"Caramba." Biden diz que só se candidata por causa de Trump e apanha conselheiros de surpresa

CNN , Kevin Liptak, David Wright e Samantha Waldenberg
6 dez 2023, 17:33
Joe Biden. Andrew Harnik/AP

O presidente Joe Biden disse aos doadores democratas na terça-feira que não estava confiante de que se candidataria a outro mandato se o seu antecessor, Donald Trump, não estivesse na corrida à Casa Branca, uma avaliação notavelmente sincera da sua lógica de reeleição ao entrar numa provável disputa com o seu adversário de 2020.

"Se Trump não estivesse a concorrer, não sei se estaria a concorrer", afirmou, dizendo que os democratas "não o podem deixar ganhar".

O comentário, feito durante uma angariação de fundos numa casa privada nos arredores de Boston, ofereceu talvez a lógica mais dura até à data para a tomada de decisões de reeleição de Biden e, de acordo com fontes familiarizadas com o assunto, apanhou de surpresa os altos funcionários e conselheiros da campanha de Biden.

"Caramba", respondeu um dos principais conselheiros da campanha ao tomar conhecimento dos comentários.

A campanha apressou-se a tentar ignorar a piada do presidente como um momento "nada a ver aqui", salientando que Biden sempre descreveu Trump como uma ameaça única para o país, e que tinha expressado sentimentos semelhantes sobre a sua decisão de concorrer à presidência na campanha de 2020.

"O presidente Biden disse em 2020 que estava a concorrer para restaurar a alma da nossa nação - entrou na corrida depois de Trump dizer o que fez depois de Charlottesville - e ele vê corretamente o ex-presidente como uma ameaça única à nossa democracia", disse o senador de Delaware Chris Coons, copresidente nacional da campanha de Biden em 2024, à CNN. "O presidente Biden derrotou Trump antes e fará isso de novo."

O próprio Biden pareceu voltar atrás no comentário quando questionado na terça-feira se ainda iria candidatar-se se Trump não o fizesse, dizendo a repórteres na Casa Branca: "Espero que sim, mas vejam - ele está a concorrer, e eu tenho de concorrer".

O comentário anterior foi feito no momento em que Biden iniciou uma corrida de angariação de fundos na terça-feira, antes de uma dispendiosa corrida para a reeleição. Espera-se que Biden consiga angariar mais de 15 milhões de dólares (quase 14 milhões de euros) ao longo de cinco dias, através de acções de angariação de fundos de elevado valor e de esforços de base, disse uma fonte com conhecimento da angariação de fundos da campanha.

Biden encabeçou três eventos de angariação de fundos na área de Boston na terça-feira, o primeiro de sete eventos entre até segunda-feira, com outros agendados para o final deste mês. Os democratas estão a olhar para o que alguns acreditam poder ser uma campanha de mil milhões de dólares, enquanto Biden trabalha para vender a sua reeleição a um público que, pelo menos por agora, parece cético.

Biden enfrentou Trump diretamente na primeira dessas angariações de fundos, avisando que o seu antecessor está "a dizer-nos o que vai fazer".

"Trump já nem sequer está a esconder a bola. Ele está a dizer-nos o que vai fazer. Não está a fazer rodeios", disse Biden aos doadores, de acordo com os repórteres presentes na sala.

Biden referiu-se ao recente foco de Trump em acabar com o Affordable Care Act, bem como ao comentário "verme" do ex-presidente, feito num discurso em New Hampshire no mês passado: "Vamos erradicar os comunistas, os marxistas, os fascistas e os bandidos da esquerda radical que vivem como vermes dentro dos limites do nosso país", e avisou que "a verdadeira ameaça não vem da direita radical. A verdadeira ameaça vem da esquerda radical, e está a crescer todos os dias".

O presidente referiu que Trump não compareceu na sua tomada de posse, dizendo em parte: "Não posso dizer que fiquei desiludido, mas ele nem sequer apareceu". Os repórteres presentes na sala disseram que isto provocou algumas gargalhadas na audiência.

O cantor e compositor James Taylor foi o cabeça de cartaz de um evento posterior no Theater District de Boston. Os bilhetes para "You've Got a Friend in Joe" custavam entre 50 e 7.500 dólares. Dois outros eventos na área trarão mais milhões para a caixa de guerra da campanha de Biden.

Biden também fez comentários na primeira angariação de fundos sobre as negociações de reféns entre Israel e o Hamas, que fracassaram na semana passada, e apelou a uma condenação veemente contra o que chamou "a violência sexual dos terroristas do Hamas".

