Novo Verde e CNN promovem talk sobre o futuro da reciclagem

Conteúdo Patrocinado
24 fev, 11:33
NATIVE MINUTO R TALK

Os hábitos de reciclagem dos portugueses, os objetivos até 2030 e as tendências do setor serão os temas centrais desta conversa digital, que está marcada para o dia 17 de março.

Nova data: 17 de março às 16h30

A Novo Verde – Sociedade Gestora de Resíduos de Embalagens, responsável pela recolha, valorização e reciclagem de embalagens e resíduos, e a CNN vão juntar-se para refletir sobre a reciclagem em Portugal. A talk Digital decorre no dia 17 de março, às 16h30 sob o mote “O panorama do setor das embalagens em Portugal”. A moderar esta conversa estará Sara Sousa Pinto, apresentadora do Esta Manhã, que será acompanhada por Pedro Simões, diretor-geral da Novo Verde, e Nuno Lacasta, presidente da Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

Os principais temas centrais desta talk serão o estado do SIGRE - Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Embalagens - em Portugal, as metas estabelecidas para 2030 e os principais desafios que o setor enfrenta.

Partindo destes pressupostos, os convidados irão refletir sobre alguns dos aspetos mais relevantes desta área, nomeadamente a importância de reciclar as embalagens para o ambiente, como cada português pode contribuir para alcançar os resultados desejados ou o que acontece a uma embalagem depois de colocada no ecoponto. Desmistificando, desta forma, muitas das dúvidas e ideias incorretas que continuam a persistir na sociedade portuguesa.

Pedro Simões e Nuno Lacasta irão ainda abordar o papel da Novo Verde e da APA na promoção do setor da reciclagem, contribuindo para alcançar as ambiciosas metas do SIGRE, assim como exemplos de iniciativas que cada uma das entidades tem vindo a desenvolver.

O estado da reciclagem em Portugal

Os portugueses reciclam? A resposta a esta pergunta não é simples. O percurso tem sido positivo, com alguns percalços pelo caminho, mas ainda há margem para crescimento, por forma a alcançar as metas estabelecidas.

Nesse sentido, os dados são animadores: os portugueses estão a reciclar mais resíduos de embalagens. De acordo com o Relatório de Estado do Ambiente (REA) 2020-21, do Ministério do Ambiente e da Ação Climática e da Agência Portuguesa do Ambiente, I.P. (APA, I.P.), a produção destes resíduos tem vindo a decrescer desde 2009, com um intervalo entre 2013 e 2018 - após o qual os números voltaram a descer.

O mesmo relatório indica que a taxa de reciclagem de embalagens também está em crescimento desde 2017, tendo atingido os 63% em 2019. Por tipos de material, as embalagens mais recicladas são a madeira (91%), seguida do papel e cartão (71%), do vidro (56%), dos metais (46%), e, por fim, do plástico (36%).

 

Metas ambiciosas até 2030

Os objetivos do SIGRE estão definidos na legislação nacional (Decreto-Lei n.º 152-D/2017) e mostram que, em oito anos, o país tem de alcançar uma meta bastante ambiciosa: até 2030, terá de reciclar, pelo menos, 70% em peso do total de resíduos de embalagens.

Por diferentes tipos de materiais, os objetivos estabelecidos são os seguintes: 

  • 85% papel/cartão;
  • 75% vidro;
  • 80% metais ferrosos (aço);
  • 60% alumínio;
  • 55% plástico;
  • 30% madeira.

As tendências e o futuro da reciclagem

O que está a ser feito para alcançar os objetivos do SIGRE? Este será um dos temas em cima da mesa. Há inúmeras iniciativas em curso para contribuir para atingir as metas estabelecidas. A começar pela Diretiva SUP - Single Use Plastic (Plásticos de Uso Único), que entrou em vigor em Portugal em novembro de 2021 e visa reduzir em 90% o consumo de produtos de utilização única até 2030, tais como cotonetes, talheres, pratos, palhinhas, varas para balões, bem como copos e recipientes para alimentos feitos de poliestireno expandido (esferovite).

Para levar estes objetivos a bom porto, alguns municípios estão a desenvolver projetos inovadores e que serão tendências nos próximos anos. Alguns exemplos de sucesso são:

  • Sistemas de Depósito com Reembolso. Um sistema que recompensa os consumidores por entregarem garrafas de bebidas em máquinas para o efeito. Antecipando esta tendência, só na Freguesia da Malveira, Concelho de Mafra, a máquina instalada na loja Pingo Doce, no âmbito do projeto-piloto “Reciclar a Valer +”, promovido pela Novo Verde em parceria com a Câmara Municipal de Mafra e a Tratolixo, recolheu mais de um milhão de garrafas de plástico PET. Os cidadãos que entregam os resíduos nas condições pedidas são recompensados com vales, a descontar em compras na loja. 
  • Pay-As-You-Throw (PAYT). Já ouviu falar do poluidor-pagador? Prepare-se, que esta tendência pode chegar a sua casa quando menos esperar. Com o sistema PAYT, quanto mais lixo indiferenciado produzir, mais pagará de Taxa de Resíduos Sólidos. É uma tendência que tem como objetivo reduzir a produção de resíduos indiferenciados e promover a separação dos resíduos valorizáveis, otimizando assim os circuitos de recolha e, em simultâneo, contribuir para uma melhor higiene pública. A Câmara Municipal da Maia testou este sistema em 2021, com um projeto-piloto intitulado "Recicle mais, pague menos", e foi um sucesso. Até 2023, a autarquia espera que o PAYT chegue a todo o território.

A talk acontecerá no dia 17 de março, às 16h30, e será emitida no site e Facebook da CNN Portugal e nas plataformas digitais da Novo Verde.

Minuto R

Mais Minuto R