“Porque é que esta guerra tem sido travada como se vivêssemos na Idade Média?”

3 jun, 04:08
Cidade de Kherson, na Ucrânia (AP Photos)

“A Rússia tem muitas armas de guerra modernas e sofisticadas", mas usa táticas da Idade Média contra a população ucraniana, acusa embaixador norte-americano. Objetivo: matar ou expulsar os ucranianos para anexar os seus territórios

A Rússia está a atacar a Ucrânia como faziam as potências invasoras na Idade Média, matando civis em grande escala, destruindo habitações, forçando deslocações em massa e pilhando comida e outros recursos nos territórios ocupados. A acusação é do representante permanente dos EUA junto da Organização de Segurança e Cooperação da Europa (OSCE), Michael Carpenter.

“Quinze semanas de brutalidade. Quinze semanas de atrocidades. Quinze semanas de violência, com tantos relatos de execuções, deportações forçadas, violações, campos de filtragem, e destruição, que se está a tornar difícil compreender plenamente a enormidade da carnificina que está a ser perpetrada pela Federação Russa. E após quinze longas semanas, ainda não há fim à vista para os horrores que a Rússia desencadeou deliberadamente sobre a população civil da Ucrânia”, disse Carpenter ontem, durante uma reunião do Conselho Permanente da OSCE, em Viena.

O embaixador norte-americano apontou o contraste entre as táticas medievais que estão a ser seguidas pelos invasores, e a sua capacidade tecnológica, com armamento de ponta. “A Rússia tem muitas armas de guerra modernas e sofisticadas: mísseis de cruzeiro que percorrem o terreno por centenas de quilómetros até atingirem o seu alvo com uma precisão espantosa.  Tem munições guiadas de precisão que podem ser disparadas do ar, do mar e da terra.  Então, porque é que esta guerra tem sido travada como se vivêssemos na Idade Média?”, questionou Carpenter.

“Relatos generalizados de violência sexual, de ameaças de cortar os genitais e de ataques a maternidades - estes não são os elementos de uma campanha militar moderna concebida para ganhar ‘corações e mentes’", insistiu o representante norte-americano. 

Na sua análise, este contraste não é um acaso, e a barbárie da Idade das Trevas imposta pela Rússia tem um objetivo muito preciso: a Rússia quer forçar os civis ucranianos a fugir das suas casas, a abandonar o território ocupado, e assim ver-se livre da população local, para poder reclamá-la como território russo. 

“Se se quisesse que estas pessoas de repente empacotassem os seus pertences num saco de lona e partissem imediatamente, então a selvageria serviria o propósito.  Se o objectivo do Kremlin fosse livrar-se da população local e substituí-la por súbditos mais leais, ou aqueles que não se atrevem a questionar a legitimidade das forças de ocupação, então a barbárie começa a fazer muito mais sentido.”

 

“Outra tática medieval”: pilhar alimentos e recursos

 

Para Carpenter, tornou-se evidente que “a horrível campanha de destruição e horror da Rússia não é aleatória.  As atrocidades sádicas e o processo muito deliberado de ‘filtragem’ [de pessoas] podem muito bem servir um propósito. Particularmente se esse propósito fosse negar o próprio conceito de Estado ucraniano nas áreas que a Rússia atualmente controla, para que estas partes da Ucrânia pudessem ser mais facilmente absorvidas pela Rússia.”

A prova desta intenção é o facto de a Rússia estar há três meses a operacionalizar esta estratégia em Kherson.  “A Federação Russa acelerou a emissão de passaportes russos para cidadãos ucranianos, removeu funcionários ucranianos legítimos, democraticamente eleitos, e forçou os residentes a adoptar o rublo russo sobre a moeda ucraniana. (...) Os políticos russos não escondem os seus objectivos.  Um membro do Conselho da Federação Russa foi citado ontem, ainda ontem, ao dizer que pensa que ‘todos os territórios controlados pela Rússia têm muito boas hipóteses de se reunirem com a Federação Russa’". 

Outra forma medieval de conseguir o mesmo objetivo de deslocar a população de um território, para melhor o controlar, é o roubo de comida e outros bens, notou o embaixador dos EUA. “Os alimentos e medicamentos tornaram-se escassos após a Rússia ter apreendido cereais de agricultores locais para que pudessem ser enviados para a Rússia ou exportados para o estrangeiro com fins lucrativos. A Rússia não só tem continuamente recusado abrir corredores humanitários para Kherson para aliviar a escassez de alimentos e medicamentos; os seus soldados estão alegadamente a confiscar qualquer ajuda que se dirija para a cidade. Pilhar uma terra dos seus recursos até que a população local não tenha outra opção senão fugir é outra tática medieval.”

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados