Recolha de lixo é o primeiro serviço afetado pela greve da administração pública

Agência Lusa , RL
17 nov, 23:49
Recolha de lixo (Lusa)

Greve foi convocada para dia 18 de novembro. Frente Comum de Sindicatos exige aumentos salariais de “10% ou um mínimo de 100 euros” para a administração pública no próximo ano

Os serviços municipais de recolha de lixo foram os primeiros a ser afetados pela greve nacional da administração pública marcada para sexta-feira, disse esta quinta-feira o coordenador da Frente Comum de Sindicatos nos Estaleiros Municipais da Amadora.

Dezenas de trabalhadores concentraram-se naquelas instalações, em Moinhos da Funcheira, para assinalar o arranque da greve, e “já há perturbações a serem registadas”, disse Sebastião Santana à agência Lusa.

“Aqui nos Estaleiros da Amadora ainda nenhum carro saiu para a recolha de lixo e a indicação que temos é que nenhum deverá sair. Até ao momento, ainda ninguém entrou para trabalhar, o que é demonstrativo do descontentamento dos trabalhadores”, comentou o coordenador da Frente Comum.

A greve foi convocada para dia 18, a uma semana da votação final global da proposta de Orçamento do Estado para 2023 (OE2023), que prevê aumentos salariais de um mínimo de cerca de 52 euros ou de 2% para a administração pública no próximo ano.

A Frente Comum de Sindicatos exige aumentos salariais de “10% ou um mínimo de 100 euros” para a administração pública no próximo ano e acredita que ainda há tempo para negociar com o Governo, apesar da votação do OE2023 acontecer já na próxima semana.

“Só não haverá tempo se o Governo assim não o entender. Se quiser, haverá tempo e espaço para negociar e está nas suas mãos resolver este problema”, assumiu Sebastião Santana.

Na sexta-feira, a paralisação vai afetar serviços da educação, saúde, finanças, segurança social e autarquias, mas também áreas com menor visibilidade por não terem atendimento ao público, como "centros de processamento, serviços centrais ou o centro nacional de pensões, tinha precisado o sindicalista durante a tarde.

A Frente Comum espera "uma grande adesão" à greve perante o "descontentamento" face às negociações com o Governo sobre os aumentos salariais para 2023.

"O Governo entrou nas negociações com um aumento de massa salarial em 5,1% e um aumento médio das remunerações de 3,6% e anda dois meses a dizer que negoceia para acabar com os mesmos montantes com que começou, portanto, não resolve problema nenhum", acusou o líder sindical.

Sebastião Santana disse que praticamente todas as 30 estruturas da Frente Comum entregaram pré-avisos de greve para sexta-feira, realçando, no entanto, que "todos os trabalhadores da administração pública, sindicalizados ou não, podem aderir" ao protesto.

Entre as estruturas da Frente Comum que emitiram pré-avisos de greve estão a Federação Nacional de Sindicatos dos Trabalhadores da Administração Pública, a Federação Nacional dos Professores (Fenprof), a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) e o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local (STAL).

 

País

Mais País

Patrocinados