Nunca foi à escola mas é um "adolescente normal". Eis o que aconteceu a Alex Batty durante os seis anos que esteve desaparecido

CNN Portugal , DCT
15 dez 2023, 17:30

Jovem britânico desapareceu em 2017 durante uma viagem com a mãe e o avô a Espanha

Alex Batty decidiu fugir de junto da mãe e do avô depois de ter sabido que iria mudar-se para a Finlândia. A revelação foi feita esta sexta-feira pelo Ministério Público de Toulouse, que deu novos detalhes sobre o desaparecimento do jovem britânico, que foi esta semana encontrado em França, depois de seis anos desaparecido.

Segundo o procurador francês Antoine Leroy, Alex Batty, agora com 17 anos e descrito como um “adolescente normal”, decidiu deixar a sua mãe, Melanie Batty, nas montanhas dos Pirenéus depois de ela o ter informado de que iriam mudar-se para a Finlândia, algo que o jovem não aceitou. Antes de chegarem à cordilheira que separa França de Espanha, Alex tinha estado com a mãe e também com o avô em Málaga e Marrocos em férias.

A mãe e o avô de Alex Batty seguiam um estilo de vida que implicava viajar entre países com grupos de dez pessoas, o que fez com que o jovem nunca tivesse sequer sido matriculada numa escola. No entanto, o procurador francês rejeita que o rapaz tenha crescido numa espécie de seita ou culto, mas descreve o ambiente em que cresceu como uma “comunidade espiritual”, avança a BBC.

Não sabemos se ele disse à mãe que queria deixar a comunidade”, disse Antoine Leroy, embora o adolescente tenha afirmado às autoridades francesas que a vontade de largar um estilo de vida nómada terá sido uma das razões pelas quais quis desaparecer.

Após ter deixado o local onde a mãe e o avô estavam, o jovem passou quatro dias e quatro noites a caminhar dos Pirenéus em direção a Toulouse, porém, não é conhecido o trajeto que fez, nem as regiões - espanholas e francesas - por onde andou. Sabe-se apenas que Toulouse, onde foi encontrado, era um destino em mente, uma vez que estava familiarizado com a cidade francesa. 

Ele percorreu um longo caminho regional”, disse o procurador, que revelou ainda que o jovem tinha 100 euros consigo no momento em que foi encontrado por um estudante de Medicina que trabalha como estafeta.

Foi através desse estudante que o jovem conseguiu obter ajuda, contando-lhe toda a história, para depois ser levado para uma cidade onde conseguiu comunicar com a avó.

Alex Batty deverá regressar ao Reino Unido ainda este fim de semana, mas a grande questão que agora se coloca é sobre o paradeiro da sua mãe, que é, de momento, desconhecido. As autoridades francesas crêem que Melanie Batty esteja na Finlândia, mas descartam o envolvimento em qualquer investigação, dizendo que a única que está em curso está a ser feita pelas autoridades britânicas.

Quanto ao avô, as autoridades francesas dizem que é possível que tenha falecido “há seis meses” e baseiam-se nos poucos relatos feitos pelo jovem  Alex Batty, que afirmou que não foi realizado qualquer funeral, mas que houve uma cerimónia na comunidade nos Pirinéus, dando a entender que manteve, de algum modo, contacto com aquele grupo de pessoas.

Alex Batty foi encontrado esta terça-feira em Toulouse depois de ter aceitado a boleia do estudante de Medicina. Numa longa viagem de carro, revelou a sua identidade e confessou que queria voltar para junto da sua avó, Susan Caruana, que detinha a sua guarda à data do desaparecimento e com quem já conversou por videochamada, como conta o The Guardian.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados