Pelo menos três portugueses entre os 4.000 afetados pelo mau tempo na Venezuela

Agência Lusa , AM
23 out, 08:38
Chuvas torrenciais em Tejerias, Venezuela (AP)

Autoridades declararam recentemente o estado de emergência devido ao mau tempo em Clarines

Pelo menos três portugueses viram as suas casas afetadas por inundações no município de Manuel Esequiel Bruzual, em Clarines (Anzoátegui, 250 quilómetros a leste de Caracas) onde as autoridades declararam recentemente o estado de emergência devido ao mau tempo.

“Até agora sabemos de muitos conhecidos que foram afetados, de compatriotas, de momento sabemos que há pelo menos três portugueses”, explicaram fontes da comunidade portuguesa local.

Segundo as fontes, os afetados, dois homens e uma mulher, estão “resguardados” em dois abrigos criados pelas autoridades venezuelanas à espera que baixe o nível das águas para ver se há condições para regressarem às suas casas.

A mulher afetada é uma conhecida professora que dá aulas de português a crianças de 04 a 12 anos na Escola Estadual Pedro António Medina de Clarines.

Segundo o governador de Anzoátegui, Luís Marcano, “pelo menos 10% das 7.000 casas” que existem entre as cidades de Clarines e Onoto “sofreram inundações”.

“Há quase 4.000 pessoas afetadas, a maioria das quais decidiu ficar nas casas de familiares e amigos, enquanto quase 300 pessoas estão a ser atendidas em abrigos. A situação neste momento é de uma ligeira diminuição dos níveis do rio Unare, e esperamos que continue a diminuir”, disse Luís Marçano.

Segundo o governador, as autoridades estão a “concentrar-se na atenção social às pessoas afetadas”.

“Para evitar mais danos, o tráfego desde Unare até Clarines pela ‘troncal 9’ [estrada] permanece encerrado até as águas recuarem, enquanto o desvio de Águas Calientes continua a ser utilizado”, explicou.

Várias pessoas explicaram à agência Lusa que devido à situação os motoristas estão impedidos de usar a principal estrada até Caracas e que alguns autocarros estão a optar por transitar junto às praias de Anzoátegui, principalmente quem segue do vizinho estado de Bolívar (a sul).

Em 12 de outubro, as autoridades venezuelanas declararam o estado de emergência devido a inundações no município de Manuel Esequiel Bruzual, em Clarines, a leste de Caracas, numa localidade onde reside um importante número de portugueses.

“É declarado o estado de emergência em toda a jurisdição (…) como consequência das intensas e recorrentes chuvas por um período de 90 dias, que podem ser prorrogados por igual período”, de acordo com um decreto, publicado pela presidente da Câmara Municipal de Manuel Esequiel Bruzual.

No decreto, Ingrid Cortez ordenou à direção municipal de Proteção Civil e Administração de Desastres que elabore “um Plano de Ação Específico para o retorno à normalidade das áreas afetadas pelas chuvas torrenciais”.

No decreto é ordenado ainda a adoção de medidas especiais em matéria de segurança dos cidadãos.

As autoridades locais indicaram que a subida do nível dos rios Unare, Guanapure e Guere originaram inundações, que causaram danos nas habitações das pessoas.

Entretanto, utilizadores das redes sociais divulgaram imagens das inundações em várias zonas e pediram cuidado aos motoristas por a ponte que une Clarines à estrada para Caracas estar intransitável devido à altura da água.

A estrada que liga Caracas a Barcelona (estado de Anzoátegui) passa primeiro por Clarines.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados