Nove erros que não devemos cometer numa entrevista de emprego (e cuidado com os PDF)

3 jul, 12:00
Saiba o que não deve fazer nas entrevistas de emprego (Pexels)

Tem uma entrevista de emprego em breve? Saiba quais os erros mais comuns e como evitar cometê-los

Depois de um longo processo de candidatura a um emprego, eis que chega finalmente o momento em que se senta frente a frente com o seu eventual futuro empregador. Este é, naturalmente, um momento de grande pressão e, como tal, por vezes é fácil deixar-se levar pelo nervosismo e, sem querer, dizer a palavra errada no momento errado, falar demasiado ou não falar de todo. Mas também há quem enfrente este momento com demasiada despreocupação, agindo de forma tão informal que pode passar a perceção errada ao empregador.

É importante, por isso, estar preparado para todos os cenários que possam surgir neste que é um momento decisivo para a sua carreira. Helena Santos, especialista em gestão de recursos humanos, enumera algumas dicas que podem ajudar neste processo, que geralmente começa com o envio de um currículo.

Não saber contornar os ATS. Se nunca ouviu falar, saiba que este pode ser o motivo pelo qual nunca foi chamado para uma entrevista. Isto porque, "hoje em dia, muitas empresas - principalmente as grandes empresas - têm sistemas de ATS [Applicant Tracking System] implementados". De acordo com Helena Santos, trata-se de um sistema de rastreamento que utiliza inteligência artificial para fazer a triagem curricular. Como? Através do reconhecimento verbal. Ou seja, os 'bots' que fazem essa triagem procuram nos currículos por palavras utilizadas na descrição da oferta.

"Basta usar sinónimos que não estejam contemplados [na oferta] para que o seu currículo não passe nesta fase de triagem curricular, podendo não ser selecionado pelo 'bot'", explica. Além disso, a especialista acrescenta que estes sistemas de ATS não fazem uma boa conversão dos currículos em formato PDF (o formato mais solicitado nas candidaturas de emprego). Por isso, a especialista aconselha o envio de currículos em formato Word.

Chegar atrasado ou faltar sem justificação. Chegar atrasado ou faltar ao primeiro contacto com a empresa dá ao candidato uma imagem pouco profissional e mostra desinteresse e falta de compromisso. Com a pandemia, a solução para as entrevistas de emprego passou a ser também ela digital, através dos já conhecidos Zoom ou Microsoft Teams. Mas os atrasos e ausências justificadas continuam a ser uma constante, admite a especialista. Para evitar estas situações, o candidato deve sempre tentar confirmar a sua presença com antecedência e chegar uns minutos mais cedo ao local (ou ligar-se uns minutos mais cedo às aplicações online), assegurando que tudo corre como esperado.

Ir para a entrevista sem estar devidamente preparado. Segundo Helena Santos, este é um erro muito recorrente nas entrevistas de emprego e começa logo no primeiro contacto com a empresa. É frequente as pessoas candidatarem-se a várias ofertas de emprego em simultâneo e, quando são abordadas para uma entrevista, não se recordam da candidatura ou não revelam estar bem informados sobre a empresa ou função durante a entrevista. Para evitar este tipo de situações, a especialista recomenda que registe as ofertas para as quais se candidata e que faça uma boa pesquisa sobre a empresa, lembrando que "hoje em dia a informação está à distância de um clique".

Levar um acompanhante para a entrevista. Uma entrevista de emprego é um momento pessoal, no qual tem a oportunidade de estabelecer diálogo com o empregador e perceber se a oferta disponibilizada pela empresa se adequa às suas exigências - e vice-versa. Não é aconselhado, por isso, levar acompanhante para este momento tão particular, mas, caso aconteça, o acompanhante não deverá intervir na conversa no lugar do candidato.

Indumentária desapropriada. É certo que atualmente as empresas caminham já para "ambientes e culturas de trabalho mais informais", o que inclui, desde logo, a indumentária de trabalho. Apesar desta abertura, "há sempre mínimos" que devem ser respeitados, afirma a especialista: "Não vamos para uma entrevista de havaianas ou de bermudas".

"Hoje em dia, para muitas das funções já é aceitável ir para uma entrevista com um vestuário mais casual, que até pode incluir uns jeans", acrescenta Helena Santos, que aconselha os candidatos a fazerem uma breve pesquisa pela empresa nas redes sociais e perceber como as pessoas se vestem pelas fotografias partilhadas. "Se calhar também não faz sentido ir de fato e gravata quando vejo nas fotografias da empresa que ninguém se veste daquela forma", complementa.

Utilizar linguagem informal. É importante adequar a linguagem ao contexto e, por isso mesmo, deve evitar utilizar linguagem informal no momento da entrevista. Quer isto dizer que não deve usar "bengalas" nas suas respostas como começar uma frase por 'opá', entre outros exemplos que "por vezes até podem ser geracionais mas que resvalam um pouco para o calão, para uma linguagem menos cuidada".

Adjetivar a chefia anterior. Se está à procura de um novo emprego, é natural que o empregador queira saber detalhes sobre a sua experiência anterior. Nestas situações, "há muitos candidatos que adjetivam as chefias e as empresas por onde passaram", conta Helena Santos, que admite já ter tido "entrevistas muito caricatas em que os candidatos decidiram dizer mal das chefias anteriores". Numa ocasião, por exemplo, um candidato chegou a dizer, em contexto de entrevista, que o chefe anterior "era parvo".

"Muitas vezes desistimos de projetos profissionais por problemas que tivemos com a própria chefia e quando isso é explorado numa entrevista temos de saber explicar a situação sem nunca adjetivar a chefia anterior", aconselha.

Não colocar questões durante a entrevista. Os recrutadores valorizam imenso um candidato que coloca questões sobre a empresa e sobre a vaga a que se estão a candidatar, uma vez que esta é uma atitude que revela interesse e empenho. "Há sempre espaço para haver um diálogo entre o entrevistador e o entrevistado. Um dos erros mais comuns dos candidatos é não colocarem perguntas no processo de entrevista que lhes permitam perceber se aquele vai ser o local onde realmente se vão identificar para trabalhar", afirma a também professora na área de recursos humanos da Universidade Europeia.

Ter dificuldades em admitir que não sabe. Esta é uma dica para os candidatos veteranos que, por vezes, têm alguma dificuldade em admitir que não sabem responder a uma questão. "Muitas das vezes, quanto mais subimos na hierarquia, menos humildade temos para admitir que não sabemos algo. Hoje em dia, no mundo das organizações, se calhar são mais as situações em que não sabemos responder do que aquelas a que efetivamente sabemos responder porque o mundo mudou." É importante, por isso, estar disponível para aprender - ou, tal como Helena Santos descreve - "ter a capacidade de desaprender" e conhecer novas formas de saber fazer.

Veja também: O que fazer quando uma pergunta de uma entrevista de emprego o deixa perplexo

Relacionados

Empresas

Mais Empresas

Patrocinados