"Permitam-me que seja muito claro: a recusa do Hamas em libertar as restantes jovens foi o que quebrou o acordo e pôs fim à pausa nos combates. Todas as pessoas que ainda são mantidas reféns pelo Hamas precisam de ser devolvidas às suas famílias imediatamente. Nós não vamos parar", disse ele.

O presidente está a fazer um último esforço para obter dinheiro antes do fim do prazo de apresentação de relatórios no final do mês. Estará em Los Angeles este fim de semana para duas angariações de fundos em Hollywood, incluindo uma com uma dose de poder de estrela de Stephen Spielberg, Shonda Rhimes e Rob Reiner, organizada pelo decorador das estrelas Michael Smith e o seu marido, James Costos, antigo embaixador dos EUA em Espanha.

No último trimestre, Biden e os democratas declararam ter angariado 71 milhões de dólares para a sua reeleição - um valor sólido que ultrapassou largamente os seus potenciais rivais republicanos, mas ficou atrás dos presidentes Trump e Barack Obama nesta altura da reeleição. 

Os responsáveis pela campanha dizem que o ritmo de angariação de fundos aumentou. Novembro foi o maior mês de doações de base desde que Biden anunciou a sua reeleição na primavera, disse um responsável.

Até agora, a campanha está a utilizar esse dinheiro em anúncios televisivos - indo para o ar com uma compra de anúncios de 25 milhões de dólares para testar mensagens e tentar fazer um caso afirmativo para a reeleição do presidente. Alguns dos anúncios foram emitidos durante os principais jogos da liga de futebol americano.

O esforço de reeleição de Biden estabeleceu um recorde de gastos com anúncios fora do ano por um titular, de acordo com dados da AdImpact, com mais de 45 milhões de dólares gastos em publicidade pró-Biden desde o início de 2023.

O investimento recorde em publicidade antecipada vem de uma variedade de grupos que apoiam a reeleição de Biden: a própria campanha de Biden, que gastou cerca de 11,3 milhões de dólares; um comité aliado do DNC, que gastou cerca de 5,4 milhões de dólares; um comité conjunto de angariação de fundos, que gastou cerca de 8,2 milhões de dólares; um super PAC aliado, que gastou cerca de 19,8 milhões de dólares; e mais de um milhão de outros grupos mais pequenos.

O total até agora, mais de 45 milhões dedólares, é mais do que Trump e os seus aliados gastaram em publicidade em 2019, cerca de 36,5 milhões de dólares, e muito mais do que a rede de Obama gastou em 2011, cerca de 7,3 milhões de dólares.

Com o seu investimento inicial significativo, o esforço de reeleição de Biden tem como alvo os principais mercados dos meios de comunicação social em estados de batalha conhecidos - Pensilvânia, Michigan, Wisconsin, Arizona, Geórgia e Nevada.

Quatro mercados de media em particular atraíram uma grande parte dos dólares dos anúncios pró-Biden: Atlanta, o principal mercado, onde a rede de Biden gastou cerca de 5,3 milhões de dólares; Filadélfia, onde gastaram cerca de 5,1 milhões; Phoenix, onde gastaram cerca de 4,2 milhões; e Detroit, onde gastaram quase 4 milhões.

Las Vegas (2,9 milhões), Milwaukee (2,5 milhões) e Pittsburgh (1,9 milhão) são os outros principais mercados onde a operação de Biden gastou mais de 1 milhão.

Recentemente, a campanha de Biden fez dos cuidados de saúde o foco das suas mensagens e está a transmitir um spot de 60 segundos em oito estados diferentes, os campos de batalha acima mencionados e a Carolina do Norte, que apresenta uma antiga enfermeira pediátrica a criticar as políticas de cuidados de saúde da administração Trump.

Em consonância com este enfoque, a campanha de Biden e o DNC também estão a transmitir um anúncio em vários estados do campo de batalha, incluindo a Pensilvânia, a Geórgia e o Nevada, que destaca os esforços da administração para reduzir os custos dos medicamentos sujeitos a receita médica.

A campanha também começou a trabalhar nos principais estados de votação antecipada, anunciando esta semana um diretor estadual na Carolina do Sul, que será um teste inicial do apoio de Biden entre os eleitores negros.

Até ao momento, no entanto, a campanha tem tido uma operação relativamente simples - o que os responsáveis dizem ser intencional, uma vez que procuram preservar os recursos para o próximo ano.

*Donald Judd, MJ Lee e Arlette Saenz contribuíram para este artigo

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados