Tufão Hinnamnor causa dez mortos e afeta milhares de pessoas na Coreia do Sul

Agência Lusa , AM
7 set, 07:03
Tufão Hinnamnor atinge Coreia do Sul (EPA/KIM HEE-CHUL)

Tempestade, com ventos sustentados superiores a 140 quilómetros por hora, voltou ao mar depois de passar sobre a cidade costeira de Ulsan

O número de mortos causados pela passagem do tufão Hinnamor pela Coreia do Sul subiu para dez, com a descoberta dos corpos de sete pessoas que se afogaram num parque de estacionamento subterrâneo.

Segundo a agência noticiosa sul-coreana, as equipas de socorro conseguiram resgatar apenas duas das nove pessoas que ficaram presas no parque de estacionamento na cidade Pohang, no leste do país.

Os dois sobreviventes, um homem de 39 anos e uma mulher de 52 anos, foram salvos depois de estarem presos durante mais de 12 horas e encontram-se em bom estado de saúde, disseram hoje os socorristas.

As nove pessoas tinham ido ao parque de estacionamento do complexo residencial onde viviam, na madrugada de terça-feira, para retirar os automóveis, por receio que o parque de estacionamento ficasse inundado.

Os socorristas continuam a drenar o parque de estacionamento, embora tenham indicado que não esperam encontrar mais pessoas que possam ter ficado presas.

Em Pohang, uma cidade costeira a cerca de 270 quilómetros a sudeste de Seul, morreu na terça-feira uma outra mulher de 66 anos, que também se dirigiu ao parque de estacionamento subterrâneo do seu complexo residencial.

No total, há 10 mortos e dois desaparecidos após a passagem do Hinnamnor, possivelmente um dos mais poderoso a atingir a Coreia do Sul.

A tempestade, com ventos sustentados superiores a 140 quilómetros por hora, voltou ao mar depois de passar sobre a cidade costeira de Ulsan, a 307 quilómetros a sudeste de Seul, cerca de duas horas depois.

Mais de 3.400 pessoas foram retiradas devido à possibilidade de inundações e aluimentos de terras nas províncias de Jeolla Sul (sudoeste), Gyeongsang Sul e Busan (sudeste), onde mais de 20 mil habitações destas áreas ficaram sem eletricidade.

Os ventos e dois dias de chuva forte, causados pela tempestade, afetaram meia centena de rotas de 'ferry' e obrigaram ao cancelamento de 251 voos em 12 aeroportos sul-coreanos.

O transporte terrestre também foi afetado, com 354 ligações ferroviárias canceladas ou atrasadas e várias estradas e autoestradas em todo o país parcialmente fechadas, incluindo a autoestrada olímpica de Seul, uma das principais vias da capital ao longo da margem sul do rio Han.

O Hinnamnor voltou a sublinhar os desafios infraestruturais que o país asiático enfrenta, numa altura em que os eventos climáticos extremos parecem atingir cada vez mais a península coreana devido às alterações climáticas.

Em agosto, as chuvas mais fortes a atingir o norte da Coreia do Sul em 80 anos causaram 16 mortos, metade das quais vivia em semi-caves inundadas pela chuva na capital, Seul.

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados