A contraofensiva tem sido brutal e lenta. Mas a Ucrânia ainda tem muitas cartas para jogar

CNN , Análise de Nick Paton Walsh
22 jun 2023, 22:00
Forças Especiais Ucranianas (Twitter)

As falhas dos militares russos são abundantes e as perdas horríveis - e qualquer curva de aprendizagem tática acentuada não terá sido acompanhada por uma melhoria semelhante em termos de formação e equipamento. A Rússia só tem uma opção: aguentar e esperar que este inverno cimente a sobrevivência da sua atual ocupação. A Ucrânia tem muitas opções à sua frente e um excedente significativo de recursos para aproveitar as oportunidades, mesmo quando o relógio está agora a fazer tiquetaque

As imagens são granuladas e perturbadoras. Um soldado ucraniano do 73.º Centro de Operações Especiais da Marinha abre caminho através de uma trincheira, aparentemente na frente sul, disparando repetidamente contra soldados russos à queima-roupa. A poeira levantada aumenta a sensação de caos, o denso pânico e a brutalidade do início desta contraofensiva.

Nunca seria simples, e envolveria sempre o tipo de combate horrível, cara a cara, mostrado no vídeo das forças especiais. Mas o sucesso da ofensiva ucraniana continua a depender da sua capacidade de surpreender e enganar as forças de Moscovo - não num combate corpo a corpo, mas a um nível estratégico mais vasto. E é provavelmente por isso que estamos a assistir a um início lento - e por vezes incremental - desta primeira fase de operações abertas.

"Gostaríamos, sem dúvida, de dar passos maiores", reconheceu o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, em entrevista à BBC. "Mas, no entanto, aqueles que lutam vencerão e aqueles que batem à porta conseguirão abri-la."

Durante meses, assistimos a uma tentativa paciente por parte da Ucrânia para diminuir a prontidão das defesas russas. O lento gotejar de explosões em depósitos de combustível, em quartéis-generais e em linhas de caminho de ferro tem como objetivo enfraquecer a capacidade da Rússia de resistir e de se adaptar aos primeiros grandes ataques.

Este trabalho meticuloso continua, com uma explosão no domingo na aldeia ocupada de Rykove, na região de Kherson, que destruiu um aparente depósito de munições. Para os analistas, o padrão da enorme explosão sugere explosões secundárias significativas. O ataque ocorreu a mais de 100 quilómetros do território inimigo, o que sugere uma grave falta de consciência das fileiras russas dos novos perigos que enfrentam com os mísseis de longo alcance fornecidos pela NATO, ou uma incapacidade de se adaptarem e alterarem a sua presença.

Soldados ucranianos disparam contra posições russas nos arredores de Bakhmut, a 19 de junho de 2023. Wojciech Grzedzinski/Agência Anadolu/Getty Images

Rykove situa-se perto da Crimeia, numa zona cujas linhas de abastecimento ferroviário já estão provavelmente comprometidas pelos recentes ataques cirúrgicos ucranianos.

Nenhum ataque isolado é terminal, mas uma lenta acumulação de danos reduz as opções russas e pode, eventualmente, levar a fissuras na rede defensiva das suas forças ou na sua capacidade básica de funcionamento. Ao reagir aos avanços da Ucrânia nas últimas semanas, a Rússia terá dado sinais importantes sobre a sua prontidão, questões de abastecimento e prioridades. É provável que os satélites ocidentais estejam a fornecer informações claras sobre os ajustes de Moscovo a Kiev.

Atualmente, a Ucrânia parece estar a manter as suas opções em aberto. A prioridade é o progresso ao longo da extensa frente sul, que marca o valioso corredor terrestre entre a Crimeia ocupada e o Donbass, e a Rússia continental. A maioria dos observadores concorda que o único objetivo desta contraofensiva é quebrar essa ponte terrestre.

Uma península da Crimeia isolada do Donbass é muito mais difícil de reabastecer e defender, deixando o presidente russo Vladimir Putin com uma escolha difícil: expor os seus ativos militares na Crimeia a um longo impasse, ou reduzir as perdas e retirá-los.

Poucos analistas afirmam que Putin pode aceitar a segunda opção e, por isso, é possível que nos deparemos com um longo cerco à península durante os meses de inverno, enquanto Kiev devolve a Moscovo as fronteiras que lhe roubou em 2014-15, ou pior. É, sem dúvida, uma derrota simbólica para Moscovo (e uma vitória definitiva para Kiev) ver os últimos 16 meses de carnificina e perdas da Rússia terminarem sem qualquer ganho estratégico.

A questão que se coloca em julho é a forma de o conseguir. A Ucrânia tem feito o maior ruído público sobre os seus avanços em torno de Velyka Novosilka, a sudeste. Aqui, a recente tomada de Blahodatne coloca a 68.ª Brigada perigosamente perto da ocupada Volnovakha e dos seus carris ferroviários que conduzem à vital cidade ocupada de Mariupol.

A maior parte das aldeias que a Ucrânia libertou publicamente situa-se nesta direção. Faz parte de uma investida dispendiosa e tortuosa contra as linhas russas que, de acordo com operadores de drones com quem a CNN se encontrou no final de abril, estavam extremamente preparadas para o ataque, retirando parte do seu equipamento pesado para longe da frente.

Os progressos ucranianos também são notados a oeste da região de Zaporizhzhia, perto de Orikhiv. Também tem sido cansativo, com perdas ucranianas registadas em torno de Mala Tokmachka, e agora intensos combates perto de Pyatykhatky. Alguns bloguistas pró-russos sugeriram que a aldeia já foi libertada.

Igor Strelkov, antigo chefe da milícia da República Popular de Donetsk e atualmente um crítico ocasional dos militares russos, disse na terça-feira que tinham eclodido combates pesados em Zherebyanki, a oeste de Pyatykhatky, o que dá a entender que as forças ucranianas podem estar a tentar isolar a cidade ocupada de Kamyanske, ao longo do rio Dnipro.

Este ângulo de avanço - em direção à cidade ocupada de Melitopol - parece ser o mais provável e rentável para a Ucrânia. Embora esta frente esteja preparada para o ataque e fortemente defendida, está mais próxima da cidade de Zaporizhzhia e do reabastecimento ucraniano, proporcionando uma aproximação útil para as forças de Kiev à península da Crimeia. Mas para fazer progressos significativos, estarão a contar com um colapso russo, pelo menos parcial, algures ao longo desta elaborada rede de trincheiras.

Esta defesa é estratificada: as primeiras trincheiras que a Ucrânia atingir não serão as últimas. Mas, a dada altura, os elaborados sistemas russos de abrigos da era da Primeira Guerra Mundial e os campos de minas mais modernos podem ceder e, nesse caso, o Mar de Azov é um caminho aberto através de um território plano.

Para manter as forças russas na expetativa, os ganhos ucranianos são regularmente alardeados em torno de Bakhmut, uma cidade de importância estratégica mínima, cujo centro foi capturado pela Rússia com enormes custos no mês passado. Moscovo não se pode dar ao luxo de perder a face de uma reviravolta neste caso. Por último, há repetidos relatos de confrontos a norte, em torno de Kupyansk e Kreminna - mais um ângulo possível para o avanço de uma força ucraniana mais bem preparada. O objetivo é forçar a Rússia a fazer escolhas incómodas sobre para onde enviar reforços.

O comandante supremo da Ucrânia, o general Valerii Zaluzhnyi, pode ainda não saber onde irá afundar a maior parte das suas forças recentemente treinadas e equipadas. Algumas estimativas sugerem que apenas um quarto das novas unidades ucranianas, reforçadas pelo treino e pelos fornecimentos da NATO, estão agora em combate. Zalyuzhnyi ainda não disse nada sobre os seus planos. É possível que esteja à espera de ver onde é que as munições e o reabastecimento pioram primeiro, ou onde é que a Rússia parece não estar disposta a afundar reservas.

Forças ucranianas dispararam canhão antiaéreo AZP S-60, a 19 de junho de 2023. Wojciech Grzedzinski/Agência Anadolu/Getty Images

A espera não é isenta de custos políticos. Kiev precisa de cimentar uma mudança nas linhas da frente para validar o enorme investimento feito pela NATO nas suas forças. Deve estar bem ciente de que as eleições em vários países nos próximos dois anos irão provavelmente alterar a apetência do Ocidente para financiar a defesa da Ucrânia, independentemente de quão inabaláveis sejam os compromissos públicos do Ocidente. Existe o risco de que o ruído de fundo das conversações de paz venha à tona no inverno e que a Ucrânia se veja a braços com um impasse nas fronteiras estabelecidas em novembro.

O presidente Zelensky abordou esta preocupação na sua entrevista à BBC. "Alguns querem uma espécie de filme de Hollywood, mas as coisas não acontecem assim", disse.

No entanto, há razões para otimismo na capital da Ucrânia. No verão passado, o silêncio e o impasse acabaram por se transformar num colapso russo em torno de Kharkiv. A retirada de Kherson mostrou também que Moscovo ainda era capaz de reconhecer as realidades e reagir a elas. As altas patentes de Putin terão aprendido com as derrotas do ano passado e é provável que ele esteja extremamente emotivo com o destino da Crimeia.

Mas, como o mundo viu em pormenor, as falhas dos militares russos são abundantes e as perdas horríveis - e qualquer curva de aprendizagem tática acentuada não terá sido acompanhada por uma melhoria semelhante em termos de formação e equipamento. A Rússia só tem uma opção: aguentar e esperar que este inverno cimente a sobrevivência da sua atual ocupação. A Ucrânia tem muitas opções à sua frente e um excedente significativo de recursos para aproveitar as oportunidades, mesmo quando o relógio está agora a fazer tiquetaque.

Europa

Mais Europa

Patrocinados