Luís Filipe Barreira novo bastonário dos enfermeiros com abstenção perto dos 80%

Agência Lusa
15 nov 2023, 23:44
Luís Filipe Barreira (D.R.)

O novo bastonário afirma que estas eleições "são apenas um ponto de partida para um mandato com muito trabalho pela frente"

O atual vice-presidente da Ordem dos Enfermeiros, Luís Filipe Barreira, foi esta quarta-feira eleito bastonário para o mandato 2024/2027 com 71% dos votos, segundo os dados provisórios divulgados pelo organismo que revelam uma abstenção próxima dos 80%.

Segundo o mapa provisório de resultados, Luís Filipe Barreira foi eleito com 71,07% dos 17.236 votos validados, num universo de 82.120 enfermeiros eleitores, o que coloca a abstenção para o cargo de bastonário em 78,9%.

A eleição para os órgãos nacionais da Ordem dos Enfermeiros regista percentagens semelhantes, com 70,41% de votos válidos na lista de Luís Filipe Barreira e uma abstenção em percentagem igual, mas havendo para estes órgãos mais votos em branco e votos nulos.

A eleição para bastonário registou ainda 26,41% de votos em branco e 2,52% de votos nulos.

A eleições candidataram-se duas listas: a Lista A candidatou-se à liderança Nacional e a todas as Secções Regionais, enquanto a Lista B, que tem como ‘slogan’ “Por uma Enfermagem Positiva”, apresentou candidatura apenas à secção regional da Madeira.

“A lista A elegeu todos os candidatos aos Órgãos Nacionais, às Secções Regionais do Norte, Centro, Sul e Açores, bem como a todos os Colégios das Especialidades”, referiu a Ordem dos Enfermeiros (OE) no comunicado divulgado esta noite.

A Lista B foi a mais votada nos órgãos regionais da Madeira, com 51% dos votos.

Na Madeira, a Lista A avançou com Ana Maria Alves Gouveia, que coordenou a campanha de vacinação contra a covid-19 nesta região, enquanto a Lista B, sem qualquer vinculação a uma candidatura nacional, tinha como cabeça de lista Teresa Espírito Santo, que assumiu as funções de presidente do Conselho Jurisdicional Regional no mandato que agora termina.

Citado no comunicado da OE, Luís Filipe Barreira afirma que “’as eleições de hoje são apenas um ponto de partida para um mandato com muito trabalho pela frente’ e promete proporcionar aos enfermeiros ‘novas responsabilidades, à semelhança do que sucede em outros países, com a devida compensação, de forma a que a enfermagem possa passar para outro patamar’”, criticando ainda que a profissão” ainda não esteja devidamente reconhecida e valorizada em Portugal”.

A eleição decorreu eletronicamente, com o acesso ao voto aberto desde as 00:00 de segunda-feira, tendo encerrado às 20:00 de hoje, hora de Portugal continental.

A corrida à sucessão de Ana Rita Cavaco chegou a ter mais um nome, o do especialista em saúde infantil e pediátrica Mário André Macedo que anunciou a candidatura, a 22 de julho, em Leiria, mas que viu a lista ser excluída com o argumento de que a entrega de documentos decorreu fora do prazo.

Ana Rita Cavaco, bastonária cessante, estava impedida de concorrer por limitação de mandatos, somando sete anos de liderança.

Durante o seu mandato, foi notícia a acusação de que Ana Rita Cavaco, alegadamente, se recusou a colaborar com a sindicância da Inspeção-Geral de Atividades em Saúde (IGAS), tendo esta apontado, em sua defesa, que aquela ação inspetiva, levada a cabo em maio de 2019, tinha "uma motivação política", supostamente baseada nas divergências públicas entre o organismo e então ministra da Saúde, Marta Temido.

Registou-se também uma queixa feita por mais de uma centena de enfermeiros à OE, uma participação disciplinar contra a bastonária por “linguagem imprópria” e comentários ‘’violadores dos deveres deontológicos’’ publicados na sua página pessoal do Facebook.

Esta queixa arquivada em março de 2021 pela OE, mas o grupo anunciou que ia recorrer a tribunais administrativos por considerar que os comentários da bastonária “danificaram a imagem e reputação da Ordem”.

Ana Rita Cavaco tomou posse pela primeira vez em 30 de janeiro de 2016, sendo reeleita em 2019.

De acordo com o Estatutos da OE, criada em 1998, os titulares e membros dos órgãos da ordem são eleitos para mandatos com a duração de quatro anos e não podem assumir mais de dois mandatos consecutivos.

Relacionados

Saúde

Mais Saúde

Mais Lidas

Patrocinados