Saiba tudo sobre o Euro aqui

Menires removidos em França para permitir a construção de uma nova loja de bricolage

CNN , Niamh Kennedy
17 jun 2023, 09:00
Menires removidos em França para dar permitir a construção de uma nova loja de bricolage. Foto: Damien Meyer/AFP/Getty Images

A zona situa-se na região da Bretanha, em França, ao longo da costa atlântica e é conhecida pelos seus extensos campos de pedras do Neolítico, chamados "menires"

Um local com menires antigos no oeste de França foi limpo para dar lugar a uma nova loja de ferragens, suscitando críticas ao presidente da câmara local. 

O presidente da Câmara de Carnac, Olivier Lepick, insistiu que tinha respeitado a lei ao conceder a autorização de construção da nova loja de ferragens Mr Bricolage. 

A zona situa-se na região da Bretanha, em França, ao longo da costa atlântica e é conhecida pelos seus extensos campos de pedras do Neolítico, chamados "menires". 

De acordo com Lepick, as escavações realizadas nos últimos anos no local, que fica a 3 quilómetros de uma atracão turística protegida, determinaram que este tinha um "baixo valor arqueológico" e não merecia proteção arqueológica. 

A remoção dos menires foi tornada pública através de um blogue do arqueólogo amador local, Christian Obeltz, que acusou as autoridades locais de levarem a cabo várias ações "descaracterizando este sítio mundialmente reconhecido". 

"A última foi a autorização concedida pelo presidente da Câmara de Carnac para a construção de uma loja Mr Bricolage, destruindo 39 menires", afirmou Obeltz no blogue no início deste mês. 

O lugar faz parte de uma candidatura a Património Mundial da UNESCO, que deverá ser apresentada ao Ministério da Cultura francês no final de Setembro, refere o blogue. 

"Quer seja pouco ou não, [o sítio] tem um valor arqueológico", disse Obeltz à BFMTV, afiliada da CNN. 

Entretanto, Lepick disse ao canal de notícias francês CNews na quinta-feira que a cobertura da controvérsia pelos meios de comunicação franceses "não reflete a realidade" da situação no terreno. 

"Nunca houve 39 menires neste sítio. As escavações preventivas que realizámos em 2015 mostram-no claramente", afirmou Lepick. 

Segundo ele, as pedras estavam localizadas numa zona comercial, em frente a uma estação de serviço, perto de um supermercado e de um centro de reciclagem. 

"Não é realmente o tipo de imagens descritas em certos artigos nos media. Sinto-me como se tivesse destruído a Mona Lisa quando leio certos artigos", sublinhou Lepick.  

"Não havia vestígios arqueológicos de valor suficiente para rejeitar a autorização de planeamento", afirmou o autarca.  

Na quinta-feira, Marine Le Pen, política de extrema-direita francesa, partilhou no Twitter uma hiperligação para um artigo do jornal Ouest France, que qualificava a remoção de "deplorável" e salientava que o Estado francês "não protege nem os nossos cidadãos nem o nosso património".

Europa

Mais Europa

Patrocinados