«Derrota? Concentração não esteve no máximo, temos de melhorar muito»

10 jan, 17:27
Carlos Fernandes, adjunto de Ruben Amorim, no Farense-Sporting (Luís Forra/LUSA)
Carlos Fernandes, adjunto de Ruben Amorim, no Farense-Sporting (Luís Forra/LUSA)

Carlos Fernandes, adjunto de Amorim, desvalorizou «jogo mal conseguido» de Esgaio e sublinhou «exigência» do Sporting

PUB

Ricardo Esgaio foi duramente criticado nas redes sociais após a derrota do Sporting no terreno do Santa Clara (3-2), mas o treinador adjunto do Sporting enalteceu que os leões mantêm total confiança no lateral.

«É um jogador que todos os treinadores querem. Connosco pode jogar a central, lateral a jogar por dentro ou bem aberto. Tem seis assistências nesta época, está a correr muito bem. Obviamente foi um jogo mal conseguido do ponto de vista individual, aqui ou ali, mas muito bem conseguido pelo esforço e porque taticamente executou aquilo que lhe pedimos. O que o treinador pede ao Esgaio ele faz no máximo, no limite. Sabemos o que traz à equipa, o apoio que o clube e a equipa lhe dá é diário, porque sabemos o que nos dá. Tentámos defendê-lo e ele defende-nos a nós porque trabalha diariamente para isso», referiu o técnico em conferência de imprensa, antes do duelo ante o Leça, esta terça-feira.

PUB

O adjunto dos verde e brancos abordou o jogo nos Açores e apontou a falta de concentração como um dos motivos para a derrota. «A mensagem do Ruben foi de que a exigência de jogar no Sporting é diária e mostra-se em 90 minutos, não pode ser em 70 ou 80. A nossa equipa vive muito de intensidade e quando não a temos nos 90 minutos, as outras equipas aproveitam. Temos de melhorar isso, o foco e a concentração. Neste jogo tivemos muita crença, mas por momentos a concentração não esteve no máximo. A exigência do Sporting é muito alta e continua cá. Não é por se perder um jogo que está tudo mal. De certeza absoluta de que não foi excesso de confiança nem dos jogadores nem da equipa técnica, foi um jogo que não correu tão bem. Temos de nos focar naquilo que queremos melhorar e já contra o Leça», assinalou.

PUB
PUB
PUB

Com o triunfo deste domingo do Benfica sobre o P. Ferreira, os encarnados ficaram a um ponto dos leões, mas estas contas não assustam os homens de Alvalade. «Já tivemos exemplos no passado de que sete pontos eram recuperáveis. Passou para quatro, para nós não muda nada quer tivessem ganho ou perdido. Estamos focados no nosso jogo, tristes sim por termos perdido com o Santa Clara. Demonstrou, como o Ruben Amorim tem vindo a dizer, que temos muito para melhorar, jogar no Sporting é complicado por isso mesmo, porque todas as semanas a exigência tem de ser máxima. Uma derrota, na ideia de toda a gente, permite relançar o campeonato, mas o campeonato esteve sempre relançado, nunca o demos como garantido. O que os rivais fazem não muda a nossa semana», frisou.

Carlos Fernandes opinou ainda acerca das expulsões recentes nos jogos do Sporting. «Acho que se formos analisar caso a caso percebemos que são expulsões distintas. Temos o caso do Neto, em que o próprio se desculpou a seguir ao jogo, é claramente vermelho. Não há problema em admitir. Este caso do Bragança ou o vermelho direto do Tabata a mim custa dar vermelho, porque entendo que não é uma agressão, é um lance do jogo. Há um pisão, não o vejo com maldade. No caso do Tabata, é um segundo amarelo, uma falta mal feita, ele próprio sabe e não vejo isso como nervosismo, mas como um erro. Quanto aos outros jogos não passa por mim comentar. O que digo aos jogadores é que tentem perceber o critério que os árbitros estão a usar, mas não é um problema que mereça uma análise maior», concluiu.

PUB
PUB
PUB

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Sporting

Mais Sporting

Patrocinados