CEO publica uma fotografia a chorar depois de despedir funcionários e torna-se viral

CNN Portugal , FMC
13 ago, 15:56
Braden Wallake, o CEO que publicou uma fotografia a chorar no Linkedin depois de ter de despedir dois funcionários (Linkedin)

Braden Wallake queria mostrar que os líderes também são desafiados emocionalmente quando confrontados com uma situação de demissão

Braden Wallake, CEO de uma empresa norte-americana, publicou na terça-feira no Linkedin uma fotografia em que aparecia em lágrimas depois de ter de despedir funcionários.  

Com o intuito de transmitir a mensagem de que os executivos também sofrem com o momento de demissão e contrariar a crença disseminada na rede social de que os “líderes são horríveis por despedir empregados e que os despedem enquanto estão a desfrutar da terceira mansão nas Bahamas”, Wallake tornou-se viral, recebendo elogios de uns e críticas de outros.

A publicação, que rapidamente gerou mais de 20 mil gostos (e atualmente conta com mais de 30.500), deu início a um aceso debate nos comentários entre os que aplaudiam a vulnerabilidade mostrada e outros que criticavam o empresário pela publicação “pirosa” e por centrar em si uma situação que afeta, primeiramente, os empregados lesados. A troca de opiniões não se cingiu à rede social do mundo profissional e estendeu-se para outras redes como o Twitter.  

Em entrevista à Motherboard, da Vice, o CEO da HyperSocial, uma empresa de estratégia de marketing, contou que, na terça-feira à noite, teve de despedir dois funcionários. Wallake referiu que os empregados reagiram bem quando confrontados com a situação, tendo ambos sido “incrivelmente simpáticos”. Quase numa inversão de papéis, os empregados asseguraram que “ficariam bem”.

Como consequência da decisão que teve de tomar, ao sentar-se na sua secretária deixou-se levar pelas emoções e foi quando decidiu captar o momento e partilhá-lo.

“Isto vai ser a coisa mais vulnerável que vou partilhar. Em dias como o de hoje, desejei ser o chefe que apenas se move pelo dinheiro e que não se preocupa com quem magoa pelo caminho. Mas não sou. Por isso, só quero que as pessoas vejam que nem todos os CEO são frios e não se preocupam quando têm de despedir alguém. Estou certo de que existem centenas e milhares como eu", lê-se na descrição da fotografia.

Na entrevista dada, reiterou que os despedimentos nem sempre são uma questão de lucros, nem restritos a líderes “sedentos” de dinheiro, mas ocorrem também “com pessoas normais” como consequência do estado da empresa. 

Depois de ter sido alvo de condenações por parte de internautas, Wallake afirmou que visava, apenas, partilhar a sua experiência pessoal, não tendo qualquer intenção de sugerir que seria pior “do que os que ficaram desempregados”. Como representante de uma empresa que se foca no Linkedin, acredita que esta plataforma deveria promover um “nível de transparência” e como tal, queria partilhar as dificuldades, neste caso emocionais, sentidas por ser proprietário de uma pequena empresa no contexto atual.

À Vice, o CEO da HyperSocial revelou ainda que admitiu equacionar apagar a publicação, mas que a exposição teve um lado benéfico, afirmando que houve empresários que mostraram interesse em contratar os ex-funcionários da HyperSocial.  

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados