Por sorte ou com muito trabalho. Conheça 15 descobertas extraordinárias de 2022

CNN , Jacqui Palumbo
31 dez 2022, 16:00
15 descobertas fascinantes

Podemos sonhar com ganhar a lotaria, mas porque não com encontrar uma aliança de casamento da era medieval no quintal, ou mosaicos da era bizantina na quinta?

Pessoas comuns juntaram-se a arqueólogos e conservadores de arte ao encontrarem algumas das descobertas mais emocionantes do ano. Entre elas está um autorretrato de Van Gogh, escondido atrás de uma pintura, uma vasta cidade romana soterrada, e um túnel secreto para pode ligar ao túmulo secreto de Cleópatra.

Conheça as descobertas mais emocionantes de arte e arqueologia em 2022.

Antigo método de castigo dos 'alunos malcomportados' reaparece

Quando os jovens do Antigo Egito eram disciplinados com o castigo de escreverem linhas há dois mil anos, provavelmente não esperavam que o seu esforço sobrevivesse tempo suficiente para nós vermos.

Foram encontradas centenas destas tábuas, com o mesmo símbolo habitualmente escrito atrás e à frente. Créditos: Projeto Athribis - Tübingen

Mas os arqueólogos descobriram 18 mil artigos de olaria com inscrições – conhecidos como "ostraca" — no sítio de Athribis no início deste ano e, entre eles, havia centenas de fragmentos com um único símbolo repetido à frente e atrás. Esses rabiscos são a prova de que os "alunos malcomportados" eram obrigados a escrever linhas, segundo os investigadores da universidade de Tübingen, na Alemanha, que levaram a cabo a escavação — por outras palavras, eram os Bart Simpsons do Vale do Nilo. Os fragmentos também incluíam recibos, textos escolares, informação comercial e listas de nomes.

Uma possível pista para o túmulo há muito perdido de Cleópatra

Descobrir o túmulo perdido de Cleópatra seria o “Santo Graal” para os arqueólogos, e uma equipa da Universidade de Santo Domingo pode ter encontrado a entrada. Em novembro, o Ministério do Turismo e das Antiguidades do Egito anunciou que a equipa tinha localizado um túnel com 1305 metros, localizado a mais de 12 metros abaixo da superfície, num sítio nas imediações de um templo na cidade em ruínas de Taposiris Magna, durante uma prolongada caça ao local do enterro da antiga dirigente.

Uma rede de túneis sob o templo do Taposiris Magna pode levar ao local de descanso final de Cleópatra. Créditos: Khaled El-Fiqi/EPA/Shutterstock

Até ao momento, a escavação no Egito encontrou mais de 1500 objetos, incluindo estátuas e moedas, segundo a arqueóloga Katherine Martinez, que falou com a CNN, mas "a descoberta mais interessante é o complexo de túneis que levam ao Mar Mediterrâneo e a estruturas afundadas" — que vão continuar a escavar.

Van Gogh espreita em retrato escondido

Há mais um autorretrato de Van Gogh conhecido no mundo, e estava escondido por baixo da pintura de uma camponesa. Na Escócia, conservadores de arte fizeram a descoberta quando radiografaram um retrato de 1885 e descobriram a cara do próprio artista por trás de camadas de cartão e cola. Apesar de os raios-X muitas vezes revelarem as alterações que os artistas fazem às suas composições, o autorretrato completo do artista holandês foi uma grande surpresa. É conhecido que Van Gogh reutilizava telas para poupar dinheiro, segundo a Galeria Nacional da Escócia (NGS), onde a descoberta foi feita.

Uma radiografia que mostra o autorretrato de Van Gogh junto à obra de arte que o esconde. Créditos: Neil Hanna

"Os momentos como este são incrivelmente raros", disse Frances Fowle, curador principal de arte francesa na NGS, num comunicado de imprensa a divulgar a notícia.

Está ainda por ver se o autorretrato pode ser separado em segurança da pintura, uma vez que os conservadores continuam a estudar a obra.

Uma lembrança romântica encontrada por mera sorte

No interior inglês, um homem que dava os primeiros passos na deteção de metais deparou-se com uma aliança de casamento medieval em ouro e diamantes na segunda tentativa. A espantosa descoberta de David Board — que ele primeiro pensou tratar-se de "sucata", segundo disse à CNN — remonta a 2019, mas chegou ao conhecimento do público neste outono, antes de ser vendida na Noonans.

Um iniciante na deteção de metais encontrou este anel de ouro e diamantes na segunda tentativa. Créditos: Noonans

A joia conta com duas tiras entrelaçadas para simbolizar a união matrimonial e um diamante invertido. Dentro da aliança há uma inscrição em francês medieval a dizer: "Ieo vos tien foi tenes le moy", o que traduzido significa: "eu tenho a tua fé, tu tens a minha", segundo nos disse a leiloeira. O anel foi vendido por 38 mil libras a 29 de novembro.

Os banhos termais revelam os seus fantasmas

Este outono, surgiram convidados inesperados nuns banhos termais na Toscânia — mais de duas dezenas de estátuas de bronze da Roma Antiga cobertas por quase 6 mil moedas.

