Diretas PSD: Rangel perdeu, mas está solidário com Rio que saiu com "legitimidade reforçada"

27 nov 2021, 22:06

Questionado se fez as pazes com o Rui Rio durante o telefonema da vitória, Rangel respondeu: "Nunca fizemos as pazes porque nunca estivemos em guerra"

PUB

Saiu derrotado, mas solidário. Paulo Rangel começou o discurso de derrota a dizer que já tinha felicitado Rui Rio pela vitória: "falámos muito tempo". Apelou à união do partido e garantiu que as diretas do PSD foram um processo importante para "reforçar a legitimidade" do atual líder. 

"Como eu sempre disse, e continuo a dizê-lo, este processo eleitoral interno reforçou a legitimidade do líder do PSD" e acrescentou "Não tenho dúvidas em reconhecer que o reeleito presidente do PSD sai com mais força para as legislativas, do que se este processo não tivesse tido lugar."

PUB

Os resultados destas eleições internas foram muito disputados, assim como a própria campanha. Para Rangel isso significa que o PSD é ainda um "partido vivo" e com "sentido democrático". Apelou várias vezes à união dos sociais-democratas, porque daqui a dois meses o partido tem pela frente uma "batalha decisiva" e um adversário de peso. 

"Esta unidade significa uma coisa: se vamos para as eleições legislativas, temos de ir unidos, tendo como principal adversário o Partido Socialista e o seu líder, António Costa".

PUB
PUB
PUB

"Nunca fizemos as pazes porque nunca estivemos em guerra"

Questionado se fez as pazes com o Rui Rio durante o telefonema da vitória, Rangel respondeu: "Nunca fizemos as pazes porque nunca estivemos em guerra". 

“Tive sempre uma relação de estima e de respeito pelo dr. Rui Rio. A minha relação de respeito e de estima e, até de grande franqueza, manteve-se igual”, afirmou.

Nas respostas aos jornalistas, recusou fazer uma análise dos motivos que estiveram na base da sua derrota. "Eu candidatei-me porque tinha uma estratégia diferente do candidato que ganhou, os militantes do PSD escolheram a outra estratégia e o outro protagonista para a executar".

Questionado se poderá protagonizar uma terceira candidatura à liderança do PSD, no futuro, depois de ter sido derrotado em 2010 e este sábado, Rangel respondeu: "É uma coisa que não antevejo", embora acrescentando já ter a experiência suficiente para não fechar totalmente qualquer cenário.

Quanto ao seu futuro próximo, garantiu que irá cumprir "até ao fim" o seu mandato como eurodeputado.

PUB
PUB
PUB

Rangel falou perante uma plateia com cerca de 70 cadeiras e algumas pessoas em pé, entre os quais o ex-candidato à liderança Miguel Pinto Luz, alguns líderes distritais como Alberto Machado ou Pedro Alves, os deputados Alexandre Poço (líder da JSD), Pedro Pinto, Emídio Guerreiro ou e Duarte Marques e os antigos dirigentes Miguel Morgado e Sofia Galvão.

Mais tarde, numa reação no Twitter, voltou a apelar à união do partido.

Análise aos resultados

Rui Rio foi, este sábado, reeleito presidente do PSD com mais de 52% dos votos, enquanto Rangel se manteve com pouco mais de 47%. 

Numa análise dos resultados pelas distritais, Rio ficou à frente em dez, entre elas Porto, Braga e Aveiro (a primeira, segunda e quarta maiores estruturas em termos de militantes) bem como em Viana do Castelo, Bragança, Viseu, Leiria, Santarém, Évora e Faro.

Além destas dez distritais, Rio venceu ainda nas duas Regiões Autónomas, obtendo nos Açores a sua maior vitória percentual, 77%, enquanto na Madeira conseguiu 57% dos votos.

PUB
PUB
PUB

Paulo Rangel venceu nove distritais, além das estruturas da Europa e Fora da Europa: na Área Metropolitana de Lisboa (a terceira maior em termos de militantes, onde conseguiu quase 60%), Setúbal (a sua maior vitória, 63%), Vila Real, Guarda, Coimbra, Castelo Branco, Portalegre, Lisboa Área Oeste e Beja.

A taxa de participação nas décimas eleições diretas rondou os 77%.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Partidos

Mais Partidos

Patrocinados