Celine Dion diz que viver com a Síndrome da Pessoa Rígida "tem sido uma das experiências mais difíceis"

CNN , Dan Heching
18 mar, 08:58
Celine Dion (Kevin Winter/Getty Images for The Recording Academy)

Cantora partilhou pela primeira vez o seu diagnóstico em 2022. Desde então, deixou de fazer digressões e de atuar ao vivo

Celine Dion está a concentrar-se na sua família e no futuro enquanto continua a viver com um problema de saúde.

A lendária artista assinalou o Dia Internacional da Consciencialização da Síndrome da Pessoa Rígida a 15 de março com uma publicação no Instagram em que abordou a sua doença autoimune, dizendo que "tem sido uma das experiências mais difíceis da minha vida".

Dion acrescentou que continua "determinada a um dia voltar ao palco e a viver uma vida tão normal quanto possível".

A mensagem sincera foi acompanhada por uma fotografia de Dion e dos seus três filhos - René-Charles e os gémeos Nelson e Eddy.

Dion teve os três filhos com o marido René Angélil, já falecido, que morreu em 2016.

De acordo com o Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrames (National Institute of Neurological Disorders and Stroke), a síndrome da pessoa rígida (SPS) é uma doença neurológica rara que provoca espasmos e rigidez muscular, com uma sensibilidade acrescida a estímulos como o som, as luzes e o sofrimento emocional que podem provocar espasmos musculares.

Dion partilhou pela primeira vez o seu diagnóstico em 2022. Desde então, deixou de fazer digressões e de atuar ao vivo.

Um documentário sobre a cantora de "My Heart Will Go On", programado para ser transmitido no Prime Video, vai documentar a sua caminhada de volta ao palco.

Na sexta-feira, Dion escreveu na legenda que está a enviar o seu " incentivo e apoio a todos aqueles que, em todo o mundo, foram afectados pela SPS".

"Quero que saibam que são capazes de o fazer! Nós conseguimos!", concluiu.

Relacionados

Música

Mais Música

Mais Lidas

Patrocinados