Ex-vice-ministro da Segurança Pública da China condenado à morte

Agência Lusa , AM
23 set, 11:31
Sun Lijun (Associated Press)

Sun Lijunvai foi condenado pelo tribunal da cidade de Changchun, no nordeste do país, por ter recebido um total de 646 milhões de yuans (cerca de 92 milhões de euros) em subornos. Pena foi suspensa por dois anos

Um ex-vice-ministro da Segurança Pública da China, acusado de liderar um grupo criminoso constituído por funcionários do governo, foi condenado a pena de morte, suspensa por dois anos, informou a televisão estatal chinesa CCTV.

Sun Lijun foi condenado por manipulação do mercado de ações, aceitar subornos e outros crimes, detalhou a mesma fonte.

Desde que assumiu a liderança do Partido Comunista Chinês, em 2012, Xi lançou uma vasta campanha anticorrupção, que resultou na punição de altos cargos do Partido, líderes de empresas e organizações públicas, ou oficiais superiores do exército.

A condenação ocorre nas vésperas do 20.º Congresso do Partido Comunista, que deve atribuir a Xi Jinping um terceiro mandato de cinco anos como secretário-geral, rompendo com a tradição política das últimas décadas no país.

Sun foi condenado pelo tribunal da cidade de Changchun, no nordeste do país, por ter recebido um total de 646 milhões de yuans (cerca de 92 milhões de euros) em subornos. O antigo vice-ministro foi acusado de usar a sua posição, em 2018, para manipular a negociação de ações. Foi também acusado de receber subornos para atribuir cargos no seu ministério.

Sun será condenado a prisão perpétua sem liberdade condicional, se a sua sentença for comutada.

Um ex-ministro da Justiça e um ex-funcionário do Partido Comunista, que foram acusados de conspirar com Sun, receberam penalidades semelhantes na quinta-feira.

O ex-ministro Fu Zhenghua declarou-se culpado de aceitar subornos para ajudar a esconder atividades criminosas. Notícias anteriores acusaram-no de pertencer ao “grupo político de Sun Lijun”.

O funcionário do Partido Wang Like foi acusado de receber 440 milhões de yuans (cerca de 63 milhões de euros) em subornos. Ele foi também acusado de oferecer 97 milhões de yuans (15 milhões de euros) em subornos a Sun e outros funcionários.

A agência anticorrupção do partido no poder acusou Sun, no ano passado, de ter uma “ambição política extremamente inflada”. A agência disse que ele se envolveu em “atividades supersticiosas”.

Sun foi nomeado anteriormente num processo do Departamento de Justiça dos EUA contra o magnata dos casinos de Las Vegas, Steve Wynn.

O processo visou obrigar Wynn a registar-se como agente estrangeiro, devido ao seu envolvimento em ações de influência promovidas pelo Governo chinês.

O processo diz que altos funcionários, incluindo Sun, pediram a ajuda de Wynn, para que os EUA negassem o pedido de visto de um cidadão chinês, de acordo com a queixa. Pequim queria que o homem, acusado de corrupção e pedido de asilo político, retornasse à China.

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados