O que se passa no exército chinês? Aparentemente é uma purga (e já chegou à indústria aeroespacial)

CNN , Nectar Gan
31 jan, 21:00
Um foguetão de transporte Long March-7 Y7 transporta uma nave espacial de carga para a estação espacial Tiangong num local de lançamento em Wenchang, na China, a 7 de maio de 2023 (Li Junhong/VCG/Getty Images)

A China expulsou um importante cientista do seu principal órgão consultivo político, o mais recente sinal de uma purga cada vez maior na força militar chinesa de mísseis e nos responsáveis pela indústria aeroespacial.

A Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC) afastou Wang Xiaojun numa reunião realizada em Pequim na segunda-feira - apenas um ano depois de ter sido nomeado membro, informou a agência noticiosa estatal Xinhua, sem dar qualquer explicação.

Wang, 54 anos, dirigiu até há pouco tempo a Academia Chinesa de Tecnologia de Veículos de Lançamento (CALT), um prestigiado instituto estatal conhecido como o berço da indústria aeroespacial chinesa.

A CALT apresenta-se como a "maior e mais antiga base do país para o desenvolvimento, teste e produção de armas de mísseis e veículos de lançamento", de acordo com a página do organismo na Internet.

Wang passou a sua carreira de quase três décadas a conceber foguetões na CALT, uma filial do principal contratante do programa espacial chinês, a empresa estatal China Aerospace Science and Technology Corporation.

A demissão de Wang do órgão político de elite é o mais recente abalo no complexo militar-industrial da China. Em dezembro, três executivos do setor aeroespacial, incluindo o presidente da Corporação de Ciência e Tecnologia Aeroespacial da China, foram destituídos dos seus cargos na CCPPC.

Dois dias mais tarde, nove responsáveis de alta patente do Exército Popular de Libertação foram expulsos da mais alta legislatura do país. Cinco deles estão ligados à Força Rocket, um ramo de elite criado pelo líder chinês Xi Jinping para supervisionar o desenvolvimento dos mísseis nucleares e balísticos do país.

Não foi dada qualquer razão para as expulsões em dezembro, mas os especialistas que há muito estudam as forças armadas chinesas apontam como causa provável uma purga de corrupção - possivelmente sobre a aquisição e o desenvolvimento de equipamento para a Força Rocket, uma área altamente secreta e lucrativa, com milhares de milhões de euros de financiamento, que constitui um terreno fértil para a corrupção.

Em julho, a Força Rocket substituiu abruptamente os seus dois líderes, o comandante e o comissário político, sem qualquer explicação.

Wang, que se tornou membro da CCPPC apenas em janeiro do ano passado, é conhecido por liderar o desenvolvimento do Longa Marcha 7, um foguetão de nova geração concebido para lançar naves espaciais de carga para a estação espacial chinesa Tiangong.

Em 2016, a Xinhua afirmou que Wang tinha "dado importantes contributos para o sucesso do primeiro voo espacial tripulado do nosso país e para a realização do sonho milenar da nação chinesa de voar para o espaço". Recebeu também vários prémios estatais, segundo o relatório.

Em fevereiro do ano passado, Wang escreveu um artigo no Diário do Povo, o principal porta-voz do Partido Comunista no poder, exaltando Xi pelos seus "importantes planos estratégicos" para acelerar os esforços de transformação da China numa "poderosa nação aeroespacial".

As instruções de Xi "indicam o caminho a seguir para que a ciência e a tecnologia aeroespacial do nosso país atinjam um alto nível de autossuficiência", escreveu Wang.

A última aparição pública conhecida do cientista foi em junho, quando visitou a província meridional de Hunan e se reuniu com altos funcionários provinciais para discutir a cooperação, de acordo com a CALT.

Desde então, Wang foi substituído no cargo de diretor da CALT.

Fundado em 1957, o primeiro diretor da CALT foi Qian Xuesen, um herói nacional conhecido como o pai do programa espacial e de mísseis da China. Sob a direção de Qian, a CALT fabricou o primeiro míssil balístico da China, o Dongfeng-1, que foi modelado a partir de um míssil soviético de curto alcance e testado com êxito em 1960.

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados