Presidente do Botswana ameaça enviar 20 mil elefantes para a Alemanha

Agência Lusa , PF
2 abr, 20:06
Elefante (AP)

"Não se trata de uma brincadeira", esclarece Mokgweetsi Masisi, acrescentando que "não aceitaria um não como resposta" a este "presente"

O presidente do Botswana ameaçou esta terça-feira a Alemanha com o envio de 20.000 elefantes, devido às críticas de Berlim à caça de paquidermes e à exportação de troféus, que o país utiliza para regular o número de animais.

Os alemães devem "viver com os animais que nos tentam ditar", afirmou o presidente do Botswana, Mokgweetsi Masisi, em declarações ao diário alemão Bild, hoje publicadas.

"Não se trata de uma brincadeira", esclareceu em relação à sua proposta de transferir 20 mil paquidermes para a nação europeia, acrescentando que "não aceitaria um não como resposta" a este "presente".

O Botswana, um país sem litoral na África Austral, alberga a maior população de elefantes do mundo, com cerca de 130.000 exemplares, com os quais é muitas vezes difícil coabitar, segundo o presidente, que referiu os ataques a seres humanos, aldeias e culturas.

As críticas do Ministério do Ambiente alemão, que é dirigido por ambientalistas, têm sido dirigidas aos troféus de caça de elefantes comprados por clientes ocidentais abastados.

No início deste ano, o Ministério levantou a possibilidade de impor limites mais rigorosos à importação destes troféus devido aos problemas de caça furtiva.

"No seio da União Europeia (UE), estamos a discutir a possibilidade de alargar a exigência de autorização de importação (...) a outros troféus de caça de animais protegidos", disse hoje uma porta-voz do Ministério à agência noticiosa France Presse (AFP).

A Alemanha é um dos maiores importadores de troféus de caça da UE, pelo que tem "uma responsabilidade especial" nesta matéria, acrescentou a porta-voz.

Quanto ao "presente" anunciado por Masisi, o Ministério do Ambiente alemão disse que "o Botswana ainda não entrou em contacto" sobre o assunto.

Em 2019, o Botswana levantou uma proibição total da caça, introduzida cinco anos antes para inverter o declínio das populações de elefantes e outras espécies.

Desde então, o Botswana tem decidido todos os anos uma quota de animais que podem ser caçados, sendo a caça comercial também uma importante fonte de receitas locais.

O levantamento da proibição mereceu as críticas dos conservacionistas.

No ano passado, o país ofereceu 8.000 elefantes a Angola.

África

Mais África

Patrocinados