Jornalista bielorrusso que foi detido após desvio de avião em 2021 condenado a oito anos de prisão

3 mai, 17:43
Roman Protasevich (AP)

Protasevich ficou conhecido como um dos fundadores do NEXTA, portal de notícias que se tornou popular durante os protestos contra o regime bielorrusso naquele ano

O jornalista bielorrusso Roman Protasevich foi esta quarta-feira condenado a oito anos de prisão por tentativa de tomada do poder, atos terroristas e insultos ao presidente Aleksandr Lukashenko.

Protasevich ficou conhecido como um dos fundadores do NEXTA, portal de notícias que se tornou popular durante os protestos contra o regime bielorrusso no ano de 2021.

Para além de Protasevich, a justiça de Minsk também condenou Stepan Putilo, outro fundador, e Jan Rudik, chefe de redação da NEXTA, a 20 e 19 anos de prisão. No entanto, ao contrário de Protasevich, encontram-se fora da Bielorrússia.

A 23 de maio de 2021, Protasevich estava em viagem de Atenas para Vilnius e acabou detido pelas autoridades bielorrussas, após um falso alerta de bomba ter feito o avião da Ryanair aterrar na Bielorrússia. Para além do jornalista, também a sua namorada da altura, Sofia Sapega, foi detida.

A atuação do regime de Lukashenko foi muito contestada pelo Ocidente, com a União Europeia a fechar os aeroportos e o seu espaço aéreo à companhia estatal do país.

Europa

Mais Europa

Patrocinados