Câmara de Lisboa quer que este ano festas da cidade funcionem "a 100%", incluindo com marchas populares

Agência Lusa , BCE
10 jan, 20:17
Marchas de Lisboa apresentam-se no Meo Arena

Há dpis anos que a capital não se transforma em palco de arraias e marchas populares, devido à pandemia de covid-19

A Câmara de Lisboa prevê que este ano as festas da cidade “estejam a funcionar a 100%”, inclusive as marchas populares, após dois anos de interrupção devido à pandemia de covid-19, disse esta segunda-feira o vereador da Cultura.

“A Câmara Municipal de Lisboa, não obstante aquilo que é a situação pandémica e que esperemos não evolua no sentido negativo, quer obviamente este ano que as marchas populares voltem à rua, que as festas de Lisboa estejam a funcionar a 100%”, afirmou o vereador Diogo Moura (CDS-PP), no âmbito de uma audição sobre o orçamento municipal para 2022, realizada por videoconferência, com os deputados da Assembleia Municipal de Lisboa.

Diogo Moura, que tem a competência de acompanhamento da atividade da Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC), entidade municipal que organiza o concurso das marchas populares de Lisboa, realçou a ideia de “voltar a valorizar e a viver aquilo que são as tradições da cidade”.

“As marchas são o ponto alto, portanto também muito em breve iremos avançar com todos os procedimentos relativos às marchas populares”, indicou o vereador da Cultura.

Covid-19 motivou cancelamentos das festas da cidade

No âmbito da pandemia de covid-19, o município de Lisboa, sob a liderança de Fernando Medina (PS), cancelou as festas da cidade nos últimos dois anos, sem permitir a realização de arraiais, nem marchas populares. 

Este é o primeiro orçamento municipal do mandato 2021-2025, sob a presidência do social-democrata Carlos Moedas, em que a proposta apresentada prevê uma despesa de 1,16 mil milhões de euros.

Após a vitória nas eleições autárquicas de setembro de 2021 à frente da coligação “Novos Tempos” (PSD/CDS-PP/MPT/PPM/Aliança), Carlos Moedas (PSD) governa o município de Lisboa, mas sem maioria absoluta.

No atual mandato (2021-2025), o executivo é composto por sete eleitos pela coligação “Novos Tempos” (três do PSD, dois do CDS-PP e duas independentes), que são os únicos com pelouros atribuídos.

Fazem ainda parte do executivo sete eleitos pela coligação “Mais Lisboa” (cinco do PS, um do Livre e uma independente), dois da coligação PCP/PEV (ambos do PCP) e uma eleita pelo BE.

Relacionados

País

Mais País

Patrocinados