EUA e Reino Unido desaconselharam idas a concertos em Moscovo há duas semanas

22 mar, 19:46
Ataque ao Crocus City Hall, Moscovo, 22 de março de 2024 (Dmitry Serebryakov/AP)

Recomendação foi publicada no passado dia 7 e desaconselhava ainda viagens para a capital russa

A embaixada dos Estados Unidos na Rússia desaconselhou há duas semanas “grandes concentrações” em Moscovo, incluindo “concertos”, devido a “relatos de que os extremistas têm planos iminentes” para atacar multidões. 

O alerta foi emitido no passado dia 7 e a recomendação visava as 48 horas seguintes. No entanto, esta sexta-feira, um tiroteio na sala de espetáculos Crocus City Hall, nos subúrbios de Moscovo, fez pelo menos 40 mortos e mais de 100 feridos, de acordo com o FSB, e há neste momento um grande incêndio no local.

“A embaixada está a monitorizar relatos de que os extremistas têm planos iminentes de visar grandes concentrações em Moscovo, incluindo concertos, e os cidadãos dos EUA devem ser aconselhados a evitar grandes concentrações durante as próximas 48 horas”, lê-se no site, que, à data, desaconselhava viagens para Moscovo e pedia ainda que as pessoas evitassem multidões, procurassem informação junto da imprensa local para estarem atualizadas e que se mantivessem conscientes do que estava ao seu redor.

Também o Reino Unido tinha feito um alerta similar, sendo que o presidente da Rússia acabou por ignorar todos avisos, chamando-lhes mesmo de "chantagem absoluta".

E.U.A.

Mais E.U.A.

Mais Lidas

Patrocinados