LE: Mónaco-Sp. Braga, 1-1 (crónica)

17 mar, 19:36

Uma equipa sem medo de ser feliz

O Sp. Braga garantiu o apuramento para os quartos de final da Liga Europa com um empate no reduto do AS Monaco, no Stade Louis II (1-1).

Abel Ruiz marcou o primeiro golo do encontro, graças a um remate de fora da área que sofreu um desvio involuntário, no corpo de Vanderson, ao minuto 20.

Esse momento define este Sp. Braga de Carlos Carvalhal: uma equipa sem medo de ser feliz.

Os arsenalistas nunca marcado um golo em França. Nunca tinham igualmente afastado uma equipa francesa em eliminatórias europeias. A história é apenas isso, história.

Os Guerreiros do Minho arriscaram e foram felizes. O treinador do AS Monaco já tinha avisado na véspera do encontro que o Sp. Braga era a equipa que mais rematava nesta Liga Europa.

«Jogam sempre para a frente e atiram de longe. É uma equipa que pode marcar a qualquer momento», alertou Philippe Clement.

Assim foi. André Castro fez a primeira tentativa, Abel Ruiz insistiu e atirou de longe, à procura da felicidade. Ela apareceu, como normalmente aparece a quem mais procura. O desvio em Vanderson tirou do lance o guarda-redes Alexander Nubel.

Após o triunfo na primeira mão, em Braga (2-0), a equipa minhota cavou ainda mais o fosso para o AS Monaco e escancarou as portas dos quartos de final, regressando a uma fase da competição a que não chegava desde a temporada 2015/16, sob o comando técnico de Paulo Fonseca. O guarda-redes Matheus é o único resistente.

A formação monegasca sentiu dificuldades em contrariar a estratégia contrária na etapa inicial do encontro. Carlos Carvalhal preparou uma equipa que oscilava entre o 5x3x2 – a defender – e o 4x4x2 – a atacar, com Rodrigo Gomes a desdobrar-se entre a posição de lateral e extremo, à esquerda, e André Castro a dar apoio a Fabiano à direita.

O AS Monaco chegou ao intervalo com 62 por cento e superioridade esmagadora no número de ataques, mas com menor número de remates em relação ao Sp. Braga, incisivo e letal.

A verdade é que esta equipa de Philippe Clement já teve melhoras dias. Ocupa a 8.ª posição na tabela classificativa da Ligue 1, em nítido contraste com o 3.º lugar da época passada, e demonstra uma tremenda falta de confiança. Ainda assim, tem nomes como Gelson Martins ou Ben Yedder, um dos melhores marcadores do campeonato francês, a par de Mbappé.

Os monegascos pressionaram na etapa complementar, como seria expectável, e tornaram-se mais perigosos após as três substituições operadas pelo técnico ao minuto 52 – Gelson foi um dos sacrificados.

Antes de sair, o internacional português viu David Carmo negar-lhe um remate extremamente perigoso e Matheus a esmerar-se para evitar o festejo de Ben Yedder. Com o tempo, porém, o Sp. Braga adaptou-se – com enorme espírito de sacrifício dos seus jogadores - e sofreu apenas o empate já ao minuto 90. Disasi marcou de cabeça, na sequência de um pontapé de cabeça, já demasiado tarde para a reviravolta.

Está escrita uma das páginas mais bonitas da história recente do Sp. Braga, que garante ainda pontos importantes para o Ranking da UEFA frente a uma equipa do país que está à frente de Portugal nessa contabilidade europeia.

O sorteio dos quartos de final da Liga Europa realiza-se nesta sexta-feira, a partir das 12h30, em Nyon (Suíça).

Patrocinados