Moratórias e apoios covid-19 travam falências. Há uma década que número insolvências não era tão baixo

30 jun, 09:19
Campus de Justiça

REVISTA DE IMPRENSA. No último trimestre do ano, estavam abertos um total de 2476 casos de falência, insolvência ou recuperação de empresas, tendo sido abertos menos 9% dos processos que no mesmo período de 2021

O número de processos de insolvência diminuiu 9% no último trimestre, atingindo o valor mais baixo da década. A diminuição acontece como resultado direto dos apoios proporcionados pelo Estado como resposta aos efeitos colaterais da pandemia de covid-19, que não só travaram o número de empresas e famílias que faliram, como também baixaram de forma significativa a quantidade de casos.

De acordo com o Jornal de Notícias, as estatísticas do Ministério da Justiça, relativas ao último trimestre do ano passado, revelam que, apesar do fim das moratórias públicas e privadas, estas terão impedido falências de famílias e empresas.

No total, permaneciam em aberto 2476 processos de falência, insolvência ou recuperação de empresas, que representam menos 9% do que no período homólogo do ano anterior, tendo 2021 terminado com 1991 insolvências decretadas – menos 5,4% do que em 2020. O valor é mesmo o mais baixo desde 2010, em estavam a decorrer nos tribunais 1744 casos.

Já os empréstimos a particulares, para consumo ou habitação, estavam a subir 4,5% em abril deste ano face ao homólogo de 2021, de acordo com o Banco de Portugal.

O Jornal de Notícias noticia ainda que os níveis de incumprimento dos particulares mantêm-se em mínimos históricos, de 7,2%, embora já se tenha registado um aumento de 0,1 pontos face a março deste ano.

Relacionados

Economia

Mais Economia

Patrocinados