Calor extremo está a ter impacto no nosso bem-estar. E está prestes a piorar

CNN , Rachel Ramirez
31 ago, 12:40
Bom tempo (Lusa/Nuno Veiga)

Estudo global mostra impacto que o calor tem nas nossas vidas, quer nos apercebamos ou não disso

O calor extremo está a aumentar em todo o mundo e um novo estudo mostra que ele está a ter um impacto significativo não só na nossa saúde física mas também na nossa sensação de bem-estar.

Uma nova análise da consultora Gallup em colaboração com o Citi, partilhada em primeira mão com a CNN, revela que as pessoas que experimentaram calor extremo - dias significativamente mais quentes do que o normal - também relataram uma diminuição na sua sensação de bem-estar na mesma altura. Em média, a população global experimentou em 2020 três vezes mais dias de calor extremo do que em 2008, informa a Gallup, e o bem-estar diminuiu globalmente em 6,5% também nesse período.

Os investigadores também apuraram que, uma vez que a crise climática está a pressionar no sentido de temperaturas ainda mais quentes, o bem-estar global poderá diminuir mais 17% até ao final desta década.

"Este estudo é uma nova forma de ver como as alterações climáticas têm impacto nos seres humanos em todo o mundo", diz Nicole Willcoxon, diretora de investigação da Gallup para o projeto. "E embora existam muitos fatores que têm impacto no bem-estar das pessoas, este estudo demonstra que existe uma relação clara entre o aumento das temperaturas e o declínio na avaliação da vida".

O calor extremo tem sido implacável em todo o Hemisfério Norte este Verão. Em maio, o Paquistão e a Índia enfrentaram temperaturas abrasadoras que, segundo os cientistas, se tornarão 100 vezes mais prováveis à medida que a crise climática avança. Depois, em julho, a Europa e o Reino Unido enfrentaram um calor que bateu recordes. Ao mesmo tempo, as temperaturas abrasadoras continuam a rasgar por toda a China e partes dos Estados Unidos - incluindo o Ocidente, que se prepara para uma onda de calor escaldante esta semana.

O estudo global da Gallup mostra o impacto que o calor tem nas nossas vidas, quer nos apercebamos ou não disso.

Ao longo de 15 anos, a Gallup fez um inquérito a 1,75 milhões de pessoas em 160 países e questionou-as sobre o seu sentimento de bem-estar. Utilizando dados de temperatura da NASA, os investigadores analisaram o calor extremo nos 30 dias anteriores à entrevista e depois compararam-no com as suas respostas de avaliação de vida.

Um só dia de calor extremo foi associado a uma diminuição média do bem-estar de 0,56%.

"É um conjunto importante de conclusões que os líderes devem considerar ao avaliar o impacto das alterações climáticas", recomenda Willcoxon. "Penso que há um grande enfoque nos efeitos económicos, o enfoque no tipo de clima extremo que pode ocorrer - mas então, qual é o resultado disso e como é que as pessoas vão ser afetadas?”

Impacto desigual

O impacto no bem-estar é mais significativo entre as gerações mais velhas do que entre as gerações jovens, apuraram os investigadores Gallup, e entre os que vivem em países com economias em desenvolvimento - onde as pessoas estão menos equipadas para lidar com o impacto económico da crise climática - como a China e o Brasil. Ao longo da última década, estes países têm sido envolvidos por questões de justiça ambiental e por eventos climáticos extremos alimentados pelas alterações climáticas.

O relatório também observou que as pessoas que vivem nas regiões mais meridionais de muitas nações correm um risco crescente de temperaturas sufocantes e o declínio do bem-estar que lhes está associado, incluindo os residentes ao longo da costa do Golfo dos EUA, bem como a China, ambos os quais viveram pelo menos 10 dias de calor elevado no mês anterior a serem inquiridos.

Os investigadores também associaram temperaturas quentes e desastres relacionados, como a seca, a grandes conflitos e à insegurança alimentar – sendo que ambos podem impulsionar as pessoas dos países mais pobres e mais quentes a migrar para nações mais ricas em climas mais frios.

Quando a Gallup pesquisou a região do Delta do Rio Mekong no Vietname, por exemplo, viu os índices de vida diminuir 11% entre abril de 2015 e junho de 2016 - uma época em que a região sofreu a sua pior seca em décadas. À medida que a região secava, a intrusão da água salgada devido à subida do nível do mar devastou a sua terra de cultivo, o que aumentou a insegurança alimentar e exigiu um pesado tributo à saúde económica da região.

"A investigação climática [disponível] mostra que existe um risco claro de migração em massa, divisões sociais e desigualdades crescentes, potenciais crises alimentares e coisas do género", afirma Willcoxon. "Embora este estudo não tenha medido diretamente essas coisas, pensamos que é uma implicação clara da investigação [disponível] que mostra que se o bem-estar continuar a baixar aos níveis que projetamos, poderá exacerbar ainda mais estas questões, ou que é uma peça do puzzle que nos falta neste ponto do que é o preço humano".

A saúde mental num futuro mais quente

Embora o relatório tenha descoberto que o bem-estar poderia cair mais 17% nos próximos oito anos, os investigadores disseram que a previsão não tem em conta a capacidade do mundo para se adaptar à crise climática e recuperar de calor extremo.

Robbie Parks, epidemiologista ambiental e novo professor assistente na Escola de Clima da Universidade de Columbia, diz que a sondagem é uma forma eficaz de levar os decisores a "puxar as alavancas certas" sobre a ação climática.

"Embora as pessoas compreendam que as alterações climáticas são horríveis em tantas formas, quando as pessoas começam a compreender como elas afetam a sua vida quotidiana - e particularmente a sua saúde e bem-estar - acho que isso é realmente um bom estimulo para a motivação política para a ação e mudança", diz Parks, que não está envolvido na investigação, à CNN.

A Organização Meteorológica Mundial reportou recentemente a ocorrência de um evento meteorológico extremo todos os dias, em média, algures no mundo nos últimos 50 anos, um aumento de frequência cinco vezes maior ao longo desse período. E as sondagens têm ajudado a iluminar como o clima extremo e a degradação ambiental estão a afetar os estados de espírito. Um inquérito da Gallup nos EUA no início deste ano revelou que apenas 39% dos americanos estavam satisfeitos com a qualidade do ambiente nos EUA.

"Temos muito a construir", diz Willcoxon. "À medida que projetamos que vamos ver muito mais dias de temperaturas elevadas e acontecimentos climáticos extremos, olhar para isso e rastreá-lo ao longo do tempo, será realmente importante fornecer os dados de que os decisores políticos e líderes necessitam para ajudar a fornecer soluções para a questão".

Clima

Mais Clima

Patrocinados