Festivaleiros, crianças, militares e estrangeiros. O que sabemos sobre os reféns do Hamas capturados em Israel

CNN , Hadas Gold, Abeer Salman, Kareem Khadder, Paul P. Murphy, Allegra Goodwin, Benjamin Brown and Sophie Tanno
9 out 2023, 20:19

Há mais de 17 anos que um soldado israelita não era feito prisioneiro de guerra num ataque a território israelita. E Israel não assistia a este tipo de infiltração em bases militares, cidades e kibbutz desde os combates cidade a cidade na guerra da independência de 1948

Dezenas de pessoas terão sido capturadas em Israel por combatentes do Hamas durante o fim de semana. Estão agora detidas em locais em toda a Faixa de Gaza, o que complica a resposta de Israel ao ataque mortal do grupo militante no sábado.

Israel está a esforçar-se por determinar o número exato de reféns que foram levados para Gaza, um enclave costeiro isolado de quase 2 milhões de pessoas amontoadas em 225 quilómetros quadrados, um dos locais mais densamente povoados do mundo.

O tenente-coronel Richard Hecht, porta-voz internacional das forças armadas israelitas, disse à CNN no domingo que "dezenas" de pessoas tinham sido capturadas e sublinhou a complexidade da situação, uma vez que o exército lançou ataques aéreos em Gaza como forma de retaliação. Num briefing anterior, o porta-voz disse que "civis, crianças e avós" estavam entre os detidos.

Para além dos prisioneiros israelitas, há vários de outras nacionalidades que se pensa terem sido feitas reféns.

As Brigadas al-Qassam, o braço armado do Hamas, alertaram para o facto de os ataques israelitas na região poderem constituir uma ameaça para os reféns, tendo o seu porta-voz, Abu Obaida, afirmado numa mensagem áudio gravada no sábado que estavam "presentes em todos os eixos da Faixa de Gaza".

Numa entrevista ao canal de televisão árabe al-Ghad TV, Mousa Abu Marzouk, chefe-adjunto do gabinete político do Hamas, disse que o número de reféns israelitas "ainda não foi contado, mas são mais de cem", e afirmou que entre eles se encontravam oficiais de "alta patente" do exército israelita.

Outro grupo armado palestiniano, a Jihad Islâmica, afirmou no domingo que mantém pelo menos 30 reféns em Gaza.

A CNN não tem condições de verificar as afirmações do Hamas e da Jihad Islâmica.

O tenente-coronel Jonathan Conricus, porta-voz das Forças de Defesa de Israel (IDF), disse a Wolf Blitzer, da CNN, que "não há precedentes" na sua história de terem "tantos cidadãos israelitas nas mãos de uma organização terrorista".

Em 2006, militantes capturaram um soldado israelita, Gilad Shalit, que tinha 19 anos na altura, do lado israelita da fronteira de Gaza. O Hamas manteve Shalit em cativeiro durante cinco anos antes de este ser trocado por mais de mil prisioneiros palestinianos das prisões israelitas.

Até agora, sabia-se que o grupo detinha também dois civis israelitas que tinham atravessado a fronteira com Gaza e sido capturados, bem como os restos mortais de dois soldados israelitas.

Eis o que sabemos sobre alguns dos reféns feitos pelo Hamas desde que o grupo terrorista iniciou o seu ataque.

Festival de música

Centenas de participantes no festival de música Supernova correram pelo deserto do Negev, perto de Urim, uma comunidade próxima da Faixa de Gaza, tentando escapar aos atiradores do Hamas que os perseguiam em veículos, numa perseguição aterradora. Alguns foram mortos e outros foram apanhados por homens armados, como mostram os vídeos das redes sociais.

Shani Louk numa publicação do seu Instagram

Começam a surgir pormenores sobre os reféns do ataque, à medida que os familiares reconhecem parentes nos vídeos que circulam na Internet.

Num vídeo que se tornou viral, uma mulher israelita e o seu namorado - identificados como Noa Argamani e Avinatan Or - foram raptados. No vídeo, Argamani foi sentada na parte de trás de uma mota e levada para longe, enquanto Or foi detido e obrigado a caminhar com as mãos atrás das costas. A CNN não pôde verificar o vídeo de forma independente.

"É muito difícil ver alguém que nos é tão próximo e que conhecemos tão bem ser tratado desta forma", disse Amir Moadi, colega de quarto de Noa Argamani, à CNN, acrescentando que conhecia cerca de cinco ou seis pessoas que tinham estado no festival e que entretanto desapareceram.

Noa Argamani, uma mulher israelita que foi raptada por militantes do Hamas com o seu namorado

Num outro vídeo autenticado pela CNN, uma mulher inconsciente que estava no festival pode ser vista a ser exibida por militantes armados em Gaza, enquanto gritavam "Allahu Akbar".

Mais tarde, a CNN confirmou a identidade da mulher como sendo Shani Louk, de nacionalidade germano-israelita.

Ricarda Louk, a mãe de Shani, disse à CNN que a última vez que falou com a filha foi depois de ouvir rockets e alarmes no sul de Israel, telefonando para saber se ela tinha conseguido chegar a um local seguro. Shani disse à mãe que estava no festival com poucos lugares para se esconder.

"Ela estava a ir para o carro e havia militares junto aos carros e estavam a disparar para que as pessoas não conseguissem chegar aos carros, nem mesmo para se irem embora. E foi aí que a levaram", contou Ricarda à CNN, acrescentando que espera voltar a ver a filha, mas a situação é sombria.

"Parece muito mau, mas ainda tenho esperança. Espero que não levem os corpos para negociar. Espero que ela ainda esteja viva algures. Não temos mais nada para esperar, por isso tento acreditar."

Comunidades fronteiriças israelitas

Os combatentes do Hamas fizeram reféns na comunidade fronteiriça de Be'eri e na cidade de Ofakim, a 32 quilómetros a leste de Gaza, disse no sábado o porta-voz das FDI, o brigadeiro-general Daniel Hagari, acrescentando que os dois locais eram os "principais pontos" da crise que se estava a desenrolar.

Num discurso transmitido pela televisão, disse que havia forças especiais com comandantes seniores nas duas comunidades, e que os combates estavam a decorrer em 22 locais.

Um vídeo, geolocalizado pela CNN em Be'eri, parece mostrar militantes do Hamas a levar vários israelitas.

Os residentes de Be'eri e de outra comunidade na fronteira de Israel com Gaza, Nir Oz, disseram à estação de televisão do país Channel 12 que os atacantes estavam a ir de porta em porta, tentando entrar nas suas casas.

O Canal 12 também informou que os infiltrados tinham feito reféns em Netiv HaAsara. As autoridades israelitas não confirmaram de imediato quaisquer pormenores sobre estes relatos.

Uma mãe israelita disse à CNN que estava ao telefone com os seus filhos, de 16 e 12 anos, que estavam sozinhos em casa, quando ouviram tiros no exterior e pessoas a tentar entrar. Depois, pelo telefone, ouviu a porta a arrombar.

"Ouvi os terroristas a falar em árabe com os meus filhos adolescentes. E o mais novo dizia-lhes 'sou demasiado novo para ir'", descreveu a mãe. "E o telefone desligou-se, a linha foi-se abaixo. Foi a última vez que tive notícias deles." A CNN não está a identificar a mãe e os filhos por razões de segurança.

Outro pai israelita disse à CNN que suspeita que a mulher e as filhas pequenas possam ter sido raptadas quando visitavam Nir Oz. Disse que reconheceu a mulher num vídeo viral que mostra um grupo de pessoas a ser carregado na parte de trás de um camião ladeado por militantes do Hamas, enquanto se ouve "Allahu Akbar".

"Nem sequer sei qual é a situação dos reféns, e a situação não parece boa", lamentou Yoni Asher, acrescentando que localizou o telemóvel da mulher e soube que estava em Gaza.

Noutro vídeo, geolocalizado pela CNN no bairro de Shejaiya, em Gaza, uma mulher descalça é retirada da bagageira de um jipe por um homem armado e depois forçada a entrar no banco de trás do carro. A sua cara está a sangrar e os seus pulsos parecem estar amarrados atrás das costas. O jipe também parece ter uma matrícula das IDF, o que sugere que pode ter sido roubado e levado para Gaza.

Militares

As Brigadas al-Qassam afirmaram ter capturado "dezenas" de militares israelitas no sábado.

"Trazemos boas notícias aos nossos prisioneiros (palestinianos) e ao nosso povo que as Brigadas al-Qassam têm dezenas de oficiais e soldados (israelitas) capturados nas suas mãos", disse o porta-voz do grupo Abu Obaida num post no Telegram. "Eles estão em locais seguros e túneis de resistência."

Um vídeo geolocalizado e autenticado pela CNN mostra pelo menos um soldado israelita a ser feito prisioneiro.

O vídeo, publicado nas contas oficiais do Hamas nas redes sociais, mostra os militantes a arrancarem dois soldados claramente aterrorizados e atordoados de um tanque avariado. O vídeo não deixa claro como é que o tanque ficou incapacitado, mas o Hamas já utilizou drones para lançar bombas sobre tanques israelitas.

Um dos soldados é depois visto num curto trecho de vídeo a ser pontapeado no chão pelos militantes. No clip seguinte, o soldado é visto deitado no chão, imóvel.

O segundo soldado é visto a ser levado pelos militantes do Hamas. Um terceiro soldado - com o rosto muito ensanguentado - é visto deitado no chão, imóvel, perto do tanque. A CNN desconhece o paradeiro atual ou o estado dos três.

Um segundo vídeo, captado posteriormente, mostra vários homens armados à volta do tanque. Os três soldados não são vistos em lado nenhum.

Os homens armados são depois vistos a puxar um quarto soldado israelita do tanque. O soldado está imóvel enquanto é arrastado pela lateral do tanque para o chão. Os homens armados são vistos a pisar o seu corpo.

Cidadãos estrangeiros

O ataque afetou famílias em todo o mundo, com uma lista crescente de estrangeiros raptados.

Dois mexicanos, três brasileiros, um estudante nepalês e um cidadão britânico estão entre os desaparecidos.

Dois cidadãos mexicanos, uma mulher e um homem, "presumivelmente" foram feitos reféns pelo Hamas, disse a ministra das Relações Exteriores do México, Alicia Barcena, no domingo.

Os brasileiros e o cidadão britânico Jake Marlowe, de 26 anos, estavam todos no festival de música, perto da fronteira de Gaza, que foi atacado no sábado.

Marlowe, que estava a trabalhar no festival como segurança, está desaparecido desde sábado de manhã, disse a sua mãe à Embaixada de Israel no Reino Unido.

Uma fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros alemão disse à CNN, no final do domingo, que "tem de assumir" que há cidadãos alemães entre os raptados pelo Hamas. "Tanto quanto sabemos, são todos pessoas que têm cidadania israelita para além da cidadania alemã", disse a fonte, mas não quis comentar os casos individuais.

Onze cidadãos tailandeses foram feitos reféns, disse um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Tailândia na segunda-feira.

Há muito que Israel é um destino importante para os emigrantes tailandeses, a maioria dos quais trabalha na agricultura. Há cerca de 30.000 trabalhadores tailandeses em Israel, segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros, e mais de mil pediram ajuda para deixarem o país.

*Gianluca Mezzofiore, Ibrahim Dahman, Niamh Kennedy, Sharif Paget, Mohammed Tawfeeq, Eyad Kourdi, Francesca Giuliani Hoffman, Claudia Rebaza, Elis Barreto, Lucas Mendes, Mia Alberti, Sophie Jeong, Kocha Olarn and Manveena Suri contribuíram para este artigo

Relacionados

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Patrocinados