"Um bocado tosco". Taxistas saem insatisfeitos de reunião com comissários europeus em Bruxelas

Agência Lusa , FMC
8 set, 20:04
Taxi de Lisboa

“As respostas não foram satisfatórias. Foram evasivas e infantis", disse Carlos Ramos, presidente da Federação Portuguesa de Táxi

O presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FPT), Carlos Ramos, manifestou-se insatisfeito com as respostas dadas pela Comissão Europeia aos taxistas que se manifestaram esta quinta-feira em Bruxelas na sequência do caso “Uber Files”.

Milhares de táxis, entre os quais portugueses, concentraram-se esta quinta-feira, pelas 09:00, junto à sede da Comissão Europeia, em Bruxelas (Bélgica), para exigir que seja feita uma investigação a eventuais atos ilícitos cometidos pela multinacional norte-americana.

Representantes de taxistas de vários países da Europa e da América Latina foram esta tarde recebidos pela comissária europeia dos Transportes, Adina Vălean, e pela comissária da Coesão Social, Elisa Ferreira, mas, segundo adiantou à agência Lusa o presidente da Federação Portuguesa de Táxi, Carlos Ramos, as respostas dadas foram “toscas e infantis”.

“As respostas não foram satisfatórias. Foram evasivas e infantis. À pergunta ‘como podemos concorrer com uma empresa que todos os anos apresenta milhares de prejuízos, porque faz dumping (prática de venda de produtos ou serviços a preços muito abaixo do valor de mercado)’, a comissária disse que não podia responder porque não estava presente a comissária da Concorrência (Margrethe Vestager). Isso é um bocado tosco”, observou Carlos Ramos.

O presidente da FPT disse ainda que os taxistas vão tentar perceber os contornos de uma recomendação que, segundo eles, “vai liberalizar o setor do táxi”.

“Sobre essa questão, a resposta é que aquilo não é uma recomendação, mas sim uma mera nota. Se assim é, que se anule essa nota”, defendeu.

Face à ausência de respostas, Carlos Ramos adiantou que o grupo de taxistas que promoveu esta manifestação em Bruxelas reúne-se na sexta-feira para discutir novas formas de luta.

“Nós amanhã [sexta-feira] vamos reunir e vamos, naturalmente, dar seguimento ao que se passou esta quinta-feira. Não podemos ficar por aqui. Vamos estudar outras formas de luta porque nós não ficamos satisfeitos com isso”, apontou.

“Quando acabou a conferência e estava a cabeça da manifestação a chegar ao parlamento, a polícia deteve, durante uma hora, o nosso principal represente. Foi para nos destabilizar”, lamentou.

No dia 10 de julho passado, um trabalho do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (CIJI) revelou que a empresa norte-americana Uber concebeu uma estratégia de expansão que recorreu a lóbi político junto de governos, mas também formas ilícitas para ludibriar autoridades.

A investigação “Uber Files” envolveu 40 meios de comunicação em 29 países (Portugal não está nesta lista de ‘media partners’, embora o caso português tenha sido abordado) e analisou mais de 124 mil documentos.

No final, concluiu que, entre 2013 e 2017, o então CEO da plataforma de transporte, Travis Kalanick, deu aval a uma estratégia (inclusive em Portugal) que explorava a violência contra motoristas da Uber para promover a imagem da empresa contra os taxistas e os governos que criavam problemas ao seu negócio.

O plano começou a ser desenhado em 2015, quando os estrategos da empresa norte-americana perceberam que poderiam beneficiar com os atos de violência contra os motoristas, ganhando a simpatia da opinião pública, foi referido.

A investigação citou um dos lobistas da empresa, Christian Samoilovich, numa mensagem enviada a um colega, em março desse ano, em que reconhece que a Uber poderia usar a seu favor a violência contra os motoristas, depois de um conselheiro da Comissão Europeia ter escrito na rede social Facebook que um Uber em que viajara tinha sido atacado por taxistas.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados