Desemprego desce ligeiramente para 6,4% em maio, mas continua mais alto do que há um ano

ECO - Parceiro CNN Portugal , Joana Nabais Ferreira
29 jun, 11:49
IEFP

Face a maio do ano passado, a taxa de desemprego está ainda 0,4 p.p. mais elevada, indicam os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Em maio, 338.600 pessoas estavam desempregadas no país

A taxa de desemprego em maio diminuiu para 6,4%, valor que se traduz numa ligeira descida de 0,1 pontos percentuais (p.p.) face ao apurado no mês anterior e um recuo de 0,5 p.p. comparativamente a fevereiro. Em termos homólogos, contudo, o desemprego aumentou 0,4 p.p., segundo os dados provisórios divulgados esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Em maio, 338.600 pessoas estavam desempregadas no país.

Numa nota informativa divulgada anteriormente, o INE indicava que a taxa de desemprego tinha descido para 6,8% em abril. Agora, o instituto refere que a taxa de desemprego em abril terá sido de 6,5%, significando que a quebra foi mais acentuada.

Fonte: INE

Quanto a maio, o INE adianta que o desemprego em Portugal desceu para os 6,4%, “o valor mais baixo desde outubro de 2022, quando foi de 6,1%”.

Neste contexto, a população desempregada recuou 1,7% face a abril e 6,4% em relação a três meses antes, para 338.600 pessoas. Ainda assim, aumentou na ordem dos 8,5% comparativamente ao mês homólogo de 2022.

Quanto à população empregada, foi estimada em 4.931,8 mil pessoas, o que significa uma variação relativa positiva em relação ao mês de abril (0,1%), bem como relativamente a três meses antes (0,3%) e a um ano antes (1,3%).

Em maio de 2023, estima-se ainda que a população ativa tenha tido um decréscimo de 1,8 mil pessoas (a que corresponde uma “taxa de variação quase nula”) em relação ao mês anterior e que a população inativa tenha tido um acréscimo de 3,3 mil pessoas (0,1%).

“A diminuição da população ativa resultou do decréscimo da população desempregada (5,9 mil; 1,7%) que superou o acréscimo da população empregada (4,1 mil; 0,1%). O aumento da população inativa foi explicado, principalmente, pelo acréscimo do número de inativos à procura, mas não disponíveis para trabalhar (3,7 mil; 12,8%) e do número de inativos disponíveis, mas que não procuraram emprego (3,1 mil; 2,5%)”, justifica o Instituto Nacional de Estatística.

Fonte: INE

Já o aumento da população ativa (89,2 mil; 1,7%) em relação a maio de 2022 “resultou do acréscimo tanto da população empregada (62,5 mil; 1,3%), como da população desempregada (26,6 mil; 8,5%)”. Por seu lado, a população inativa diminuiu em 62,4 mil pessoas (2,5%) “devido, principalmente, à diminuição do número de outros inativos (58,2 mil; 2,5%)”, detalha o gabinete de estatística.

Ainda em maio de 2023, a subutilização do trabalho abrangeu 645 mil pessoas, valor praticamente igual do do mês anterior, inferior ao de três meses (9,9 mil; 1,5%) e superior ao do período homólogo (30,8 mil; 5,0%). Assim, a taxa de subutilização do trabalho correspondente — que foi estimada em 11,9% – manteve-se inalterada relativamente à do mês anterior, diminuiu 0,2 p.p. em relação à de três meses antes, e aumentou 0,4 p.p. por comparação com a do mesmo mês do ano anterior.

Relacionados

Economia

Mais Economia

Patrocinados