Como o dólar forte está a prejudicar todos os outros

CNN , Julia Horowitz
8 ago, 15:15
Dinheiro [Reuters]

O dólar americano tem estado em alta este ano. Isso são boas notícias para os turistas americanos que galopam pela Europa, mas más notícias para praticamente todos os outros países do mundo.

O dólar americano valorizou mais de 10% em 2022 em comparação com outras moedas de topo – e está perto do seu nível mais alto em duas décadas -, à medida que os investidores preocupados com uma recessão global se apressaram a recolher dólares, considerados um porto seguro em tempos turbulentos.

A acrescentar ao apelo do dólar está a campanha agressiva da Reserva Federal [banco central dos EUA] de subida das taxas de juro para combater a inflação elevada. Isso tornou os investimentos americanos mais atrativos, já que oferecem agora retornos mais elevados.

Os viajantes norte-americanos podem estar a regozijar-se, por uma noite em Roma que em tempos custou 100 dólares custar agora cerca de 80 dólares, mas o quadro é mais complicado para as multinacionais e para os governos de outros países.

Cerca de metade do comércio internacional é faturado em dólares, aumentando contas para os fabricantes e pequenas empresas que dependem de bens importados. Os governos que precisam de pagar as suas dívidas em dólares também podem ter problemas, especialmente se as suas reservas se esgotarem.

O ganho do dólar já está a prejudicar algumas economias vulneráveis.

A escassez de dólares no Sri Lanka contribuiu para a pior crise económica da história do país, acabando por forçar o seu presidente a abandonar o cargo no mês passado. A rupia do Paquistão mergulhou para um recorde de mínimos face ao dólar no final de julho, empurrando-o para a beira do “default” [incumprimento]. E o Egipto - assolado pela subida dos preços dos alimentos - está a lidar com um cofre esgotado de dólares e um êxodo de investimento estrangeiro. Os três países tiveram de recorrer ao Fundo Monetário Internacional para obter ajuda.

"Tem sido um ambiente desafiante", disse William Jackson, economista principal dos mercados emergentes da Capital Economics.

Porque o "sorriso do dólar" provoca carrancas noutros

O dólar americano tende a subir de valor quando a economia americana está muito forte, ou, de certa forma, contra-intuitivamente, quando está fraca mas o mundo está a enfrentar uma recessão.

Em qualquer das situações, os investidores veem a moeda americana como uma oportunidade para travar o crescimento, ou como um lugar relativamente seguro para estacionar o dinheiro enquanto se livram da tempestade.

O fenómeno é frequentemente referido como o "sorriso do dólar", uma vez que ele se eleva em ambos os extremos.

Mas o resto do mundo fica com menos razões para sorrir. Manik Narain, chefe da estratégia de ativos para mercados emergentes da UBS, identificou três razões principais para que um dólar mais forte possa prejudicar países de todo o mundo com economias mais pequenas.

1. Pode aumentar a pressão orçamental. Nem todos os países têm a capacidade de pedir dinheiro emprestado na sua moeda local, uma vez que os investidores estrangeiros podem não ter confiança nas suas instituições ou ter mercados financeiros menos desenvolvidos. Isso significa que alguns não têm outra escolha senão emitir dívida denominada em dólares. Mas se o valor do dólar disparar, isso torna mais caro o pagamento das suas dívidas, drenando os cofres do Estado.

Isso também torna mais dispendioso para os governos ou empresas importar alimentos, medicamentos e combustíveis.

Foi o que aconteceu quando o valor da rupia do Sri Lanka caiu em relação ao dólar, no início deste ano. O governo drenou as suas reservas estrangeiras, que já eram baixas em parte devido a uma quebra no turismo durante a pandemia. A escassez de artigos essenciais levou então milhares de pessoas às ruas. O então Presidente, Gotabaya Rajapaksa, fugiu do país e demitiu-se em julho depois de manifestantes furiosos terem ocupado os edifícios do governo.

2. Alimenta a fuga de capitais. Quando a moeda de um país enfraquece dramaticamente, indivíduos ricos, empresas e investidores estrangeiros começam a retirar o seu dinheiro, na esperança de o guardarem num lugar mais seguro. Isso empurra ainda mais a moeda para baixo, exacerbando problemas orçamentais.

"Se neste momento estão sentados à espera no Sri Lanka, e estão a ver que o governo está sob pressão, querem retirar o vosso dinheiro", disse Narain.

3. Pesa sobre o crescimento. Se as empresas não conseguirem pagar as importações de que necessitam para gerir os seus negócios, não terão tantos stocks. Isso significa que não poderão vender tanto, mesmo que a procura se mantenha robusta, o que pesa na produção económica.

Quando a economia dos Estados Unidos está a avançar, isso pode amortecer parte do golpe. Muitos mercados emergentes exportam bens para a maior economia do mundo. Mas quando o dólar se fortalece porque a América está à beira da recessão? É duro.

"Isso pode infligir mais dor nos mercados, porque não se tem o lado positivo de um melhor crescimento económico como pano de fundo", disse Narain.

Uma crise contida

O dólar recuou 0,6% na última semana. Mas não se espera que inverta o curso de forma significativa em breve.

"Estimamos que a força do dólar permaneça em grande parte intacta no prazo quase intermédio", escreveu Scott Wren, estratega sénior de mercados globais do Wells Fargo Investment Institute, numa nota recente enviada aos clientes.

Isto está a pressionar investidores e decisores políticos a que questionem se o Sri Lanka é apenas a primeira peça do dominó a cair. Existe também o risco de que a turbulência nos mercados emergentes se espalhe pelo ecossistema financeiro, desencadeando uma vasta gama de efeitos colaterais.

Brad Setser, do Conselho das Relações Externas, escreveu recentemente que está a acompanhar a Tunísia, que luta para satisfazer as suas necessidades orçamentais, bem como o Gana e o Quénia, que têm uma elevada carga de dívida. El Salvador tem um pagamento de obrigações no início do próximo ano, enquanto a Argentina continua a lutar na sequência da sua última crise monetária em 2018.

O FMI estimou que 60% dos países de baixo rendimento estão em risco ou em alto risco de sofrerem pressão sobre a dívida pública, em comparação com cerca de um quinto há uma década.

Mas há também diferenças fundamentais entre a situação atual e crises passadas. A dívida denominada em dólares é menos comum do que costumava ser. Os maiores atores - como o Brasil, México e Indonésia – “geralmente não tomavam muitos empréstimos em moeda estrangeira e agora possuem reservas cambiais suficientes para gerir a sua carga de dívida externa", de acordo com a Setser.

Além disso, os preços de matérias-primas como o petróleo e metais básicos continuam elevados. Isto ajuda as economias emergentes que são grandes exportadoras, incluindo muitos países na América Latina, e serve como forma confiável de assegurar que os dólares ainda fluem para os cofres do Estado.

A inflação também pressionou os bancos centrais em muitos mercados emergentes, para começarem a subir as taxas de juro mais cedo do que os seus pares na Reserva Federal [dos EUA] ou no Banco de Inglaterra. O Brasil aumentou os custos dos empréstimos em 12 reuniões consecutivas, tendo dado início ao processo em março de 2021.

Ainda assim, muito poderá depender do destino das duas maiores economias do mundo: os Estados Unidos e a China. Se estes motores de crescimento começarem realmente a estagnar, então os mercados emergentes poderão assistir a um doloroso fluxo de investimento.

"Será crucial que os Estados Unidos entrem em recessão", disse Robin Brooks, economista-chefe do Institute of International Finance. Isso "torna toda a gente mais avesso ao risco".

 

Dinheiro

Mais Dinheiro

Patrocinados