EUA, Japão e Filipinas denunciam agressividade de Pequim no mar do sul da China

Agência Lusa , AM
12 abr, 06:48
China (AP)

Declaração conjunta foi emitida no final de uma cimeira em Washington

Os Estados Unidos, Japão e Filipinas denunciaram o "comportamento perigoso e agressivo" de Pequim no mar do sul da China, numa declaração conjunta emitida no final de uma cimeira em Washington.

"Manifestamos a nossa profunda preocupação com o comportamento perigoso e agressivo da República Popular da China no mar do sul da China", lê-se no comunicado, divulgado na quinta-feira, após a cimeira.

O presidente norte-americano, Joe Biden, o homólogo filipino, Ferdinand Marcos Jr., e o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, expressaram ainda preocupação com a "militarização do território conquistado e as reivindicações marítimas ilegais" naquela zona estratégica.

Pequim disputa territórios nestas águas, cruciais para o comércio mundial e ricas em recursos energéticos, com países como a Malásia, Filipinas e Vietname.

Da cimeira tripartida saíram anúncios de maior cooperação em tecnologia, infraestruturas e segurança marítima diante da crescente hegemonia da China na região do Indo-Pacífico.

Joe Biden recebeu Ferdinand Marcos Jr. e Fumio Kishida na Casa Branca, numa cimeira inédita entre os líderes dos três países, tendo como pano de fundo vários incidentes que envolveram a China na área marítima.

"O compromisso dos Estados Unidos com a segurança do Japão e das Filipinas é inabalável", afirmou o presidente democrata de 81 anos.

Num aviso dirigido a Pequim, Biden comprometeu-se durante a cimeira a defender as Filipinas em caso "de ataque" no mar do sul da China.

O presidente norte-americano declarou que "qualquer ataque contra um avião, um navio ou as forças armadas filipinas" naquela zona marítima "desencadearia a aplicação do tratado de defesa mútua" que liga Washington a Manila.

Biden referiu-se ao objetivo comum de uma Ásia-Pacífico "livre, aberta, próspera e segura", expressão recorrente dos Estados Unidos para se referir a projectos considerados perigosos e agressivos pela China.

As autoridades chinesas já tinham reagido ao anúncio, na quarta-feira, de um reforço da cooperação militar entre Washington e Tóquio.

"Os Estados Unidos e o Japão, desafiando as sérias preocupações da China, difamaram e atacaram a China relativamente a Taiwan e às questões marítimas", declarou a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês Mao Ning.

Entretanto, em declarações à imprensa, o chefe de Estado filipino afirmou que esta foi um encontro histórico: A reunião de hoje dá-nos a oportunidade de definir o futuro que queremos e os meios para o alcançarmos juntos", acrescentou Ferdinand Marcos Jr.

Nos últimos meses, as tensões entre a China e as Filipinas - que estão a afirmar cada vez mais as reivindicações territoriais na zona marítima em causa - atingiram níveis que não se viam há anos.

Uma série de incidentes ocorridos desde finais de 2023, perto de recifes disputados no mar do sul da China, têm sido a causa de desacatos.

No mês passado, registaram-se duas colisões entre navios chineses e filipinos perto do atol de Ren'ai, designado como Ayungin por Manila.

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados