Volkswagen decide reavivar marca americana para vender SUV elétricos

CNN , Peter Valdes-Dapena
23 mar, 16:00
Scout Motors

Prevê-se que os veículos estejam à venda nos EUA no início de 2026, por 45 mil dólares (42 mil euros). Isso colocará o SUV em concorrência com o Tesla Model Y, o Ford Mach-E e, mais diretamente, o novo R2 SUV da Rivian, outro todo-o-terreno elétrico que deverá chegar ao mercado por volta da mesma altura

Quando a Volkswagen decidiu relançar a marca Scout SUV, deu um passo muito invulgar. Criou uma nova empresa subsidiária para conceber, construir e vender veículos destinados, quase exclusivamente, a um único mercado: os Estados Unidos.

O seu estatuto de filial do Grupo Volkswagen, semelhante ao da Audi e da Porsche, dá alguma indicação da importância deste projeto para a VW. A Scout Motors, renovada, apresentará a sua nova marca de SUVs eléctricos com capacidade para todo-o-terreno, mais ou menos como a Rivian.

Mas a VW está a apostar em algo que a Rivian não tem, uma história de fundo. Uma base de fãs ávidos na América lembra-se com carinho do Scout. Aqui, foi uma das marcas pioneiras de SUV, e os seus modelos originais são hoje peças de coleção.

Por isso, tal como está a fazer com o Volkswagen ID Buzz, uma atualização eléctrica da clássica carrinha hippie, a VW está a usar a nostalgia para chegar a uma nova geração de compradores de automóveis. Desta vez, porém, é uma coisa americana. Os alemães não iriam compreender. Ou pelo menos isso é o que se pode pensar.

"Compreendemos realmente o espírito americano, mas não só, também contribuímos ativamente para ele", afirmou Oliver Blume, presidente executivo do Grupo Volkswagen, ao falar sobre os resultados globais da empresa na quarta-feira. "O que é bastante promissor é o renascimento da marca de culto Scout. É assim que estamos a lançar as bases para uma marca de SUV e pickups eléctricas no maior e mais rentável segmento dos EUA".

Ainda assim, a Scout poderia ter sido introduzida como uma simples sub-marca, apenas um ou dois modelos, sob a popular marca VW. Em vez disso, a Scout está a lançar-se totalmente por conta própria.

"É uma decisão única, mas não me parece louca, especialmente para a Volkswagen, dado que se trata de um segmento em que não são tradicionalmente fortes ou bem conhecidos - e dado o reconhecimento da marca Scout nos Estados Unidos por parte dos entusiastas", disse Erin Keating, analista da indústria da Cox Automotive,

Mas embora a VW possa ter comprado o nome, o diretor executivo da nova empresa já está a criticar os concorrentes por não terem originalidade.

"Basicamente, todo o mercado de SUVs é uma imitação da Scout, não apenas o produto, mas também o nome", disse Scott Keogh, executivo-chefe da Scout. "Por isso, Trailblazer, Blazer, Discovery, 4Runner e Explorer, não param por aí. Basicamente, pegaram no nome Scout, fizeram uma pesquisa de sinónimos e usaram-no como resultado."

Os SUV e camiões Scout originais foram fabricados pela International Harvester nas décadas de 1960 e 70. Foram a incursão do fabricante de camiões comerciais no mercado dos veículos de passageiros. A VW passou a deter a marca registada da marca extinta em 2021, quando adquiriu a Navistar, uma empresa sucessora da International Harvester. Um ano mais tarde, a VW anunciou o planeado renascimento da Scout.

Potencial inexplorado

O Grupo VW tem uma quota de mercado de 5% nas vendas de veículos nos EUA, sendo que a marca Volkswagen representa um pouco menos de metade desse valor. O resto vem da Audi, Porsche, Bentley e um bocadinho da Lamborghini. Os executivos do Grupo Volkswagen referem-se frequentemente ao mercado norte-americano como uma fonte de "potencial inexplorado".

A Scout Motors pode ser uma peça fundamental para explorar parte desse potencial, segundo Dave Mondragon, um antigo executivo da Ford que é agora analista do sector na S&P Global Mobility. Mas a VW terá de dar alguns passos difíceis antes de lá chegar.

"Em primeiro lugar, atrair novos clientes para a sua marca que nunca a comprariam antes. Os concessionários gostam disso", escreveu ele num blogue no site da S&P. "Em segundo lugar, trata-se de manter os clientes que já estão no seu grupo, mas [que] podem sair porque não tem este tipo de veículos."

Até ao momento, a Scout Motors apenas mostrou imagens que sugerem o aspeto dos eventuais produtos. Scout Motors

Ainda não é claro exatamente como os veículos da Scout serão vendidos nos EUA. A Scout Motors ainda não anunciou se os veículos serão vendidos através de concessionários VW ou através de uma rede de concessionários totalmente distinta, ou mesmo diretamente ao cliente, à semelhança do que fazem empresas como a Rivian e a Tesla.

O diretor executivo da Scout, Keogh, que já foi diretor da Volkswagen North America, insiste que a Scout também é uma empresa em fase de arranque, apesar de pertencer a um dos maiores fabricantes de automóveis do mundo. Este estatuto, segundo ele, dá à Scout a flexibilidade para fazer o que for necessário.

"Sendo uma startup na posição em que estamos, desafiamo-nos a fazer pivots quase todos os dias", disse Keogh. "E temos essa capacidade, certo? Porque somos uma empresa em fase de arranque e somos magros. Não temos todas estas posições fixas."

Ser uma subsidiária separada também abre algumas opções para a VW partilhar os encargos financeiros e os riscos potenciais.

Uma OPV no futuro?

"Se quisermos procurar um investidor estratégico, se quisermos abordar os mercados de capitais, se quisermos ir para uma OPV [oferta pública de venda de ações em Bolsa], essas portas estratégicas estão abertas", disse Keough.

A Scout está a contratar para praticamente todos os cargos que se possa imaginar, disse ele, desde recursos humanos a produção e engenharia.

O mais surpreendente é que a Scout está a investir 2 mil milhões de dólares na sua própria fábrica. Os trabalhos de construção estão a decorrer em Blythewood, Carolina do Sul, onde, segundo Keogh, a Scout tem acesso a uma boa gama de fornecedores. A Volvo, a Mercedes e a BMW já têm fábricas estabelecidas há muito tempo na Carolina do Sul.

A empresa também tem o seu próprio centro de design em Novi, Michigan, com o seu próprio diretor de design, Chris Benjamin, que trabalhou anteriormente para a Mercedes, Volvo e Stellantis, proprietária da Jeep.

Os veículos eléctricos Scout misturarão elementos nostálgicos sem serem demasiado retro, insiste Keogh. Até agora, a empresa mostrou apenas imagens vagas de silhuetas do SUV e do camião. A empresa testou modelos mostrando apenas a forma geral aos clientes e o feedback tem sido bom, disse ele.

O novo Scout será diferente dos clássicos, é claro. Estes veículos terão tecnologia moderna e, o que é mais importante, serão totalmente eléctricos. Essa parte do plano não mudou, mesmo com o crescimento das vendas de veículos eléctricos no mercado dos EUA. Keogh disse que não está preocupado.

"Olho para as pessoas que possuem e conduzem veículos eléctricos e elas adoram-nos", afirmou Keogh.

A indústria enfrenta desafios com os custos das baterias e as infraestruturas de carregamento, admitiu, mas esses aspectos serão resolvidos. A empresa-mãe da Scout, a Volkswagen, está a construir a sua própria fábrica de baterias para veículos eléctricos no Canadá e um laboratório de engenharia de baterias em Chattanooga, no Tennessee. E a empresa de carregamento de veículos eléctricos Electrify America é também propriedade da VW.

Prevê-se que os veículos estejam à venda no início de 2026, custando cerca de 45 mil dólares (42 mil euros ao câmbio atual). Isso colocará o SUV em concorrência com o Tesla Model Y, o Ford Mach-E e, mais diretamente, o novo R2 SUV da Rivian, outro todo-o-terreno elétrico que deverá chegar ao mercado por volta da mesma altura.

Se há uma empresa que pode fazer isto e fazê-lo funcionar, é a Volkswagen, disse Keating, que já trabalhou para a VW. A empresa gere com êxito uma série de marcas diferentes em todo o mundo, muitas vezes adaptadas aos diferentes mercados. A VW chegou mesmo a relançar a Bugatti a partir de, literalmente, nada mais do que uma marca registada fora de uso.

Empresas

Mais Empresas

Mais Lidas

Patrocinados