depois de 7 de outubro, no entanto, foi um lembrete chocante para nós mesmos e para o mundo de que, na verdade, toda essa situação não foi normalizada", disse Alya, que só deu seu primeiro nome devido ao medo de represálias das autoridades.

Preferem morrer em Gaza a mudarem-se

Os analistas afirmam que os receios árabes de uma nova deslocação de palestinianos são particularmente acentuados devido à retórica inflamada que, no passado, foi proferida por alguns membros do governo de direita de Israel.

O Ministro das Finanças Bezalel Smotrich em 2017, como membro do parlamento, escreveu num ensaio que a emigração de palestinianos deveria ser encorajada e incentivada, acrescentando que a noção de que a emigração é cruel é "absurda". O processo, defendeu, não deve ser "uma expulsão cruel", mas sim "planeada, voluntária e baseada no desejo de uma vida melhor".

Mais recentemente, em março, provocou um escândalo ao apelar ao "apagamento" da aldeia palestiniana de Huwara, na sequência do assassínio de dois colonos israelitas da cidade num ataque palestiniano, o que levou a uma vingança dos colonos israelitas que um dos principais generais militares de Israel apelidou de "pogrom".

O Ministro da Segurança Nacional de Israel, Itamar Ben Gvir, foi condenado por racismo anti-árabe por um tribunal israelita décadas antes de entrar para o governo e foi em tempos um seguidor de Meir Kahane, um fanático judeu que apelava abertamente à expulsão dos palestinianos. A mulher de Ben Gvir, Ayala Nimrodi, foi citada como tendo dito que desejava "livrar-se" dos palestinianos.

Quando questionado sobre a retórica dos seus parceiros de coligação de direita, o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu afirmou que são as suas mãos que estão "no volante".

Hellyer disse que este tipo de retórica deu aos árabes boas razões para temerem que a expulsão dos palestinianos possa estar de facto em cima da mesa.

"Não creio que seja invulgar (que) muitos no mundo árabe os levem a sério na sua palavra, especialmente tendo em conta a realidade de que em todas as situações anteriores em que os palestinianos deixaram o território palestiniano, nunca lhes foi permitido regressar", disse Hellyer.

Hanya Sabawi, uma palestiniana que deixou Gaza quando era criança, mas cuja família permanece no enclave, disse à CNN que não sabe se a sua família terá casas para onde voltar.

"E o maior receio, claro, é que sejam evacuados e transformados em refugiados. É disso que toda a gente está agora a falar abertamente, como se eles não tivessem importância", disse. "Eles não se querem mudar. Preferem morrer em Gaza a mudarem-se".

 

Claudia Otto e Aqeel Najim, da CNN, contribuíram para esta reportagem.

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Mais Lidas

Patrocinados