As estátuas bem preservadas, que representam divindades greco-romanas incluindo Apolo e Hígia, foram descobertas na localidade de San Casciano dei Bagni, no topo de uma colina na província de Siena. Há três anos que os arqueólogos escavam o sítio lamacento de uma antiga casa de banhos.

Uma recém-descoberta estátua de bronze com 2300 anos — uma entre duas dezenas encontradas nuns banhos termais na Toscânia. Créditos: Ministério Italiano da Cultura /Reuters

Jacopo Tabolli, professor assistente da Universidade para Estrangeiros em Sienawho coordenou a escavação e disse que as estátuas foram mergulhadas intencionalmente na água como oferenda ritual, algures entre o século II a.C. e o século I d.C..

"Davam à água porque esperavam que a água lhes desse algo de volta", explicou ele à Reuters na altura.

Espelho banal revela segredo espantoso

Um despretensioso espelho em bronze guardado numa arrecadação no Museu de Arte de Cincinnati revelou ser um objeto incrivelmente raro com um segredo “mágico — quando lhe é apontada uma luz direta, surge uma imagem do Buda sentado.

 

Um “espelho mágico” com 400 anos revela uma imagem de Buda quando lhe é apontada uma luz de uma forma específica. Créditos: Rob Deslongchamps/Cincinnati Art Museum

No museu, a curadora de arte do leste asiático, Hou-mei Sung, fez a descoberta em 2021 com base num palpite, quando reparou que o espelho se parecia com outros exemplares de “espelhos mágicos” do período Edo no Japão. Ela e um conservador apontaram a lanterna de um telemóvel ao objeto, o que começou por mostrar uma imagem desinteressante com alguma textura na parede à frente deles. Após fazerem experiências com mais luzes concentradas, foi revelada uma imagem clara de Amitabha, cujo nome está inscrito nas costas do espelho em chinês.

"Ficámos muito empolgados", disse Sung à CNN em julho, quando o museu anunciou a descoberta. Há poucas instituições no mundo que têm um espelho mágico nas suas coleções.

Investigadores de arte reconsideram um Vermeer famoso

O que torna um Vermeer um Vermeer? Quando os investigadores realizaram um estudo profundo de várias pinturas notáveis do mestre holandês Johannes Vermeer, descobriram que uma delas — "Rapariga com Flauta" — tinha sido erradamente atribuída ao pintor ou era uma falsificação. A pintura despromovida foi provavelmente feita no estúdio do artista, mas por um assistente, um aprendiz ou um familiar.

"Rapariga com Flauta" pode ter sido pintado por um assistente de Vermeer ou por um familiar. Créditos: Galeria Nacional de Arte

Marjorie Wieseman, diretora de pintura do norte da Europa na Galeria Nacional de Arte em Washington, DC, que apresentou as conclusões na exposição "Vermeer's Secrets", disse ao “The Art Newspaper” que o retrato pode ter sido uma obra da filha mais velha do artista, Maria.

Enorme diamante rosa encontrado numa mina em Angola

Neste verão, a empresa mineira australiana Lucapa Diamond Company anunciou que pode ter encontrado o maior diamante rosa dos últimos 300 anos. A pedra preciosa de 170 quilates, alcunhada “Rosa de Lulo”, foi encontrada em Angola e homenageada pelo governo como uma descoberta “histórica”.

Este diamante rosa pode ser o maior descoberto nos últimos 300 anos. Créditos: Lucapa Diamond Company

Os diamantes rosa, mais raros do que os seus congéneres brancos, chegam a atingir valores exorbitantes em leilão. O diamante rosa laminado com 11,15 quilates, denominado "Williamson Pink Star", foi vendido por quase 60 milhões de dólares em outubro, enquanto todos os recordes foram superados em 2017, quando o "Pink Star Diamond", um diamante lapidado do tamanho de um morango, com 59,60 quilates foi vendido por mais de 71 milhões de dólares.

Hércules aparece inesperadamente

Em setembro, os arqueólogos concluíram uma escavação que revelou grandes pedaços de uma representação jovem do herói mitológico Hércules — também conhecido como Héracles — em Philippi no nordeste da Grécia.

Grandes pedaços de uma estátua de Hércules descobertos no nordeste da Grécia. Créditos: Ministério da Cultura

A estátua clássica (que remonta ao século II d.C.) foi uma descoberta "extraordinariamente interessante" e invulgar, segundo Archie Dunn, professor de arqueologia bizantina na Universidade de Birmingham, que não esteve envolvido na escavação. Supondo-se ser uma peça decorativa numa fonte, a estátua seria um ornamento raro para aquela época, sobretudo devido às suas “origens pagãs”, explicou o professor.

Agricultor encontra mosaico bizantino em Gaza

Um agricultor palestiniano ficou perplexo na primavera passada porque as árvores não criavam raízes num pedaço da sua terra — por isso, ele e o filho começaram a escavar e encontraram algo inteiramente inesperado. O mosaico intacto da era bizantina que descobriram apresenta animais coloridos e padrões complexos, e está localizado no seu olival no campo de refugiados de Bureij.

Em Gaza, um agricultor e o filho (na foto) descobriram este mosaico. Créditos: Ibrahim Dahman/CNN

"Pesquisei na internet... Descobrimos que era um mosaico da era bizantina”, disse o pai, Salman al-Nabahin, à Reuters em setembro. "Vejo-o como um tesouro, mais do que um tesouro. Não é privado, pertence a todos os palestinianos."

Gravuras assírias encontradas após passagem do ISIS

Quando os arqueólogos começaram o trabalho de reconstrução da Porta Mashki, ou "Porta de Deus", que tinha sido arrasada em Nineveh, no Iraque, destruída por militantes do ISIS, não esperavam encontrar antigas gravuras assírias conservadas por baixo das ruínas. A equipa de escavação encontrou sete lajes de mármore com imagens de soldados assírios, palmeiras, romãzeiras e figueiras que fizeram em tempo parte do palácio do Rei Sennacherib, que governou a partir de Nineveh por volta de 700 a.C. e mandou construir a porta.

Trabalhos de reconstrução da Porta Mashki levaram à descoberta destas gravuras antigas. Créditos: Zaid al-Obeidi/AFP/Getty Images

"Todos ficámos perplexos e sem palavras. Parecia um sonho", disse o arqueólogo Michael Danti à CNN em outubro. "Ninguém previu que iríamos encontrar relevos de Sennacherib numa porta da cidade."

Reaparece a joia de uma poderosa mulher anglo-saxónica

Em abril, arqueólogos descobriram o sítio onde foi enterrada uma mulher importante no condado de Northamptonshire, em Inglaterra, há cerca de 13 séculos, em terrenos que estavam assinalados para construção de habitações. Ela deixou um espantoso colar em ouro, granada e outras pedras semipreciosas, juntamente com outros artefactos, incluindo uma grande cruz em prata e louça de barro decorada.

O colar de uma mulher poderosa reconstruído 13 séculos após ela ter sido enterrada. Créditos: MOLA/Hugh Gatt

Quem era ela? A equipa de investigação não sabe ao certo, mas sabe que ela era poderosa e devota, possivelmente uma princesa ou abadessa. A descoberta junta-se a cerca de uma dezena de sepulturas de mulheres de alto estatuto encontradas por todo o país, tendo algumas sepulturas revelado colares semelhantes.

Câmara secreta revela arte antiga

Cerca de cinco anos após ladrões terem entrado numa câmara secreta quase 30 metros abaixo de uma casa no sudeste da Turquia (tendo depois sido apanhados), os arqueólogos descobriram que o complexo da Idade do Ferro contém arte antiga que ilustra importantes trocas culturais.

Obras figurativas do século IX a.C. mostram uma procissão de deuses. Créditos: M. Önal

Em maio, a equipa partilhou as suas conclusões, detalhando uma obra inacabada esculpida numa parede rochosa do século IX a.C. a mostrar uma procissão de divindades. Feita durante o reinado do Império Neo-Assírio, que teve início na Mesopotâmia e se espalhou, esta ilustração mostra a fusão de culturas em vez da conquista, de acordo com o estudo.

Uma vasta cidade romana encontrada no Reino Unido

A construção do HS2, um projeto ferroviário de alta-velocidade em Inglaterra, levou inadvertidamente a uma das descobertas mais emocionantes do ano — os restos de uma povoação mercantil romana perto de Northamptonshire. A descoberta feita em janeiro inclui uma estrada e mais de 30 casas redondas, bem como oficinas, fornos, poços, joias, cosmética, olaria e mais de 300 moedas romanas.

Uma imagem aérea do sítio arqueológico romano de Blackgrounds. Créditos: Cortesia HS2 Ltd

Devido ao achado, acredita-se que o local, conhecido como Blackgrounds, albergou outrora uma "zona fervilhante e agitada", segundo um comunicado de imprensa, onde havia comércios, indústria e habitantes abastados.

Mais um tesouro vindo de Sanxingdui

Desde que um agricultou encontrou por acaso uma zona rica em artefactos há um século — no atualmente chamado sítio arqueológico de Sanxingdui — o lote de terreno com 12 km2 já rendeu milhares de relíquias. A remessa mais recente, comunicada pela imprensa estatal chinesa em junho, inclui 3155 objetos, entre eles uma caixa em forma de concha de tartaruga e um altar sacrificial.

Um altar em bronze escavado em Sanxingdui. Créditos: Wang Xi/Agência Noticiosa Xinhua/Getty Images

Uma equipas de várias instituições tem escavado seis fossos sacrificiais, tendo encontrado mais de 13 mil objetos até agora. No ano passado, os objetos encontrados incluíam uma máscara dourada, relíquias em marfim e uma faca em jade. A cultura Sanxingdui continua envolta em mistério, pois não deixou ficar quaisquer registos escritos nem restos humanos, apesar de muitos acreditarem que fazia parte do antigo reino de Shu, que regia ao longo da margem m superior do Rio Yangtze até à sua conquista em 316 a.C..

Imagem do topo: Pedaços do colar de uma mulher anglo-saxónica influente.

Artes

Mais Artes

Mais Lidas

Patrocinados