Elefantes morrem após comer lixo plástico em aterro no Sri Lanka

Rafaela Laja | Agência Lusa
14 jan, 08:54

Os elefantes estão cada vez mais vulneráveis devido à perda e degradação do seu habitat natural e muitos aventuram-se para junto de localidades em busca de comida

PUB

Veterinários e ambientalistas alertam que o lixo plástico num aterro a céu aberto no leste do Sri Lanka está a matar elefantes na região, após terem sido encontrados mais dois animais mortos no fim de semana.

Cerca de 20 elefantes morreram nos últimos oito anos depois de consumirem lixo plástico no aterro da vila de Pallakkadu, no distrito de Ampara, cerca de 210 quilómetros a leste da capital, Colombo. Este aterro foi criado há cerca de uma década, no meio de uma reserva onde vivem entre 200 a 300 elefantes

PUB

Exames realizados aos animais mortos mostraram que estes engoliram grandes quantidades de plástico não degradável encontrado no depósito de lixo, segundo o veterinário da vida selvagem Nihal Pushpakumara.

“Polietileno, embalagens de alimentos, plástico e água foram as únicas coisas que pudemos ver nas autópsias. A comida normal que os elefantes comem e digerem não era evidente”, disse.

O número de elefantes diminuiu de cerca de 14 mil no século XIX para seis mil em 2011, de acordo com o primeiro censo destes animais no país.

PUB
PUB
PUB

Elefantes deixam a reserva à procura de comida em aterros

As imagens captadas pelo drone da Reuters em 2020 mostram um cenário desolador: atraídos pelos restos de comida, por vezes chegam a estar entre 30 a 40 elefantes no mesmo local.

Os elefantes estão cada vez mais vulneráveis devido à perda e degradação do seu habitat natural. Todos os dias dezenas deixam a reserva natural no leste do Sri Lanka em busca de alimento em aterros sanitários.

Muitos aventuram-se para junto de localidades em busca de comida e alguns são mortos por caçadores furtivos ou agricultores furiosos com os danos nas suas plantações.

Os elefantes famintos procuram o lixo no aterro, consumindo plástico e objetos pontiagudos que danificam os seus sistemas digestivos”, disse Pushpakumara.

Os três maiores aterros do Sri Lanka estão localizados perto de áreas protegidas, por isso é comum ver as trompas destes animais entre pilhas de plástico, papel e outros resíduos, à procura de restos de plantas para as colocar na boca.

Em 2017, o governo anunciou que ia reciclar o lixo perto de zonas de vida selvagem para evitar que os elefantes consumam resíduos plásticos.

PUB
PUB
PUB

O governo anunciou também que iriam ser colocadas cercas elétricas em redor dos locais para manter os animais afastados, mas nenhuma das medidas foi totalmente implementada.

"Existem 54 aterros em zonas de vida selvagem em todo o país, com cerca de 300 elefantes perto", segundo autoridades.

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados