Visitou todos os cantos da Terra e sentiu-se "perdido" no fim. Mas voltou a desafiar-se e voltou a amar a vida

CNN , Richard Collett
17 mar, 17:00
Johnny Ward, o primeiro irlandês a visitar todos os países do mundo (CNN)

Johnny Ward tornou-se o primeiro irlandês a visitar todos os países do mundo, em 2017. "Sempre quis ser livre. E inicialmente pensei que o mais livre que se pode ser é visitar todos os países", conta à CNN. Com este objetivo cumprido, rapidamente encontrou um outro para o substituir

De pé no Pólo Sul, no início do ano, com o vento a fustigar a Antártida, o blogger de viagens Johnny Ward sentiu uma onda de alívio.

Apenas uma semana antes, no início de janeiro de 2024, tinha lutado através da neve e do gelo para chegar ao topo do monte Vinson, o pico mais alto da Antártida.

Anos antes, em 2017, tinha-se tornado o primeiro irlandês a visitar todos os países do mundo.

Agora, após décadas de viagens e de montanhismo, Ward pode declarar outra estreia mundial - o Ultimate Explorers Grand Slam, que envolve atingir o pico mais alto de todos os continentes e visitar os pólos Norte e Sul, para além de visitar todos os países.

Objetivo de vida

O explorador irlandês Johnny Ward escalou os sete cumes, alcançou os pólos Norte e Sul e visitou todos os países do mundo. (Cortesia de Johnny Ward)

"Sinto-me aliviado", disse Ward à CNN Travel, enquanto regressava lentamente a sua casa na Tailândia, depois de ter conquistado o monte Vinson (4.892 metros de altura) e de ter pisado o Pólo Sul.

"Mas também tenho consciência de que sou um homem normal, não um atleta de classe mundial, por isso acho que foi mais uma questão de resiliência e determinação do que de qualquer outra capacidade".

Ward já tinha dedicado uma década da sua vida, entre 2007 e 2017, a visitar todos os países do mundo (a contagem de Ward inclui todas as 193 nações reconhecidas pela ONU, mais o Vaticano, os territórios palestinianos, Taiwan e o Kosovo).

A incrível viagem viu-o apanhar boleia num navio porta-contentores de Omã até Socotra, no Iémen, viajar por terra do Cairo até à Cidade do Cabo e viajar da Coreia do Sul até à Austrália de autocarro e barco.

"Sempre quis ser livre. E inicialmente pensei que o mais livre que se pode ser é visitar todos os países", disse.

"Quando me aproximei dos 100 países, estabeleci o objetivo de ser o primeiro irlandês a visitar todos os países e, nessa altura, um dos mais jovens a consegui-lo".

Mas depois de ter conseguido visitar todos os países do mundo, Ward afirma que entrou em parafuso.

"Tinha sido um grande objetivo de vida, mais de uma década da minha vida, e quando o terminei fiquei um pouco perdido", conta.

"Comecei a comer mal, a beber demasiado, a engordar e ignorei a minha atividade".

Ward decidiu que a melhor forma de ultrapassar esta situação era desafiar-se a si próprio novamente.

Começou a correr ultramaratonas e a escalar montanhas e rapidamente descobriu que, com uma direção e um objetivo extremos, voltou a amar a vida.

"Por isso, limitei-me a correr", explicou. "Achei que se vais correr, corre a corrida mais difícil do mundo. E se vais escalar montanhas, põe os olhos no Evereste".

Sendo já uma das cerca de 250 pessoas que visitaram todos os países do mundo, Ward pôs os olhos numa outra incrível conquista, o Explorers Grand Slam.

Para completar este desafio, os aventureiros têm de visitar os pólos Norte e Sul e escalar o cume mais alto dos sete continentes - incluindo o Monte Evereste, o Monte Denali e o Monte Kilimanjaro - uma proeza que apenas cerca de 70 pessoas terão alguma vez completado.

Desafio dispendioso

Ward a andar de bicicleta no sudeste asiático, enquanto completa o épico desafio de visitar todos os países do mundo. (Cortesia de Johnny Ward)

Quando Ward se apercebeu de que talvez pudesse tornar-se a primeira pessoa no mundo a visitar todos os países do mundo e a completar o Grand Slam dos Exploradores, não hesitou e passou sete anos a fazer montanhismo para atingir o seu objetivo.

"Ser o primeiro?", disse Ward, depois de completar o que agora chama de The Ultimate Explorers Grand Slam.

"Uma loucura. Vou agora criar um site para ajudar os outros e, com sorte, não serei o único durante muito tempo".

Segundo Ward, o aspeto mais difícil destes desafios não foi necessariamente a logística, o treino ou a condição física, mas sim ter o dinheiro para os enfrentar.

Visitar todos os países do mundo já era suficientemente dispendioso por si só, mas escalar o Monte Evereste custou a Ward 77.000 dólares (aproximadamente 70.000 euros) e esse era apenas um dos sete picos que tinha de escalar.

Depois de pago, ainda teve de gastar grandes quantias para visitar o Pólo Norte e o Pólo Sul.

Ward conseguiu financiar as suas viagens através do seu espírito empresarial. A vida que tem atualmente é algo que nunca teria imaginado quando era criança.

Nascido em Galway, na Irlanda, contou à CNN Travel como questões domésticas o obrigaram, a ele, à mãe e à irmã, a mudar os seus nomes e a fugir para a Irlanda do Norte - parte do Reino Unido - onde viria a crescer, enquanto o pai estava na prisão.

"Passámos os dez anos seguintes a viver da assistência social", conta Ward. "Lembro-me sempre dos meus amigos da escola que iam de férias para Espanha ou para a Flórida e de ficar com muita inveja”.

"Talvez tenha sido isso que acendeu a faísca das viagens em mim e, assim que acabei a universidade, apanhei um voo menos de 12 horas depois. Com um pouco de ressaca, aterrei em Nova Iorque e nunca mais voltei a viver no Reino Unido ou na Irlanda".

Para pagar as suas viagens, ensinou inglês na Tailândia e na Coreia do Sul, trabalhou na Austrália e até se inscreveu numa investigação médica.

Entretanto, lançou o One Step 4 Ward, um blogue de viagens de enorme sucesso, que o transformou num milionário.

"Não sei se o que fiz é particularmente importante por si só", disse Ward com franqueza.

"Clube épico”

A dar um passeio no comboio de minério de ferro, Iron Ore Train, na Mauritânia, situada na costa atlântica de África. (Cortesia de Johnny Ward)

"Mas penso que é uma boa mensagem de que, vindo de um meio como o meu, as pessoas como eu também podem fazer coisas muito fixes com a sua vida”.

"Não é preciso ter uma família rica ou a escolaridade certa. Qualquer pessoa pode realizar os seus sonhos".

Chamar a Ward uma pessoa motivada seria um eufemismo - ele decidiu casualmente correr uma maratona na Antártica enquanto esperava que o tempo melhorasse para a sua viagem ao Pólo Sul.

Agora espera não voltar a cair em maus hábitos, depois de completar o último dos desafios da sua lista de desejos.

À medida que a comunidade de viajantes se torna mais competitiva - a pessoa mais jovem a visitar todos os países do mundo tinha apenas 21 anos quando o fez - desafios como este tornaram-se não só mais difíceis, mas também mais extravagantes e mais caros.

Então, para onde irá o Ward a seguir, por exemplo? Ao espaço? O fundo da Fossa das Marianas, o ponto mais profundo do oceano? Ou será que ele vai percorrer todos os países do mundo outra vez?

Viagens

Mais Viagens

Na SELFIE

Mais Lidas

Patrocinados