Aviões de guerra americanos e japoneses dão mostras de força à medida que as tensões aumentam com a China e a Rússia

CNN , Brad Lendon
15 jul, 18:00
Caça Raptor F-22A da Força Aérea Americana aproxima-se de um KC-135 Stratotanker para reabastecer sobre o Mar da China Oriental a 8 de junho de 2022 Foto Força Aérea EUA CNN

Na imagem: um caça Raptor F-22A da Força Aérea Americana aproxima-se de um KC-135 Stratotanker para reabastecer sobre o Mar da China Oriental, a 8 de junho de 2022. (Foto Força Aérea EUA / CNN)

Mais de 50 aviões de guerra americanos e japoneses sobrevoaram as águas perto do Japão esta semana, com os dois aliados a darem uma demonstração de força no meio de tensões crescentes na região com a China e a Rússia.

Uma dúzia de caças F-22 topo de gama da Força Aérea dos EUA, quatro jatos F-35 e 13 jatos F-15 participaram nos exercícios, disse o Ministério da Defesa japonês num comunicado à imprensa na quinta-feira.

Aos caças americanos juntaram-se 20 caças F-15 e F-2 japoneses, e três aviões de reconhecimento e apoio dos EUA.

Os caças japoneses e norte-americanos voaram nos céus sobre o Mar do Japão, Oceano Pacífico e Mar da China Oriental, num esforço para melhorar as capacidades táticas e a “capacidade de resposta conjunta”, disse o Ministério da Defesa japonês.

A Força Aérea dos EUA não comentou imediatamente os exercícios desta semana, mas o serviço disse num comunicado no mês passado que tinha enviado doze F-22 da Força Aérea Nacional do Havai para a Base Aérea de Kadena, em Okinawa.

Os F-22 estavam no Japão para conduzir "várias missões para aumentar a prontidão operacional para defender o Japão e assegurar um Indo-Pacífico livre e aberto", disse a declaração dos EUA.

Também esta semana, aviões de patrulha marítima americanos e japoneses realizaram um exercício perto das ilhas Nansei, o território japonês mais próximo de Taiwan e perto das ilhas Senkaku, a cadeia de ilhas desabitadas também reivindicada pela China, que se lhes refere como os Diaoyus.

Esse exercício foi conduzido para "reforçar a capacidade de dissuasão efetiva da Aliança Japão-EUA", afirmou a declaração japonesa.

De acordo com o Ministério da Defesa japonês, a Guarda Costeira chinesa e os navios navais têm este ano passado um tempo recorde nas águas em torno do Senkakus.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da China disse à CNN no início deste ano que as patrulhas da Guarda Costeira chinesa nas águas em redor das ilhas eram "um exercício apropriado do direito soberano da China".

Entretanto, os navios de guerra chineses e russos têm vindo a aumentar a sua presença em redor do Japão nas últimas semanas.

No final do mês passado, Tóquio disse que um total de oito navios chineses e russos foram avistados em águas próximas do Japão.

Uma frota russa de cinco navios navegou perto das ilhas japonesas durante uma semana, desde Hokkaido, no norte, até Okinawa, no sul, disse o Ministério em comunicado à imprensa.

Entretanto, pelo menos dois navios de guerra chineses e um navio de abastecimento foram avistados nas ilhas Izu, cerca de 500 quilómetros (310 milhas) a sul da capital Tóquio. Um desses navios parecia ser o Lhasa, um destroyer de mísseis guiados tipo 55 e um dos navios de superfície mais poderosos da China.

Os exercícios desta semana acontecem à medida que a Força Aérea Americana movimentou alguns dos seus ativos mais vitais para o Indo-Pacífico.

Dois bombardeiros furtivos B-2 foram destacados da base no Missouri para a base de Amberley, da Royal Australian Air Force, onde "conduzirão missões de treino e missões estratégicas de dissuasão com aliados, parceiros e forças conjuntas em apoio a um Indo-Pacífico livre e aberto", disse a Força Aérea do Pacífico dos EUA (PACAF) num comunicado de domingo.

"Este destacamento do B-2 para a Austrália demonstra e reforça a prontidão e letalidade da nossa força de ataque penetrante de longo alcance", disse o Tenente-Coronel Andrew Kousgaard, comandante da 393ª Esquadrilha Expedicionária na declaração do PACAF.

 

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados